Pediatria é a segunda especialidade mais popular do país

Talvez você já tenha pensado em escolher um curso na área da saúde por querer trabalhar com pessoas, ajudar o próximo e contribuir para a melhora na vida dos demais em sociedade. Se sim, provavelmente já cogitou a área da Pediatria, uma profissão que exige bastante estudo, dedicação e vontade de fazer a diferença na vida das crianças e adolescentes.

Sabemos que a atribuição mais genuína da Pediatria é proteger e cuidar do indivíduo em uma de suas fases de maior vulnerabilidade. Com isso, a importância da Pediatria no mundo moderno ultrapassa a sua grande gama de conhecimentos etiológicos e fisiopatológicos das doenças das crianças e projeta-se além das suas eficientes técnicas diagnósticas e terapêuticas. 

O fato é que a pediatria continua sendo uma das maiores especialidades médicas do país. Segundo a pesquisa “Perfil dos Pediatras do Brasil”, em 1.999 existiam 31.532 pediatras no Brasil. Atualmente, de acordo com a Demografia Médica no Brasil 2020, levantada pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), existem 43.699 pediatras registrados no país, sendo essa a segunda especialidade médica mais popular (10,1%), ficando atrás apenas da Clínica Médica (11,3%). Desse total, 80% estão satisfeitos em exercer a profissão. 

Se por acaso você sentiu dificuldade em buscar mais informações e referências sobre essa carreira, especialmente sobre a formação, a rotina da profissão e os cursos de especializações disponíveis, temos uma boa notícia. Criamos este material, que aborda os diversos aspectos que você precisa saber sobre a Pediatria e por que ela pode ser a carreira perfeita para você. Confira!

A importância da carreira de Pediatra  

Pediatria é a especialidade da Medicina dedicada ao cuidado da saúde de bebês, crianças, adolescentes, pré-adolescentes e em transição para a fase adulta. Sua atuação abrange aspectos curativos, preventivos e de pesquisa. Além de tratar da saúde infantil, esse profissional também pode orientar as famílias sobre questões como alimentação, aleitamento materno, vacinação e prevenção de acidentes.

O Pediatra tem uma relação muito próxima com o paciente e seus familiares, desde a infância até a fase pré-adolescente. Por esse motivo, ele desenvolve uma relação de confiança com a família e realiza acompanhamento personalizado e contínuo com eles, cultivando a relação por longos anos.

Tamanha a sua importância, podemos dizer que o Pediatra é um profissional que cobre uma boa extensão das nossas vidas e que é fundamental para garantir o correto desenvolvimento físico, mental, motor, cognitivo, imunológico e, até mesmo, psicoemocional e social da criança atendida por todos estes anos.

27 de julho: dia especial para um profissional essencial na área médica, o Pediatra   

Devido ao grau de importância à sociedade, o dia 27 de julho é dedicado para lembrarmos e agradecermos o trabalho desse profissional indispensável na Medicina, que merece nossos parabéns, todos os dias do ano, por sua dedicação incansável com os pacientes e suas famílias. 

Ciente desse engajamento, a Sociedade Brasileira de Pediatria, tem buscado estar próxima deles e trabalhado incansavelmente para atender seus anseios. Dentre tantas razões para festejar, a SBP também comemora os 34 anos de criação do Sistema Único de Saúde (SUS) e os 32 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Contudo, parabeniza também a todos os Pediatras que atuam na assistência à população pediátrica menos favorecida, que hoje somam-se mais de 60 milhões de brasileiros (crianças e os adolescentes) e que são dependentes das políticas públicas de Estado para serem atendidos.

A realidade do profissional Pediatra 

O cenário da Pediatria Moderna do século XXI deve incorporar e aproveitar os avanços tecnológicos, priorizando a promoção à saúde e à prevenção de doenças, ao lado do diagnóstico precoce e de tratamentos oportunos. 

Para cumprir adequadamente todos esses propósitos, é primordial uma excelente formação técnica do Pediatra. Todos reconhecem a necessidade de um Pediatra bem formado, permanentemente em educação continuada e com compromisso profissional, moral e ético. Afinal, é preciso agir com base na avaliação da melhor certeza científica, porque hoje, mais do que ontem, as decisões médicas são vitais para o paciente. Entretanto, essas exigências devem ser correspondidas com a valorização do trabalho do Pediatra. 

Principal abordagem terapêutica da carreira: Pediatria Humanizada

A humanização na Pediatria nada mais é que o atendimento mais profundo - do que uma simples consulta médica - abordando aspectos de respeito, dignidade e carinho à criança e seus familiares. Naturalmente, a criança se sente pouco confortável dentro do ambiente hospitalar, o que pode se tornar ainda pior caso alguma doença grave esteja envolvida. 

Ao reconhecer que emoções humanas também estão envolvidas, além das questões físicas, o médico suaviza o processo de exames e tratamentos e ajuda a criança a se sentir o mais acolhida possível. Por exemplo, há casos em que o atendimento pode ser realizado em um ambiente confiável para a criança, como o caso de aplicação de vacinas em casa. Isso ajuda a criança a entender que o Pediatra é um adulto de confiança e está ali para auxiliar no seu crescimento de forma saudável e segura.

Doenças da infância que todo Pediatra irá vivenciar no dia a dia da profissão      

É muito importante que o Pediatra esteja preparado e saiba lidar com as principais doenças que afetam as crianças e adolescentes, antes que elas apareçam e se desenvolvam. Para isso, é necessário conhecer cada doença e prevenir com as vacinas e tratamentos indicados. Afinal, todo Pediatra irá vivenciar muitos contratempos na sua rotina profissional. Então, vamos conhecer um pouco sobre essas ‘inimigas invisíveis’ e como ajudar os pacientes a se fortalecerem contra elas.

As crianças são muito suscetíveis às doenças infectocontagiosas como a catapora e o sarampo, por exemplo. Isso ocorre porque o sistema de autodefesa do corpo, também chamado de ‘sistema imunológico', ainda não está totalmente desenvolvido. São chamadas de ‘doenças infantis’ ou ‘doenças da infância’, que se desenvolvem quando o sistema imunológico ainda não é capaz de combatê-las.

Leia também: Vitamina K para recém-nascidos: entenda recomendações

Catapora (ou varicela): é uma doença muito contagiosa, causada por um vírus chamado Varicela Zoster. Essa doença é uma das mais comuns na infância, principalmente porque só se pega catapora uma vez. A criança costuma ter febre alta, bastante coceira na pele, cansaço, cefaléia e perda de apetite.Não existe um remédio específico para tratar a catapora. O que se deve fazer é repousar, ingerir bastante líquido e principalmente, evitar coçar as feridas para não infeccionar. A recuperação dura de 7 a 10 dias. A catapora pode ser prevenida com a vacina ‘Varicela’.

Caxumba: também chamada de papeira ou parotidite, é uma infecção viral (Vírus da família Paramyxoviridae, gênero paramyxovirus) das glândulas salivares (geralmente a parótida), sublinguais ou submandibulares, todas próximas aos ouvidos. Ocorre, usualmente, sob a forma de surtos, que acometem mais as crianças, sendo mais severa nos adultos. Ocorre mais no período do inverno e primavera. É transmitida através do contato direto com secreções (saliva ou espirro) da pessoa infectada. A prevenção para não pegar caxumba é a vacina ‘tríplice viral’, que deve ser administrada aos 15 meses de idade.

Coqueluche: é uma doença infecto-contagiosa que ataca o aparelho respiratório. É uma doença bacteriana causada pela bactéria Bordetella pertussis. Pode ser transmitida por contato direto com secreção de indivíduo doente como gotas de saliva lançadas ao ar ou por objetos contaminados. A prevenção contra a coqueluche é através da vacina Tríplice que deverá ser administrada em crianças de dois meses até quatro anos e onze meses.

Meningite: é uma inflamação das membranas que recobre e protege o sistema nervoso central localizado no cérebro que recebe o nome de ‘meninges’. Pode ser causada, tanto por vírus quanto por bactéria, sendo esta a mais comum. A transmissão é feita pelo contato direto com a criança infectada através das secreções expelidas no ar ou de pequenas gotas de saliva lançadas no ato de falar, tossir ou espirrar. A meningite dura cerca de vinte dias e pode deixar sequelas. A forma de prevenção da meningite é através da vacina ‘anti HIB’ e evitar estar com crianças pequenas em lugares que tenham aglomerações de pessoas e ambientes abafados, evitar fazer visitas a hospitais

Poliomielite: também chamada de paralisia infantil, pólio ou ainda doença de Heine-Medin, é uma infecção viral aguda, causada por um dos três poliovírus existentes. É contagiosa e ataca o sistema neurológico, afetando o corpo inteiro, podendo causar paralisia dos movimentos musculares. Uma criança pode pegar poliomielite através do contato direto, isto é, tendo contato com outra criança infectada ou através do contato indireto, isto é, através da água, alimentos, picadas de insetos e etc.  A vacinação é o meio profilático mais eficiente, visto que desde 1960, quando começaram as campanhas de vacinação, a poliomielite deixou de ser uma das doenças causadoras de epidemias entre a população infantil. A vacina de prevenção para esta doença é a Sabin ou anti-pólio.

Rubéola, sarampo alemão ou sarampo de três dias: é uma doença causada por vírus (gênero Rubivirus da família Togaviridae). É transmitida através do contato direto, através de minúsculas gotas de saliva liberadas no ar ao tossir, espirrar ou falar, ou pela mãe para o feto, via circulação comum. Para a rubéola não tem tratamento, o médico pode apenas aliviar alguns sintomas como a febre e a cefaléia com medicamentos específicos. É prevenida com a vacina Tríplice viral sendo eficiente em quase 100% dos casos e deve ser administrada em crianças aos 15 meses de vida. Mulheres que não tiveram a doença devem ser vacinadas antes de engravidar.

Leia também: Por que escolher uma carreira médica na Pediatria?

A carreira de Pediatra

Após se tornar Pediatra, você pode seguir novos caminhos na sua carreira e tornar a sua atuação profissional ainda mais qualificada e delimitada a determinados campos da Medicina. Ou seja, é como se você tivesse uma sub-especialidade para além da Pediatria. As alternativas são inúmeras e desafiadoras. Abaixo, você confere algumas delas:

  • Reumatologia Pediátrica;
  • Infectologia Pediátrica
  • Neurologia Pediátrica;
  • Cardiologia Pediátrica;

É importante destacar também que este profissional deve ter um perfil  ‘dialógico’,ou seja, que tenha capacidade de estabelecer comunicação com os responsáveis pela criança e adolescente, buscando informações valiosas que vão auxiliar no diagnóstico e medidas preventivas em saúde. O médico que planeja seguir carreira na Pediatria, é experiente em exames físicos, conhece as doenças mais comuns para cada faixa etária e consegue fazer análises que envolvem relatos e dados como nenhum outro.  

Leia também: A importância da Pediatria na saúde das crianças e adolescentes: amor e dedicação aos pequenos

Carreira pediátrica: como se especializar em Pediatria?

A Pediatria é um segmento dentro da Medicina. Por essa razão, não há um curso de graduação em Pediatria, apenas de pós-graduação.

A Afya Educação Médica, ex-IPEMED, pode ser um excelente caminho para seguir sua especialização na área de Pediatria Geral. A proposta do curso de Pós-Graduação em Pediatria Geral é oferecer a você um conteúdo selecionado, baseado em evidências científicas, prático, abrangente, e que facilite a sistematização da consulta da criança e do adolescente em diferentes ambientes de cuidado. 

Leia mais: Conheça agora nossa pós-graduação em Pediatria Geral

Autor(a)

Os médicos que leram esse post, também leram:

Todos os Posts