Tabagismo: entenda seus malefícios

O tabagismo é uma das principais preocupações de saúde pública em todo o mundo. Milhões de pessoas são afetadas por esse vício devastador, que não apenas prejudica a saúde individual, mas também sobrecarrega os sistemas de saúde e a economia de um país.

Neste texto, exploraremos em detalhes os malefícios do tabagismo, suas consequências a longo prazo, apresentaremos dados sobre a situação do tabagismo no Brasil e no mundo e discutiremos estratégias que os médicos podem adotar para ajudar seus pacientes a se livrarem desse vício.

Malefícios do tabagismo

O tabagismo é uma das principais causas de morte evitável em todo o mundo. Os malefícios do tabagismo são vastos e abrangem uma série de áreas, incluindo a saúde física, mental e econômica dos fumantes.

A seguir, listamos alguns dos principais malefícios do tabagismo:

  • Câncer: o tabagismo é a principal causa de câncer de pulmão, sendo responsável por cerca de 85% dos casos. Além disso, segundo o Instituto Nacional de Câncer - INCA, fumar está relacionado a 25% dos casos de todos os tipos de câncer no mundo, como o de boca, esôfago, laringe, bexiga, pâncreas, entre outros.
  • Doenças respiratórias: o fumo é um fator de risco significativo para doenças como a doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) e a bronquite crônica. A nicotina presente no tabaco compromete a capacidade pulmonar e prejudica a função respiratória.
  • Doenças cardiovasculares: fumar aumenta o risco de doenças cardíacas, como infarto do miocárdio, hipertensão arterial, derrame cerebral e doença arterial periférica. Os componentes químicos do cigarro danificam os vasos sanguíneos e aumentam a formação de placas nas artérias.
  • Envelhecimento prematuro: o tabagismo contribui para o envelhecimento prematuro da pele, causando rugas e manchas. A pele dos fumantes também tem uma aparência amarelada devido à nicotina.
  • Dependência química: a nicotina presente no tabaco é altamente viciante, tornando o tabagismo uma das formas mais difíceis de dependência química de serem superadas. A retirada da nicotina pode causar sintomas de abstinência intensos, como irritabilidade, ansiedade e insônia.
  • Problemas de saúde mental: estudos demonstraram uma ligação entre o tabagismo e problemas de saúde mental, como depressão e ansiedade. No entanto, a relação entre esses fatores é complexa e ainda está sendo estudada.
  • Impacto na saúde da família: o tabagismo passivo, ou seja, a inalação de fumaça de cigarro por não fumantes, também é prejudicial à saúde. Crianças expostas à fumaça do tabaco têm maior risco de desenvolver infecções respiratórias, asma e problemas de desenvolvimento.

Consequências a longo prazo

Os efeitos nocivos do tabagismo não se limitam apenas aos problemas de saúde imediatos. A longo prazo, o tabagismo pode ter um impacto devastador na vida de um indivíduo, para além da saúde física ou mental. Aqui estão algumas das consequências a longo prazo do consumo de tabaco.

Redução da expectativa de vida

Os fumantes têm uma expectativa de vida significativamente mais curta em comparação com os não fumantes. Isso ocorre devido à maior incidência de doenças graves relacionadas ao tabaco que citamos anteriormente, como câncer, doenças cardiovasculares, doenças respiratórias, dentre outras.

Comprometimento da qualidade de vida

Além de reduzir a expectativa de vida, as doenças relacionadas ao tabaco podem causar incapacidade e limitações significativas na qualidade de vida. Isso inclui dificuldades respiratórias, falta de energia e limitações nas atividades físicas.

Impacto social e relacional

Fumar pode afetar os relacionamentos pessoais, já que muitas pessoas são sensíveis à exposição à fumaça do cigarro. Isso pode levar ao isolamento social e à exclusão de atividades sociais.

Custos financeiros elevados

O tabagismo é um hábito caro. Os gastos com cigarros ao longo da vida podem ser substanciais, comprometendo as finanças pessoais.

Tabagismo no Brasil e no mundo

O tabagismo é um problema global, afetando pessoas em todos os cantos do mundo. No entanto, a prevalência do tabagismo varia de país para país. No Brasil, o tabagismo é uma preocupação significativa para a saúde pública. De acordo com dados da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS/2019, publicada em 2021), 12,6% da população brasileira acima de 18 anos de idade fuma regularmente, o que representa mais de 20 milhões de pessoas.

No cenário global, a Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que mais de 1 bilhão de pessoas sejam fumantes em todo o mundo. As taxas de tabagismo são particularmente altas em países de baixa e média renda, onde a regulamentação e o acesso a serviços de saúde são limitados.

Estratégias para o combate ao tabagismo

Para ajudar os pacientes a se livrarem do vício do tabagismo, incluindo o cigarro eletrônico, os médicos desempenham um papel fundamental. Segundo o relatório "WHO report on the global tobacco epidemic 2019: offer help to quit tobacco use" da Organização Mundial da Saúde (OMS), oferecer ajuda para a cessação do tabagismo é um componente essencial de qualquer estratégia de controle do uso do tabaco.

Existem várias estratégias e abordagens que podem ser eficazes no tratamento do tabagismo. Separamos as principais delas abaixo.

Aconselhamento

Os médicos podem oferecer aconselhamento individualizado aos pacientes, destacando os riscos à saúde do tabagismo e os benefícios de parar de fumar. A orientação médica no combate ao tabagismo é essencial e o aconselhamento pode ser complementado por materiais educacionais e recursos online.

Nesta abordagem, pode-se sugerir que o fumante marque uma data para o início do seu processo, como forma de incentivo. Além disso, é importante explicar os sintomas da abstinência e sugerir estratégias para controlar a vontade de fumar, como tomar água, escovar os dentes e respirar fundo, quantas vezes for necessário. 

Terapia de reposição de nicotina

A terapia de reposição de nicotina, na forma de adesivos, gomas de mascar, pastilhas e sprays, pode ajudar os pacientes a reduzir a dependência da nicotina gradualmente.

Medicamentos para deixar de fumar

Existem medicamentos, como a bupropiona e a vareniclina, que podem ser prescritos para ajudar no tratamento do tabagismo. Esses medicamentos podem reduzir os sintomas de abstinência e os desejos por nicotina.

Grupos de apoio

Encorajar os pacientes a participar de grupos de apoio ou programas de cessação do tabagismo pode ser altamente eficaz. O apoio de outras pessoas que enfrentam os mesmos desafios pode ser motivador.

Acompanhamento regular

É essencial que os médicos acompanhem seus pacientes ao longo do processo de abandono do tabagismo. O acompanhamento regular permite ajustar o tratamento conforme necessário e fornecer apoio contínuo.

Abordagem multidisciplinar

O tratamento do tabagismo muitas vezes requer uma abordagem multidisciplinar. Isso pode envolver a colaboração com psicólogos, nutricionistas e outros profissionais de saúde para abordar os aspectos físicos e psicológicos do vício.

Campanhas de conscientização

A promoção de campanhas de conscientização sobre os perigos do tabagismo em nível nacional e local, tal como o Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) pode ajudar a reduzir a iniciação ao fumo e encorajar fumantes a buscar ajuda para parar.

É importante disseminar a informação de que o próprio Sistema Único de Saúde (SUS) oferece tratamento do tabagismo, que inclui avaliação clínica, abordagem mínima ou intensiva, individual ou em grupo e, se necessário, terapia medicamentosa juntamente com a abordagem intensiva.

Gostou de saber mais sobre o tabagismo?

O tabagismo é um problema global que causa uma ampla gama de malefícios à saúde e à qualidade de vida. Tanto no Brasil quanto no mundo, é importante que os profissionais de saúde, em especial os médicos, estejam bem informados sobre os riscos do tabagismo e as estratégias eficazes para ajudar os pacientes a se livrarem desse vício.

O combate ao tabagismo exige uma abordagem abrangente que inclua aconselhamento, terapias de reposição de nicotina, medicamentos, apoio emocional e conscientização pública. Com esforços contínuos, é possível reduzir a prevalência do tabagismo e melhorar a saúde e o bem-estar das populações em todo o mundo.

Fique por dentro das últimas notícias, dicas e informações exclusivas! Inscreva-se agora em nossa newsletter e junte-se a uma comunidade de médicos que buscam conhecimento e atualizações de qualidade.

Autor(a)

Os médicos que leram esse post, também leram:

Todos os Posts