Autismo severo: agressividade não é critério para diagnóstico

Autor(a)

O autismo é um transtorno de neurodesenvolvimento que, desde 2013, é classificado como Transtorno do Espectro Autista (TEA), conforme preconizado pelo Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5), da Associação Americana de Psiquiatria

Isso significa que cada pessoa tem uma necessidade de acordo com o espectro – ou dos chamados graus de autismo. Contudo, há muita desinformação sobre os espectros e graus de autismo, fazendo com que muitas pessoas acreditem, inclusive, que todo indivíduo que apresenta o nível 3, ou seja, o autismo severo, responderá com agressividade, o que não é verdade.

Para dar fim a esse e a outros enganos, conversamos com a Dra. Marcela Fraga, mestra e especialista em neuropediatria pela Universidade Federal de São Paulo e professora da pós-graduação em neurologia da IPEMED.

Leia também: Vale a pena fazer um fellowship em psiquiatria?

Reconhecendo os níveis de TEA e critérios de diagnóstico

Conforme a classificação do DSM-5, os espectros autistas podem ser classificados em 3 diferentes níveis. 

  • O autismo leve, também chamado de nível 1, se caracteriza pela maior autonomia do indivíduo que recebe o diagnóstico, embora ele apresente interesses sociais diminuídos e padrões de repetição;
  • Autismo moderado, ou de nível 2, que é aquele em que a pessoa precisará de um pouco mais de apoio no dia a dia. Em geral, demonstra menor interesse na conversação ou respostas atípicas e também deixa mais evidentes comportamentos restritivos e de repetição; 
  • Por sua vez, o autismo severo, ou nível 3, costuma demandar apoio constante para as necessidades diárias. Isso ocorre, sobretudo, porque pessoas classificadas neste nível do espectro costumam ter muita dificuldade com mudanças e, consequentemente, padrões de repetição muito acentuados. É mais comum também, que essas pessoas tenham condições associadas ao autismo, com TDAH, por exemplo.

No entanto, ao contrário do que muitos pensam, nem sempre a pessoa com autismo severo terá resposta agressiva, conforme explica a Dra. Marcela Fraga.

Agressividade não é critério para diagnóstico de TEA. Os critérios são: comprometimento em comunicação usadas para interação e socialização, defasagem de reciprocidade social, defasagem na capacidade de manter relações de amizade, comprometimento de comportamento que incluem comportamentos fixos e repetitivos, interesses restritos, transtornos sensoriais (incômodo com barulho, incômodo com texturas, com tato, e paladar), além das estereotipias motoras e vocais”, explica a especialista.

Leia também: A importância da pediatria na saúde das crianças e adolescentes

Intervenção precoce é essencial para melhor prognóstico do autismo severo 

A Dra. Fraga esclarece que quanto mais severo o autismo, maior é o comprometimento intelectual e, portanto, a intervenção precoce ajuda muito no prognóstico. 

Conheça as principais áreas de um programa de intervenção precoce

Comunicação não verbal: consiste na indicação de intenções por meio de movimentos corporais, gestos ou contato visual, por exemplo;

Imitação: ter essa capacidade é essencial para o desenvolvimento de qualquer criança, pois por meio da imitação o indivíduo aprende linguagens e comportamentos funcionais;

Jogo com pares: contribui para expandir e diversificar o repertório comunicativo da criança com TEA, além de trabalhar aspectos como referenciação social, alternância, imitação e, ainda, atenção compartilhada.

Engajamento familiar: consiste em engajar os pais/cuidadores no programa de intervenção precoce para que eles possam dar continuidade às medidas adotadas dentro de casa. Além disso, é fundamental que os familiares conheçam a criança, seus estressores, seus potenciais e suas áreas de necessidade de aprimoramento de desenvolvimento.

Ainda sobre a relevância do núcleo familiar, a Dra. Fraga reforça que é importante que os familiares entendam a criança para que possam ter compreensão também de outros aspectos, como as crises de transtornos sensoriais, por exemplo. “Cada criança dentro do espectro é única e se comporta de maneira diferente de acordo com o estímulo recebido. Cada criança tem a função de um determinado comportamento diferenciado da outra. Então, a família tem que entender qual é a funcionalidade daquele comportamento, seja um episódio de agressividade, irritabilidade...e entender como abordá-lo”.

Para que a família possa alcançar esse objetivo, a Dra. Fraga recomenda terapia parental e a compreensão do funcionamento da terapia ABA (Applied Behavior Analysis), ou Análise do Comportamento Aplicada, em português, que consiste em trabalhar os impactos da condição da criança com espectro autista em condições reais. Entre os resultados buscados pela terapia ABA estão:

  • Criação ou melhora das habilidades de linguagem e comunicação;
  • Melhora da atenção, foco e interação social;
  • Redução de comportamentos atípicos ou que possam provocar autolesões.

Evolução no tratamento do autismo severo e expectativa de vida do paciente

O diagnóstico precoce está entre as maiores evoluções para o desfecho final do paciente com TEA, principalmente as severas. “Quanto mais precoce for a introdução desse tratamento, melhor será o desfecho final para comunicação, socialização. Então esse é o grande avanço da medicina atual”, afirma a neuropediatra.

O emprego dessa intervenção precoce pode contribuir também para melhorar a expectativa de vida da criança com espectro autista, uma vez que favorece um melhor desenvolvimento e interação social, o que pode evitar comorbidades, conforme explica a Dra. Fraga “a longevidade da criança com TEA muda de acordo com a apresentação de comorbidades, principalmente as psiquiátricas. O índice de suicídio e depressão nessas crianças é muito comum, assim como o TDHA, Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade. E isso tudo piora muito o prognóstico final”. 

Gostou desse artigo? Compartilhe com outros colegas. Aproveite o momento e continue a navegação pelo nosso blog para ler outros conteúdos semelhantes.

Os médicos que leram esse post, também leram:

Todos os Posts