Infecção hospitalar: como evitar?

As infecções hospitalares têm sido uma preocupação constante no cenário da saúde em todo o mundo. No Brasil, não é diferente. Infelizmente, as infecções adquiridas durante a internação hospitalar continuam sendo um desafio significativo, afetando a segurança e a qualidade do cuidado prestado aos pacientes.

Elas são definidas como infecções que surgem durante a estadia do paciente em um ambiente hospitalar ou de saúde, mas que não estavam presentes no momento da admissão.

Quer saber mais sobre como evitar a infecção hospitalar? Acompanhe!

O que é infecção hospitalar?

A infecção hospitalar é definida como uma sepse que ocorre durante a hospitalização de um paciente ou após sua alta (se o quadro estiver relacionado à internação ou procedimentos de saúde). É também conhecida como infecção associada à assistência à saúde (IAAS) ou infecção nosocomial.

Essas infecções são adquiridas em hospitais, clínicas, centros cirúrgicos, unidades de terapia intensiva e outros ambientes de cuidados de saúde. Elas podem ser causadas por uma variedade de agentes infecciosos, incluindo bactérias, vírus, fungos e parasitas.

Esses agentes podem ser transmitidos por várias vias, como:

  • contato direto com uma pessoa infectada ou com superfícies contaminadas;
  • contato com dispositivos médicos contaminados;
  • inalação de partículas no ar;
  • ingestão de alimentos ou água contaminados.

As infecções hospitalares representam um problema significativo de saúde pública, pois podem levar a complicações graves, aumento do tempo de internação, custos adicionais de tratamento, resistência antimicrobiana e, em casos mais graves, até mesmo a morte.

Quais os principais agentes de infecções hospitalares?

Os principais agentes de uma infecção hospitalar podem variar dependendo do tipo de infecção e da região geográfica, mas os seguintes micro-organismos são frequentemente associados a infecções adquiridas em ambientes de cuidados de saúde:

Bactérias

As bactérias são os agentes infecciosos mais comuns em infecções hospitalares. Algumas das bactérias mais frequentemente envolvidas incluem:

  • Staphylococcus aureus resistente à meticilina (MRSA);
  • Enterococcus resistente à vancomicina (VRE);
  • Escherichia coli resistente a múltiplos medicamentos (ESBL);
  • Klebsiella pneumoniae resistente a carbapenêmicos (KPC);
  • Pseudomonas aeruginosa;
  • Acinetobacter baumannii.

Vírus

Embora as infecções virais hospitalares sejam menos comuns do que as bactérias, alguns vírus podem causar infecções hospitalares significativas. Exemplos incluem:

  • Norovírus;
  • Influenza;
  • Vírus respiratórios sinciciais (VRS);
  • Hepatite B e C;
  • HIV (vírus da imunodeficiência humana).

Fungos

Os fungos podem causar infecções oportunistas em pacientes hospitalizados, especialmente aqueles com um sistema imunológico comprometido. Alguns fungos associados a infecções hospitalares são:

  • Candida spp;
  • Aspergillus spp;
  • Cryptococcus neoformans.

Parasitas

Embora menos comuns, alguns parasitas podem ser responsáveis por infecções hospitalares, como:

  • Entamoeba histolytica;
  • Giardia lamblia;
  • Toxoplasma gondii.

Como combater as infecções hospitalares?

O combate à infecção hospitalar faz parte dos protocolos de segurança do paciente. Veja algumas medidas básicas para controlar esse problema comum:

Uso adequado de EPIs

Os EPIs são equipamentos projetados para proteger os profissionais de saúde e os pacientes contra a exposição a patógenos. Alguns exemplos de EPIs fundamentais no ambiente hospitalar incluem:

  • luvas;
  • aventais descartáveis;
  • máscaras;
  • óculos de proteção.

É essencial que os profissionais de saúde utilizem os EPIs apropriados para a tarefa específica, seguindo as diretrizes e protocolos da CCIH. Isso inclui a correta colocação e remoção dos EPIs, bem como o descarte adequado após o uso.

Cumprimento de normas e padrões de higienização no hospital

A higienização adequada do ambiente hospitalar é fundamental para prevenir a disseminação de infecções. Ela envolve a limpeza e desinfecção regular de superfícies, equipamentos médicos e áreas comuns.

Além disso, é importante seguir práticas de higiene das mãos rigorosas, utilizando água e sabão, especialmente antes e após o contato com os pacientes. Além disso, é fundamental higienizar as mãos no tempo adequado (mínimo de trinta segundos em contato com o agente químico).

Treinamento adequado de colaboradores que estão na linha de frente

A educação e o treinamento dos profissionais de saúde são fundamentais para garantir que eles estejam cientes das melhores práticas de controle de infecções e possam implementá-las corretamente. Os colaboradores devem receber treinamento sobre:

  • uso racional de antibióticos;
  • uso adequado dos EPIs;
  • técnicas de higienização das mãos;
  • protocolos de precaução;
  • manejo seguro de dispositivos médicos;
  • práticas de limpeza e desinfecção.

Além disso, é importante fornecer atualizações regulares sobre as diretrizes e políticas de controle de infecções para garantir que os profissionais estejam cientes das últimas recomendações.

Qual a importância do uso racional de antibióticos?

Quem trabalha em hospitais já deve ter percebido que o uso racional de antibióticos vem protagonizando o combate à infecção hospitalar. Esse termo refere-se à prescrição, administração e à utilização apropriadas desses medicamentos.

Para isso, o profissional deve sempre ponderar sobre a necessidade, a eficácia e a segurança do antibiótico, tendo em vista a minimização do desenvolvimento de resistência antimicrobiana.

O uso irracional de antibióticos é um dos principais fatores de risco de desenvolvimento e disseminação de infecções hospitalares. A resistência antimicrobiana ocorre quando os microrganismos sofrem alterações genéticas e se tornam menos suscetíveis aos efeitos dos antibióticos.

Ao usar antibióticos de forma racional, prescrevendo-os apenas quando necessário, na dose correta e pelo período adequado, é possível reduzir a pressão seletiva sobre as bactérias e minimizar o desenvolvimento de resistência.

O uso racional de antibióticos é uma responsabilidade compartilhada por todos os profissionais de saúde envolvidos no tratamento dos pacientes:

  • Faça uma avaliação clínica adequada: Antes de prescrever um antibiótico, avalie cuidadosamente o paciente, incluindo histórico médico, sinais e sintomas, exames laboratoriais e culturas;
  • Prescreva apenas quando necessário: reserve o uso de antibióticos para infecções bacterianas comprovadas ou altamente suspeitas;
  • Escolha o antibiótico apropriado: Se uma infecção bacteriana for diagnosticada, selecione o antibiótico mais adequado para o tipo de infecção, considerando a suscetibilidade local das bactérias aos antibióticos. É papel da CCIH informar aos médicos sobre o perfil etiológicos das infecções de cada instituição;
  • Dose corretamente: Certifique-se de prescrever a dose correta do antibiótico, levando em consideração a idade, peso e função renal do paciente;
  • Defina a duração adequada do tratamento: A duração do tratamento com antibióticos varia de acordo com o tipo de infecção. Certifique-se de prescrever a duração adequada do tratamento para erradicar completamente a infecção e prevenir recorrências. Evite a interrupção prematura do tratamento, pois isso pode levar ao desenvolvimento de resistência bacteriana;
  • Evite o uso empírico generalizado: Embora seja comum iniciar o tratamento empírico com antibióticos antes de receber os resultados de culturas, é importante revisar e ajustar a terapia com base nesses resultados. Evite prescrever antibióticos de amplo espectro quando um espectro mais estreito for suficiente;
  • Monitore a resposta ao tratamento: Acompanhe de perto a resposta do paciente ao tratamento com antibióticos. Se não houver melhora após um período razoável, reavalie o diagnóstico e considere a possibilidade de alterar o antibiótico ou realizar investigações adicionais.


Gostou do nosso conteúdo sobre infecção hospitalar?

Portanto, as infecções hospitalares não apenas aumentam a morbidade e a mortalidade dos pacientes, mas também aumentam os custos de saúde e prolongam as internações.

Além disso, o desenvolvimento de bactérias resistentes a antibióticos é uma preocupação crescente, tornando o tratamento dessas infecções cada vez mais desafiador.

Quer saber mais sobre os temas mais atuais da Medicina? Não deixe de assinar nossa newsletter!

Autor(a)

Os médicos que leram esse post, também leram:

Todos os Posts