Escala de coma: como os níveis de consciência são classificados

A avaliação do nível de consciência em pacientes é crucial na prática médica, fornecendo informações essenciais para o diagnóstico, tratamento e monitoramento. Diversas escalas foram desenvolvidas ao longo do tempo buscando padronizar essa avaliação.

Diante da complexidade e variedade de condições clínicas, o desenvolvimento de escalas específicas tornou-se imperativo para garantir uma avaliação mais objetiva. Essas ferramentas não apenas simplificam o processo, mas também proporcionam uma compreensão mais abrangente do estado do paciente.

Este guia visa esclarecer as diferenças e proporcionar uma compreensão aprofundada das principais "escalas de coma" utilizadas no meio médico. Boa leitura!

Quais são as principais classificações existentes para definir níveis de consciência de pacientes?

Entre as classificações mais amplamente utilizadas, destacam-se a Escala de Coma de Glasgow, a Escala de Ramsay e a Escala de Richmond Agitation Sedation Scale. Cada uma dessas abordagens apresenta características distintas, atendendo a diferentes contextos clínicos e faixas etárias, evidenciando a complexidade e a diversidade na avaliação da consciência em pacientes.

Escala de Glasgow (GCS)

A Escala de Coma de Glasgow (GCS) é uma ferramenta crucial na avaliação do nível de consciência de um paciente com lesão neurológica.

Desenvolvida em 1974, por Sir Graham Teasdale e Sir Bryan J. Jennett, neurocirurgiões da Universidade de Glasgow, na Escócia, essa escala se tornou amplamente utilizada por sua simplicidade e eficácia na avaliação inicial e monitoramento contínuo de pacientes com comprometimento neurológico.

Componentes da Escala de Glasgow

  • abertura ocular: avalia a resposta do paciente à estimulação visual ou ao ambiente. A classificação da abertura ocular varia de 1 (sem resposta) a 4 (abertura espontânea);
  • resposta verbal: avalia a capacidade do paciente de se comunicar verbalmente. A classificação da resposta verbal varia de 1 (sem resposta) a 5 (orientado e conversando);
  • resposta motora: avalia a resposta do paciente a estímulos motores específicos. A classificação da resposta motora varia de 1 (sem resposta) a 6 (resposta normal);
  • reatividade pupilar: adicionada em uma atualização recente, avalia a reação das pupilas à luz. A pontuação varia de 0 (pupilas não reativas) a 2 (pupilas reativas).

Grau de lesão

A pontuação total da Escala de Glasgow varia de 3 a 15, com 15 indicando uma condição neurofisiologicamente normal. O grau de lesão é categorizado da seguinte forma:

  • entre 13 e 15: lesão leve;
  • entre 9 e 12: lesão moderada;
  • entre 3 e 8: lesão grave;
  • menor que 3: coma.

Aplicação prática

  • observação: inicia-se observando o paciente para determinar a abertura ocular, resposta verbal e resposta motora;
  • estímulo visual e verbal: em seguida, realizam-se estímulos visuais e verbais para avaliar as respostas do paciente;
  • estímulo motor: se necessário, aplica-se estímulo motor específico para avaliar a resposta motora;
  • reatividade pupilar: na versão atualizada, inclui-se a avaliação da reatividade pupilar, expondo as pupilas à luz.

Importância clínica

A pontuação na escala de coma GCS orienta decisões clínicas. Por indicar o prognóstico do paciente, há uma correlação contínua entre a pontuação e a mortalidade. Além disso, a escala facilita a comunicação rápida e objetiva sobre o nível de consciência do paciente entre profissionais de saúde.

Escala de Ramsay

A Escala de Ramsay é uma ferramenta projetada para avaliar o nível de sedação em pacientes. Criada em 1974, pelo anestesista escocês, Dr. Andrew I. R. Ramsay, ela atribui uma pontuação de 1 a 6 com o objetivo de quantificar o grau de ansiedade e agitação observado durante o período de sedação. Aqui estão alguns detalhes sobre como a Escala de Ramsay funciona.

Classificação de níveis de sedação

  • Nível 1: o paciente está ansioso e agitado;
  • Nível 2: o paciente está calmo e colaborativo;
  • Nível 3: o paciente está sonolento, mas responsivo a comandos verbais;
  • Nível 4: o paciente está sonolento, sem resposta a comandos verbais, mas responde a estímulos físicos;
  • Nível 5: o paciente está sedado, com resposta apenas a estímulos táteis leves;
  • Nível 6: o paciente está profundamente sedado, sem resposta a estímulos.

Avaliação baseada em critérios clínicos e comportamentais

A avaliação na Escala de Ramsay é realizada com base em observações clínicas e comportamentais do paciente. A equipe médica avalia o nível de sedação considerando o grau de agitação, ansiedade e responsividade aos estímulos verbais e físicos.

Aplicação em pacientes sedados

A escala é comumente utilizada em ambientes clínicos, especialmente em unidades de terapia intensiva (UTI), salas de recuperação pós-anestesia e outros cenários onde a sedação é administrada. É uma ferramenta valiosa para ajustar a administração de medicamentos sedativos conforme a resposta do paciente, garantindo um nível adequado de sedação sem comprometer a segurança.

Abordagem clínica específica

A Escala de Ramsay fornece uma abordagem clínica específica para avaliar e documentar o estado de sedação do paciente. A classificação em diferentes níveis ajuda na comunicação eficaz entre os membros da equipe médica, garantindo que todos entendam o nível de sedação.

Escala de Richmond (RASS)

Desenvolvida em 2002 por pesquisadores do Virginia Commonwealth University Medical Center, localizado em Richmond, Virgínia (EUA), a Escala de Richmond Agitation Sedation Scale (RASS) é uma ferramenta validada para avaliação de sedação e agitação em pacientes críticos. Ela aborda quatro níveis de agitação e cinco níveis de sedação, proporcionando uma avaliação mais abrangente.

Classificação de níveis de agitação

  • +4 (agitação violenta): o paciente exibe agitação intensa, representando uma ameaça imediata para a segurança da equipe médica;
  • +3 (agitação muito profunda): o paciente está agitado, exigindo intervenção imediata;
  • +2 (agitação profunda): o paciente está agitado, mas não representa uma ameaça direta à segurança;
  • +1 (Inquietação): o paciente está ansioso, mas permanece calmo e cooperativo.

Classificação de níveis de sedação

  • 0 (acordado e calmo): o paciente está acordado, calmo e alerta;
  • -1 (sonolento, responde prontamente): o paciente está sonolento, mas responde prontamente a estímulos verbais;
  • -2 (sonolento, responde após estímulo): o paciente está sonolento e responde apenas após estímulo repetido ou vigoroso;
  • -3 (muito sonolento, responde a estímulo): o paciente está muito sonolento, respondendo apenas a estímulos dolorosos;
  • -4 (incapaz de responder a estímulo): o paciente está profundamente sedado e não responde a estímulos.

Avaliação baseada em critérios clínicos e comportamentais

A avaliação na RASS é realizada considerando critérios clínicos e comportamentais. A equipe médica observa o comportamento do paciente em relação à agitação e sedação, permitindo uma avaliação objetiva.

Aplicação em pacientes críticos

A RASS é frequentemente utilizada em pacientes críticos, como aqueles em unidades de terapia intensiva (UTI) e unidades de cuidados pós-anestésicos. Ajuda a ajustar as estratégias de manejo da sedação de acordo com as necessidades do paciente e fornece uma comunicação eficaz entre os profissionais de saúde.

Diferenciação entre agitação e sedação

Uma característica distintiva da RASS é sua capacidade de diferenciar entre agitação e sedação, fornecendo uma avaliação mais refinada do estado do paciente. A Escala de Richmond é uma ferramenta valiosa para monitorar e documentar o estado de sedação e agitação, auxiliando na tomada de decisões clínicas e garantindo a segurança do paciente em contextos críticos.

Quais são variáveis consideradas em cada escala?

As escalas médicas são ferramentas essenciais na avaliação clínica de pacientes em diferentes contextos. Cada uma delas se concentra em aspectos específicos, fornecendo informações valiosas para os profissionais de saúde. Por exemplo, a Escala de Glasgow avalia o comprometimento neurológico por meio da abertura ocular, da resposta verbal, da resposta motora e, mais recentemente, da reatividade pupilar.

A Escala de Ramsay, por sua vez, é dedicada à avaliação do nível de sedação. Ela concentra-se em critérios comportamentais, refletindo a resposta do paciente a estímulos e sua interação com o ambiente. Essa escala é comumente utilizada para pacientes sedados, proporcionando uma abordagem clínica específica.

Por fim, a Escala de Richmond Agitation Sedation Scale (RASS) é validada para pacientes críticos e distingue-se por sua abordagem abrangente. Assim como a Ramsay, a RASS considera critérios comportamentais para refletir o estado do paciente em ambientes críticos.

Quais são as outras classificações existentes?

Diversas classificações e escalas foram desenvolvidas para quantificar e qualificar esses níveis, oferecendo aos profissionais de saúde ferramentas padronizadas e objetivas. Conheça, a seguir, outras escalas disponíveis, embora menos utilizadas pelos profissionais de saúde.

Coma Recovery Scale-Revised (CRS-R)

Composta por 23 itens divididos em seis subescalas. Avalia diferentes aspectos, incluindo auditivo, visual, motor, oromotor, comunicação e excitação. A pontuação total varia de 0 a 23, com uma pontuação mais alta indicando comportamentos mediados pela entrada cognitiva.

Nociception Coma Scale-Revised (NCS-R)

Avalia as respostas de expressão motora, verbal e facial. A pontuação total varia de 0 a 9, sendo calculada pela somatória dos domínios.

Full Outline of Unresponsiveness (FOUR)

Avalia abertura ocular, resposta motora, reflexos tronco encefálicos e padrão respiratório. A pontuação total varia de 0 a 16, e a mensuração é feita pela somatória dos domínios.

Brief Post-Coma Scale (BPCS)

Uma versão breve da Post-Coma Scale, consistindo em 7 itens. Avalia diversos aspectos, incluindo abertura ocular, motilidade espontânea, seguimento de comando, agitação psicomotora, postura descerebrada e decorticada, habilidade de alimentação via oral e presença de infecções recorrentes ou hipertermia.

Disability Rating Scale (DRS)

Avalia o prejuízo do nível de consciência, a deficiência psicossocial e a incapacidade cognitiva de autocuidado. A pontuação total é obtida pela somatória dos domínios.

Level of Cognitive Functioning (LCF)

Avalia o nível de consciência e classifica o paciente em um dos oito níveis, variando de "sem resposta" a "finalidade apropriada".

Glasgow Outcome Scale (GOS)

Utilizada em pacientes com lesões cerebrais para caracterizar o estado do paciente em cinco níveis, indicando as sequelas, desde falecido até boa recuperação.

Quais são as escalas de coma utilizadas na Pediatria?

Existem adaptações específicas para avaliar o estado de consciência em crianças. Duas escalas amplamente utilizadas para avaliação em Pediatria são a Escala de Coma Pediátrica (Pediatric Glasgow Coma Scale - PGCS) e a Escala de Coma de Crianças de Westmead (Westmead Children's Coma Scale).

Escala de Coma de Glasgow Pediátrica (Pediatric Glasgow Coma Scale - PGCS)

A Escala de Coma de Glasgow Pediátrica (Pediatric Glasgow Coma Scale - PGCS) é uma ferramenta fundamental na avaliação do estado neurológico em crianças, adaptada da Escala de Glasgow utilizada em adultos. Seu objetivo principal é oferecer uma abordagem específica para a população pediátrica, considerando as características únicas do desenvolvimento infantil.

Similar à versão adulta, a PGCS avalia a abertura ocular, resposta verbal e resposta motora do paciente. Cada componente recebe uma pontuação específica, resultando em uma pontuação total que varia de 3 a 15. Da mesma forma que na Escala de Coma de Glasgow para adultos, uma pontuação menor na PGCS indica um comprometimento neurológico mais grave.

Essa adaptação pediátrica fornece aos profissionais de saúde uma ferramenta valiosa para a avaliação rápida e padronizada do estado de consciência em pacientes infantis, contribuindo para a tomada de decisões clínicas e prognósticas.

Escala de Coma de Crianças de Westmead (Westmead Children's Coma Scale)

A Escala de Coma de Crianças de Westmead (Westmead Children's Coma Scale) é uma ferramenta específica desenvolvida para avaliar o nível de consciência em crianças, considerando as particularidades das diferentes faixas etárias.

O objetivo principal desta escala é fornecer uma abordagem sensível e adaptada para a avaliação pediátrica, levando em conta as nuances do desenvolvimento infantil. A avaliação inclui a resposta ocular, resposta motora e resposta verbal, cada uma atribuindo uma pontuação específica.

A soma total dessas pontuações oferece uma medida global do nível de consciência do paciente. A pontuação mais baixa indica um estado de coma mais profundo. A Escala de Westmead é valiosa para profissionais de saúde que lidam com crianças, proporcionando uma avaliação objetiva e padronizada em situações de comprometimento neurológico ou lesões traumáticas.

Qual é a preferência no meio médico?

A Escala de Coma de Glasgow é amplamente preferida no meio médico devido à sua simplicidade, facilidade de aplicação e forte correlação com prognósticos. Sua atualização, considerando a reatividade pupilar, a torna ainda mais abrangente.

A preferência pela Escala de Coma de Glasgow no meio médico é atribuída a várias razões, tornando-a uma ferramenta adotada em todo o mundo:

  • simplicidade e facilidade de aplicação;
  • universalidade e padronização;
  • correlação com prognósticos;
  • inclusão da reatividade pupilar, um indicador valioso da função cerebral;
  • aplicação em diferentes contextos, desde traumas até complicações neurológicas agudas.

Pediatria

Na área pediátrica, a preferência por escalas de coma pode variar, mas uma escala comumente utilizada é a Escala Pediátrica de Coma de Glasgow (PGCS). A preferência pela PGCS na pediatria é atribuída aos seguintes fatores:

  • adaptação para crianças;
  • facilidade de aplicação;
  • padronização internacional, com princípios semelhantes à escala de coma de Glasgow para adultos;
  • correlação com prognósticos pediátricos.

Invista na sua atualização profissional com a Afya Educação Médica!

A correta avaliação dos níveis de consciência é crucial para a tomada de decisões clínicas. Embora cada escala de coma tenham propósitos distintos, cada uma desempenha um papel vital na monitorização de pacientes. A preferência pela Escala de Glasgow no meio médico destaca sua eficácia e adaptabilidade, enfatizando a importância da aplicação correta dessas ferramentas na prática clínica.

Em resumo, compreender as origens, funcionamento e variáveis específicas de cada escala é fundamental para garantir uma avaliação precisa dos níveis de consciência, contribuindo para o cuidado adequado e aprimoramento do prognóstico dos pacientes.

Assine a nossa newsletter e receba posts exclusivos e atualizações sobre Medicina diretamente no seu e-mail!

Autor(a)

Os médicos que leram esse post, também leram:

Todos os Posts