Diabetes e obesidade: desafios médicos ao lidar com as doenças

Autor(a)

A International Diabetes Federation estima que 463 milhões de pessoas vivam com diabetes em todo o mundo. Já a Organização Mundial da Saúde afirma que, em 2016, 1,9 bilhão de pessoas, no mundo, estavam acima do peso, das quais 650 milhões tinham obesidade. Combinadas, diabetes e obesidade formam, portanto, um dos maiores desafios da medicina e a expectativa é de que o número de pessoas atingidas pelos problemas, inclusive de forma conjunta, continue aumentando.

Sendo assim, preparar-se para os desafios de lidar com essas doenças é essencial, principalmente em situações em que elas coexistem, o que já vem sendo chamado internacionalmente de “diabesity”, como será mostrado ao longo deste conteúdo. Para saber mais, basta continuar a leitura!

Leia também: Obesidade, diabetes e a Covid-19: endocrinologia ganha ainda mais importância no pós-pandemia

Diabetes mellitus: por que o problema é alarmante?

Considerado um problema de saúde pública, o diabetes mellitus (DM) deve atingir, até 2045, cerca de 629 milhões de pessoas, a maioria com diabetes tipo 2. Somente no Brasil, segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica, a cada 2 minutos um novo caso de diabetes é diagnosticado. E o dado se torna ainda mais preocupante ao considerarmos que cerca de 40% das pessoas na América Latina têm diabetes, mas seguem sem diagnóstico do problema, segundo estimativas das autoridades em saúde.

Além de ser grande responsável pelos índices de mortalidade, o diabetes mellitus está entre as principais causas de insuficiência renal, cegueira, infarto do miocárdio, amputações e outras complicações. Há ainda outro agravante: a Sociedade Brasileira de Diabetes acredita que entre 60% e 90% dos portadores de DM2 tenham algum grau de obesidade, e que a incidência desse complicador seja maior após os 40 anos de idade.

Obesidade e suas proporções pandêmicas

Atingindo quase 2 bilhões de pessoas, o sobrepeso e a obesidade constituem um problema que duplicou de tamanho entre 1980 e 2014, de acordo com dados da OMS. No Brasil, dados da pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção de Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel, 2019) mostram que a prevalência da doença aumentou 72% em 13 anos, saindo de 11,8% em 2006 para 20,3% em 2019.

Contudo, não é só o excesso de peso que preocupa os profissionais de saúde. Sabe-se que o risco para o desenvolvimento de outras doenças associadas ao sobrepeso está no acúmulo de gordura na região abdominal. Logo, pessoas com maior deposição de gordura no abdômen são mais propensas ao desenvolvimento de hipertensão arterial sistêmica (HAS), hiperglicemia, dislipidemia e eventos cardiovasculares, tais como infarto agudo do miocárdio e acidente vascular cerebral (AVC).

Leia também: Pandemia de obesidade: doença cresce no Brasil e no mundo

A coexistência do diabetes e obesidade e os desafios do manejo

A presença do diabetes tipo 2 e da obesidade em um único paciente, chamada de “diabesity”, eleva os riscos de morbidade e mortalidade para o paciente de maneira considerável e, além disso, dificulta o trabalho do profissional, que necessita sempre estar atento às condutas de modo que uma delas não interfira na outra. Para a pessoa com diabetes, o excesso de peso é um grande complicador, uma vez que o tecido adiposo acentua a resistência insulínica, característica do diabetes. Por outro lado, alguns medicamentos antidiabéticos, inclusive a insulina, podem provocar ganho de peso e possibilidade de agravamento da obesidade.

Como o tecido adiposo e o acúmulo de gordura são fatores de risco tanto para o indivíduo com qualquer grau de obesidade quanto para aquele com diabetes, o tratamento envolvendo perda de peso corporal tem a capacidade de melhorar tanto a obesidade quanto o controle glicêmico. Contudo, para muitos pacientes com obesidade um caminho necessário seria o de recorrer ao uso de algumas drogas que estimulem o emagrecimento o que não é recomendado para o controle glicêmico. Alguns estudos sugerem que o uso racional de combinações antidiabéticas poderia mitigar o agravamento da “diabesity”.

Esses estudos mostraram que a terapia combinada com agonistas do receptor de peptídeo 1 semelhante ao glucagon (GLP-1) e inibidores do cotransportador de sódio e glicose 2 (SGLT-2), quando administrados juntamente com outros medicamentos antidiabéticos, oferecem o melhor benefício terapêutico na o manejo. No entanto, faltam estudos randomizados controlados, o que exige pesquisas futuras. Sendo assim, médico e paciente têm a difícil tarefa de encontrarem, juntos, condutas individualizadas de perda de peso que envolvam mecanismos mais naturais e, ainda assim, eficientes. Entre as principais estão: mudanças no estilo de vida e cirurgia bariátrica, quando indicado.

Gostou desse conteúdo? Compartilhe com outros colegas e leia outros semelhantes continuando a navegação pelo nosso blog.

Os médicos que leram esse post, também leram:

Todos os Posts