Síndrome de Munchaüsen: entenda o transtorno

Autor(a)

O Manual Diagnóstico e Estatístico de Doenças Mentais (DSM), classifica a síndrome de Münchhausen no grupo de Transtornos Factícios e a caracteriza por sintomas físicos, de forma intencional.  A síndrome se resume pela busca por sintomas diversos com o objetivo claro de receber tratamentos médicos. Entre as características, pode-se citar a mentira patológica e a peregrinação entre hospitais para receber tratamento médico.

Geralmente, o sujeito possui certo conhecimento sobre as práticas médicas e, com isso, é capaz de manipular seus cuidados para serem hospitalizados e submetidos a mais uma bateria de exames, tratamentos em geral e até mesmo cirurgias.

Causas

Ainda não foram identificadas causas exatas para essa síndrome, mas especialistas apontam que diversos fatores podem influenciar em seu desenvolvimento. Inicialmente, o que muitas pessoas acreditam é que pessoas que sofrem com essa síndrome têm uma necessidade de chamar atenção ou sofreram abusos psicológicos.

Para alguns especialistas, essas causas vão além da necessidade de atenção, mas sim, pode estar relacionada ao prazer que a pessoa portadora da síndrome possui em enganar os outros, principalmente, quando se trata de pessoas importantes e “influentes”. Mas, também sabe-se que possui relação com transtornos de personalidade, principalmente para as pessoas que já estão em um nível mais grave desses transtornos. 

Alguns desses transtornos que estão relacionados a essa síndrome são: Borderline, depressão e até mesmo traumas de infância. Abaixo vamos entender melhor o que são cada um deles e o que causam. 

Sintomas 

Diante de tudo que já se sabe sobre a síndrome de Munchaüsen, pode-se compreender que pessoas com transtornos psicológicos e psicóticos como borderline, esquizofrenia, depressão, ansiedade ou, mesmo, traumas na infância, estão mais suscetíveis a desenvolver a doença.

A síndrome cria ou enxerga sintomas de doenças em si ou no outro, e são capazes até mesmo de alterar amostras de exames como urina e fezes.  

Geralmente, esse indivíduo portador dessa síndrome passa por vários hospitais para que investiguem e tratem o que estão sentindo. Eles são até mesmo capazes de auto-induzir evidências físicas. Mas, também é possível que sejam analisados outros sintomas, como:

  • Febres com origem desconhecidas;
  • Dores em geral;
  • Insuficiência respiratória;
  • Infecções de repetição sem causa aparente;
  • Lesões na pele;
  • Simulação de alguma patologia;
  • Distúrbios endócrinos;
  • Enfisema subcutâneo (geralmente aparecem no pescoço e região torácica, tem como característica inchaço indolor);
  • Arritmia cardíaca.

Diagnóstico

O diagnóstico da Síndrome de Münchhausen é bastante complexo e exige atenção a detalhes para além dos critérios diagnósticos. É imprescindível que se conheça o histórico médico do paciente, onde podem ser encontrados dados como o número e os lugares de internação nos últimos anos, além dos motivos de saída do hospital, uma vez que grande parte dos pacientes nessa condição abandona o recinto contra orientação médica. Prestar atenção em alguns sinais pode ser bastante significativo, entre eles:

  • Incompatibilidade das histórias contadas;
  • Grande conhecimento da terminologia médica, sem se preocupar com as consequências das doenças a que se atribui (belle indifférence);
  • Comportamentos autodestrutivos;
  • Presença dos sintomas sem a doença de base;
  • Dificuldade de responder aos tratamentos médicos adequados para o quadro físico;
  • Resposta aos tratamentos de placebo;
  • Exacerbação dos sintomas quando o paciente sabe que está sendo observado.

É importante ressaltar a semelhança das características com alguns sintomas de adoecimento psicótico, como a esquizofrenia, além da possibilidade de associação à condição de transtorno de personalidade, como Borderline.

Tratamento

O diagnóstico para o tratamento é um processo investigativo que exige muita atenção do médico a cada detalhe. E quando esse diagnóstico é realizado, o  tratamento é feito por um psiquiatra em conjunto com um psicólogo e uma equipe multidisciplinar.

Em alguns casos graves é necessário haver intervenção médica e o paciente precisa ser hospitalizado para que sejam ministrados medicamentos e, se necessário, sejam realizadas até mesmo cirurgias. Mas isso vai de acordo com o quadro clínico de cada paciente.

Terapia pode ajudar

A psicoterapia e o acompanhamento com um médico psiquiatra são partes fundamentais do tratamento, até porque trata-se de um transtorno psicológico que pode afetar gravemente o bem-estar e saúde de quem sofre com ela e das pessoas ao redor. 

Procurar por ajuda profissional é importante, não apenas se você sofre com a síndrome de Munchausen, mas também se você precisa aprender a melhor forma de lidar com alguém do seu convívio e que passa por isso. Além disso, investir em autoconhecimento e na sua saúde mental garante retorno em bem-estar, qualidade de vida e financeiro para todos. 

Se interessou pela área de Psiquiatria? Acesse o curso de Pós-graduação em Psiquiatria da IPEMED, confira os mais de 70 opções de cursos voltados à educação continuada e aproveite as condições exclusivas em nosso site para você investir na sua carreira médica.

Os médicos que leram esse post, também leram:

Todos os Posts