Saúde digital: um panorama atual e as previsões para o futuro

Há alguns anos, a saúde digital era tida como algo futurístico para a Medicina e uma tendência que poderia, ou não, se tornar uma realidade.

O tempo passou e com o mundo cada vez mais conectado, o presente da Medicina, já traz tecnologias que influenciam as rotinas dos hospitais, das operadoras, dos pacientes e dos profissionais de saúde, como as que podem ser observadas no que está sendo chamado de saúde 4.0 e saúde 5.0.

Porém, ao que tudo indica, não há freios para as inovações tecnológicas em saúde. Continue lendo e confira o conceito e função da saúde conectada, como se deu sua evolução até os dias atuais, seus benefícios, desafios e outras informações importantes sobre o tema!

O que é a saúde digital?

Trata-se do uso de tecnologia da informação (TI) para melhorar a saúde e o bem-estar das pessoas. Além disso, inclui o acesso aos serviços de saúde que podem ser conectados à Internet, monitorando, armazenamento e compartilhamento de condições de saúde.

A saúde digital é uma das principais tendências em saúde, pois é uma maneira de melhorar a acessibilidade, a eficiência e a qualidade dos cuidados de saúde oferecidos aos pacientes.

Como a saúde conectada funciona?

Como vimos, a saúde digital funciona por meio da utilização de tecnologias para melhorar a eficiência e a eficácia da prestação de serviços de saúde.

Para tanto, são necessárias ferramentas e dispositivos como:

  • os dispositivos móveis (como os smartphones);
  • os sistemas de informação eletrônica de saúde;
  • os aplicativos para celulares;
  • os sensores corporais (wearables);
  • a telemedicina;
  • softwares e outros meios digitais.

Como a saúde digital evoluiu até hoje?

Quais os benefícios da saúde conectada?

Por meio da saúde conectada, os profissionais podem acessar informações de saúde do paciente de forma mais rápida e eficiente, monitorando-a continuamente, objetivando tomar decisões mais assertivas e aprimorando a comunicação entre pacientes, seus familiares e prestadores de serviços de saúde.

Confira todas as vantagens!

Aos profissionais de saúde e hospitais

Com o uso contínuo, os benefícios da saúde conectada podem levar a:

  • melhor qualidade de atendimento ao paciente;
  • redução de erros médicos e de toda equipe de saúde;
  • economia de tempo;
  • redução de custos.

Aos pacientes e seus familiares

Além disso, a saúde digital também pode ajudar os pacientes a monitorar sua própria saúde de forma mais eficaz, permitindo-lhes controlar seus hábitos alimentares, exercícios e medicamentos.

Com isso, é possível ter uma maior conscientização sobre a saúde e a prevenção de doenças, além de ajudar os pacientes a gerenciar melhor condições crônicas de saúde.

À pesquisa médica e desenvolvimento científico

A saúde digital também é cada vez mais importante para a pesquisa médica e clínica. Ela permite que pesquisadores coletem dados em tempo real em grande escala, o que pode ajudar a acelerar a descoberta de novas terapias, identificar tendências em saúde e ainda melhorar a precisão do diagnóstico.

Aos hospitais e ao acesso universal à saúde

Outra vantagem importante da saúde digital é a possibilidade de democratizar o acesso aos serviços de saúde. Isso porque, com a adoção crescente de aplicativos de saúde e telemedicina, os cidadãos moradores de áreas remotas ou com limitações de mobilidade poderão receber atenção médica de qualidade sem se deslocarem fisicamente às clínicas ou hospitais.

O resultado — mais do que positivo — do hospital digital é a possibilidade de reduzir as desigualdades no acesso à saúde e melhorar a qualidade de vida de muitas pessoas. No entanto, é importante destacar que apesar das vantagens da saúde digital, existem desafios a serem superados. Confira-os a seguir!

Quais os desafios enfrentados atualmente e suas soluções?

Até aqui você viu as grandes vantagens da saúde digital. Agora, confira seus desafios atuais!

Segurança de informações pessoais

A segurança das informações pessoais e médicas dos pacientes é um grande desafio, já que a proteção desses dados é fundamental para a privacidade e integridade dos pacientes.

Além disso, também é necessário garantir que a tecnologia usada na saúde digital seja acessível e compreensível para todos os usuários, independentemente de suas habilidades tecnológicas.

Garantia da qualidade

Outro desafio é garantir a qualidade e a eficácia dos serviços de saúde digital. Por isso, é importante que a tecnologia seja validada e regulamentada para garantir que as informações e serviços fornecidos sejam precisos, confiáveis e efetivos na atenção à saúde dos usuários.

Também é necessário garantir que os profissionais de saúde sejam devidamente treinados e capacitados para atuar de forma adequada com a tecnologia da saúde digital.

Exclusão digital

Além disso, há uma preocupação quanto à exclusão digital, ou seja, a limitação de acesso à tecnologia da saúde digital para determinados grupos de pessoas, como idosos, populações rurais, vivendo em áreas remotas e de baixa renda.

Para contornar esse desafio, é importante fornecer soluções adequadas para garantir que esses grupos também tenham acesso à saúde digital e possam se beneficiar das tecnologias disponíveis.

Segurança de dados de saúde

Com a coleta e compartilhamento de dados de saúde, é importante garantir que eles estejam protegidos contra falhas de segurança e potenciais violações de privacidade.

Para isso, é necessária uma abordagem cuidadosa e rigorosa para garantir que a segurança seja uma prioridade na implementação da tecnologia de saúde digital.

Complexidade das regulamentações

Por fim, a complexidade das regulamentações e políticas governamentais em relação à tecnologia da saúde digital pode criar barreiras para sua adoção e implementação.

Para ficar mais fácil, é importante haver uma abordagem colaborativa entre reguladores, provedores de tecnologia e profissionais da saúde.

Dessa forma, pode-se garantir que as políticas do governo incentivem a inovação e o progresso, mas também ofereçam mecanismos de proteção aos pacientes e às suas informações.

Acesso por idosos e PCDs visuais e auditivas

Além desses desafios, há algumas preocupações com a tecnologia de saúde digital que precisam ser abordadas. Uma delas é a falta de acessibilidade para pessoas mais velhas ou com deficiências visuais ou de audição.

Assim, é importante que os sistemas e dispositivos sejam desenvolvidos levando em consideração as necessidades de todos os usuários.

Precisão dos dispositivos

Outra preocupação é a precisão dos dispositivos e algoritmos usados na tecnologia de saúde digital. Os usuários devem ter confiança de que as informações geradas são precisas e confiáveis para tomar decisões importantes de saúde.

Além disso, a segurança digital também é uma preocupação importante, já que as informações médicas confidenciais estão sendo compartilhadas e armazenadas eletronicamente.

Reunião e compartilhamento de informações

Por fim, é preciso enfrentar o desafio de reunir e compartilhar informações de saúde digital de forma eficaz e segura entre os pacientes, médicos e outros provedores de assistência médica, mesmo em diferentes sistemas ou plataformas. Isso requer padrões e protocolos claros para a interoperabilidade de dados entre diferentes sistemas de saúde.

Para isso, é preciso investir em tecnologias de segurança digital, definir padrões claros para interoperabilidade de dados e desenvolver treinamentos para profissionais de saúde e pacientes, para que possam utilizar as ferramentas de forma eficiente e segura.

Ao superar esses desafios, a digitalização da saúde pode levar a uma melhoria significativa na qualidade do atendimento médico, com maior precisão no diagnóstico e tratamento de doenças, bem como maior eficiência no gerenciamento de registros médicos.

No entanto, também haverá desafios a serem enfrentados. As preocupações com privacidade e ética são importantes, especialmente no que diz respeito à coleta e uso de dados pessoais.

Impacto no mercado de trabalho

Tudo o que é novo é passível de gerar impactos no mercado de trabalho. Com a inteligência artificial aplicada à saúde digital não seria diferente. Dessa forma, é provável que muitos empregos sejam automatizados ou substituídos pela tecnologia avançada, o que pode levar a mudanças significativas na economia e na dinâmica da força de trabalho.

A questão da responsabilidade também é importante. À medida que a inteligência artificial se torna mais avançada e autônoma, é necessário garantir que as máquinas sejam programadas e operem de forma ética e legalmente responsável.

Isso envolve a criação de regulamentações e políticas em nível nacional e internacional para orientar o desenvolvimento e o uso da inteligência artificial.

Quais as principais tendências da saúde conectada?

Enquanto as inovações tecnológicas avançam e influenciam a sociedade e todos os setores do mercado, a área médica também absorve tais novidades.

Com isso, é possível obter mais eficiência, segurança e assertividade em praticamente todas as frentes de atuação. As principais tendências da saúde digital estão a seguir!

1. Telemedicina

A consulta médica online é uma das principais tendências em saúde digital. Ela permite que pacientes consultem seus médicos sem a necessidade de se deslocarem ou se exporem ao risco de contaminação, além de facilitar o acesso à saúde em regiões remotas.

Com a pandemia da Covid-19, a telemedicina se tornou uma alternativa viável aos cuidados presenciais, democratizando o acesso à saúde, especialmente para pessoas em áreas remotas ou com limitações de mobilidade.

A telemedicina também pode melhorar a eficiência dos serviços de saúde, ao reduzir o tempo e o custo de deslocamento para consultas presenciais, além de permitir uma maior flexibilidade no agendamento de consultas.

Para a prática de fornecer atendimento médico remoto, são necessárias tecnologias de comunicação digital, como:

2. Inteligência artificial e learn machine

A tecnologia de IA está transformando a forma como diagnósticos e tratamentos são realizados, permitindo uma maior precisão e eficiência no atendimento.

Assim, a aplicação da inteligência artificial e machine learning (ou aprendizado de máquina) na saúde é uma tendência que vem ganhando força nos últimos anos. A tecnologia pode ajudar:

  • a criar modelos preditivos e de risco que ajudam a prevenir doenças e tratar pacientes antes que as condições se tornem crônicas ou graves;
  • os profissionais de saúde a identificar padrões e tendências em dados de saúde,
  • a melhorar a eficiência dos serviços de saúde em geral;
  • o apoio ao diagnóstico e ao tratamento.

Enfim, a IA e o ML podem ser usados ​​para ajudar a analisar grandes dados de saúde e ajudar a prever diagnósticos, personalizar o tratamento e melhorar a eficiência geral do sistema de saúde.

3. Wearables

Dispositivos vestíveis como smartwatches e pulseiras inteligentes, denominados wearables estão sendo utilizados para monitorar a saúde em tempo real, fornecer dados precisos para o diagnóstico e prevenção de doenças e promover a adoção de estilos de vida mais saudáveis.

4. Big data e análise de dados

A capacidade de coletar e analisar grandes quantidades de dados sobre saúde de forma rápida e eficiente está permitindo uma melhor compreensão de doenças, padrões de saúde e efeitos de tratamentos, ajudando a promover a Medicina personalizada e a tomada de decisões mais informadas.

5. Realidade virtual e Realidade aumentada

A realidade virtual (RV) e a realidade aumentada (RA) podem ser usados ​​para melhorar a experiência do paciente e treinar profissionais de saúde de forma mais eficaz.

Elas já estão sendo utilizadas para a simulação de procedimentos médicos, treinamento de profissionais de saúde (como nos bonecos que simulam um ser humano em faculdades de Medicina) e ajudar pacientes ao atendimento médico adequado, incluindo aqueles que vivem em áreas remotas ou que têm mobilidade limitada.

6. Tecnologias de reabilitação

As tecnologias de reabilitação incluem dispositivos, equipamentos e aplicativos que ajudam a recuperar a função física e mental após uma lesão ou doença. Essas tecnologias podem incluir:

  • os robôs controlados por computador;
  • os aplicativos de fisioterapia virtual;
  • as próteses avançadas;
  • os jogos de reabilitação;
  • os exoesqueletos etc.

Essas tecnologias podem ajudar a reduzir o tempo de reabilitação e melhorar a eficácia dos tratamentos, além de proporcionar uma maior independência para os pacientes.

As tecnologias de reabilitação também podem ser utilizadas para prevenir lesões e doenças, melhorando a qualidade de vida de pessoas com deficiências ou limitações físicas.

Quais as previsões da saúde digital para o futuro?

Para o futuro, as previsões da inteligência artificial incluem uma maior integração em todas as áreas da vida, incluindo saúde, transporte, finanças e segurança. Entenda melhor!

Tomada de decisões

A tecnologia vai progredir para permitir não só a automação de tarefas, mas também a tomada de decisões mais complexas e autônomas em tempo real.

Resolução de questões globais

Alguns especialistas prevêem, ainda, que a inteligência artificial terá um papel fundamental na resolução de problemas globais como mudanças climáticas e doenças.

Criação de simulações cerebrais

A tecnologia também pode ser utilizada para criar simulações mais precisas do cérebro humano e para desenvolver sistemas de aprendizado mais avançados, usados para simular o funcionamento do cérebro humano.

Com isso, elas podem ser usadas para entender melhor como o cérebro funciona em condições normais e patológicas, e também para desenvolver novas terapias e tratamentos para diversas doenças.

Oferecimento de soluções personalizadas

Além disso, espera-se que a inteligência artificial possa oferecer soluções mais personalizadas e sob medida para empresas e indivíduos.

Melhora na capacidade de processar dados

A capacidade de processar grandes quantidades de dados e fornecer insights significativos pode ajudar a melhorar a eficiência e o desempenho em várias áreas.

Como o setor de saúde digital será impactado?

O setor de saúde digital já está passando por uma transformação significativa e continuará a ser impactado no futuro. Aqui estão algumas das principais tendências que provavelmente terão um impacto significativo, ambos já citados e brevemente explicados anteriormente:

1. Crescimento da Telemedicina

A pandemia de Covid-19 acelerou a adoção da telemedicina em todo o mundo. Essa nova forma de atender aos pacientes permite que as pessoas tenham acesso aos cuidados médicos de forma remota e segura, não apenas de cuidados médicos como também de outros profissionais de saúde como os psicólogos, por exemplo, que podem atender seus pacientes à distância.

A tendência impactante é que a telemedicina continue a crescer no futuro do atendimento médico, permitindo que mais pessoas tenham acesso a cuidados de saúde de qualidade, independentemente da localização ou das limitações físicas.

2. Big Data e Análise de Dados

A crescente quantidade de dados médicos eletrônicos está abrindo novas possibilidades para a análise de dados. Por isso, o futuro do Big Data e da Análise de Dados na saúde digital, por meio de uma cultura data driven é extremamente promissor.

Com a ajuda destas técnicas, esses dados gerados pelos wearables e aplicativos de saúde podem ser coletados, processados ​​e analisados ​​em tempo real para fornecer insights valiosos sobre a saúde dos pacientes.

Isso pode ajudar os médicos a tomar decisões mais difíceis e precisas sobre o tratamento de seus pacientes. Além disso, poderão ajudar a melhorar a eficiência dos sistemas de saúde, permitindo que os provedores de saúde identifiquem áreas de melhoria e otimizem a alocação de recursos.

Enfim, num futuro próximo, podemos esperar ver uma maior integração de Big Data e Análise de Dados na saúde digital, com mais organizações de saúde adotando essas tecnologias para melhorar a qualidade do atendimento ao paciente e a eficiência dos sistemas de saúde.

3. Wearables

Cada vez mais "vestíveis", os dispositivos de coleta de dados biométricos dos usuários já utilizam dados como:

  • nível de atividade física realizada;
  • frequência cardíaca;
  • taxa de glicemia;
  • pressão arterial.

Dessa forma, eles permitem que os usuários monitorem sua própria saúde e compartilhem esses dados com seus médicos, outros profissionais de saúde e familiares. Para o futuro, mais dados poderão ser coletados.

4. Blockchain

Por fim, temos o blockchain na saúde conectada, que pode ser usado para ajudar a proteger dados de saúde, garantindo que as informações sejam precisas, seguras e seguras.

A tecnologia blockchain tem o potencial de transformar a área da saúde digital no futuro, permitindo que os pacientes tenham mais controle sobre seus dados médicos e suprimam a segurança e a privacidade dos registros médicos.

Sem sua utilização, as informações médicas dos pacientes poderiam ser armazenadas de forma descentralizada, ou seja, elas não estariam em um único local, mas sim em vários pontos da rede. Isso tornaria muito mais difícil para hackers invadirem e roubarem dados médicos de pacientes.

Além disso, a tecnologia blockchain permite que os pacientes controlem o acesso aos seus próprios dados médicos, podendo compartilhar suas informações apenas com os médicos e instituições de saúde que escolherem.

Outra vantagem do uso do blockchain na saúde digital é a capacidade de monitorar a recomendação de medicamentos e suprimentos médicos. Com a utilização de códigos QR ou etiquetas de RFID (Identificação por Radiofrequência) em medicamentos, por exemplo, é possível verificar a segurança do produto, a fim de prevenir a distribuição de medicamentos falsificados ou perigosos.

A RFID é uma das tecnologias mais usadas para rastrear e monitorar os medicamentos na área da saúde digital. O sistema é composto por um leitor e uma etiqueta RFID que contém um chip eletrônico e uma antena.

Tais etiquetas são aplicadas nas embalagens dos medicamentos e contém informações sobre o fármaco, como o nome do medicamento, o lote, os dados de validade e outras informações relevantes.

Quando um leitor RFID é colocado próximo a essas etiquetas, ele envia uma onda de rádio que é captada pela antena da etiqueta, ativando o chip, que envia as informações. Com esse sistema, é possível:

  • rastrear os medicamentos em tempo real;
  • monitorar a temperatura das embalagens;
  • garantir a segurança dos medicamentos;
  • detectar os medicamentos falsificados;
  • controlar o estoque dos medicamentos;
  • garantir que os pacientes recebam os medicamentos na dose e horário corretos.

Em resumo, o sistema RFID é uma tecnologia importante na área da saúde digital, pois ajuda a garantir a segurança e eficácia dos medicamentos e melhorar a qualidade do atendimento aos pacientes.

Embora o uso da tecnologia blockchain na saúde digital ainda esteja em estágio inicial, é provável que ela se torne cada vez mais comum no futuro, conforme mais empresas e instituições de saúde comecem a explorar seus benefícios potenciais.

Essas são apenas algumas das tendências em saúde digital que podem ter um grande impacto no futuro. À medida que a tecnologia continua a evoluir, podemos esperar ver ainda mais inovações em saúde digital que podem transformar a forma como os cuidados de saúde são prestados.

Nesse texto sobre saúde conectada, você conferiu tudo o que um médico precisa saber sobre o assunto, como a definição de saúde digital, como ela funciona e o quanto ela evoluiu até os dias atuais. Viu ainda seus benefícios e principais desafios. E, finalmente, você conheceu as principais tendências e previsões para o futuro da saúde com base na tecnologia!

Gostou deste conteúdo? Agora, assine nossa newsletter e tenha acesso aos novos conteúdos diretamente em seu e-mail assim que forem publicados.

Autor(a)

Os médicos que leram esse post, também leram:

Todos os Posts