Reiki: saiba tudo sobre a terapia complementar que já é oferecida pelo SUS

Neste texto, iremos explorar a terapia complementar conhecida como Reiki, uma prática que tem ganhado popularidade ao redor do mundo, inclusive sendo incorporada em alguns sistemas de saúde pública, como o SUS, no Brasil. Vamos examinar a origem do Reiki, como funciona, para quem é indicado, os resultados esperados e a frequência recomendada para a sua aplicação.

Origem do Reiki

O Reiki, que em japonês significa "energia vital universal", foi desenvolvido no início do século XX por Mikao Usui, um monge budista japonês. Acredita-se que Usui tenha redescoberto as técnicas de cura por meio da energia das mãos, baseando-se em antigos ensinamentos budistas e taoístas. O sistema do Reiki se concentra em canalizar a energia vital do terapeuta para o paciente, a fim de promover a cura física, emocional e espiritual.

Como funciona o Reiki?

O Reiki é uma terapia baseada na crença de que a energia vital flui através de todos os seres vivos e que o desequilíbrio dessa energia pode levar a problemas de saúde física e emocional. Durante uma sessão de Reiki, o terapeuta coloca as mãos suavemente em pontos específicos do corpo do paciente, seguindo um padrão pré-estabelecido, ou simplesmente mantendo as mãos próximas ao corpo. O terapeuta, então, atua como um canal para a energia vital, permitindo que ela flua para o paciente.

Essa energia, ao ser transmitida, tem o propósito de limpar e equilibrar os centros de energia do corpo, conhecidos como chakras, bem como os meridianos, canais pelos quais a energia vital circula. O objetivo é desbloquear e reabastecer essas vias energéticas, ajudando o corpo a se auto regenerar, reduzir o estresse, promover o relaxamento e fortalecer o sistema imunológico.

Indicações do Reiki

O Reiki é indicado para uma variedade de condições físicas, emocionais e mentais. Pacientes que sofrem de ansiedade, estresse crônico, depressão leve, insônia e dores de cabeça frequentes ou enxaqueca podem encontrar alívio com a prática regular do Reiki. Além disso, muitos pacientes relatam uma melhora significativa na qualidade de vida e bem-estar geral após receberem tratamento de Reiki.

Quanto a condições físicas, embora o Reiki não seja um substituto para o tratamento médico convencional, ele pode ser um complemento benéfico para auxiliar na recuperação e no alívio dos sintomas de algumas doenças. Pacientes com doenças crônicas, como fibromialgia, gota, enxaquecas e síndrome do intestino irritável, por exemplo, relatam uma redução na intensidade e frequência dos sintomas.

Resultados esperados

Os resultados esperados do Reiki podem variar de pessoa para pessoa, mas muitos pacientes relatam uma sensação de relaxamento profundo e tranquilidade após uma sessão. Além disso, alguns pacientes podem experimentar uma liberação emocional, alívio da dor ou até mesmo uma sensação de maior clareza mental.

O Reiki também é conhecido por promover um aumento da energia vital e do bem-estar geral, o que pode contribuir para a capacidade do corpo de se autocurar. Porém, é importante esclarecer que os resultados não são garantidos e que o Reiki não deve ser utilizado como uma terapia exclusiva para doenças graves.

Frequência recomendada

A frequência do tratamento com Reiki depende das necessidades individuais do paciente e da gravidade das condições tratadas. Para questões emocionais e de bem-estar geral, sessões semanais ou quinzenais podem ser suficientes para manter o equilíbrio.

Em casos de doenças crônicas ou problemas de saúde mais sérios, sessões mais frequentes podem ser recomendadas inicialmente, seguidas por uma redução gradual à medida que os sintomas melhoram. O Reiki também pode ser utilizado como uma prática preventiva, ajudando a manter o equilíbrio energético e prevenir o aparecimento de doenças.

Reiki e o SUS

A inclusão do Reiki no Sistema Único de Saúde (SUS) demonstra o crescente reconhecimento das terapias complementares na promoção da saúde e do bem-estar. O Reiki é oferecido em algumas unidades de saúde como uma opção adicional de tratamento para os pacientes, especialmente em programas de Medicina Integrativa.

O Reiki é uma terapia complementar que tem conquistado adeptos em todo o mundo, devido aos benefícios relatados na redução do estresse, melhora do bem-estar emocional e físico e alívio de algumas condições de saúde

O médico generalista pode incentivar o Reiki como terapia complementar

Como médico generalista, é importante reconhecer o papel que práticas como o Reiki podem desempenhar na promoção do equilíbrio e da qualidade de vida dos pacientes. Ao trabalhar em conjunto com outras abordagens terapêuticas, o Reiki pode contribuir para uma abordagem mais holística e integrativa no cuidado da saúde.

No entanto, é essencial enfatizar que o Reiki não deve substituir o tratamento médico convencional, especialmente para condições graves. Sempre encoraje seus pacientes a compartilharem suas experiências com terapias complementares, como o Reiki, e esteja aberto a discutir os benefícios potenciais dessas práticas como parte de um plano de cuidados abrangente.

Mantenha-se informado sobre temas médicos, assinando a nossa newsletter

Autor(a)

Os médicos que leram esse post, também leram:

Todos os Posts