Ozonioterapia: entenda o tratamento complementar liberado recentemente no país

A ozonioterapia é um método que promete tratar inflamações, dificuldade de cicatrização, infecções e entre outros. Entretanto, existe uma certa polêmica a respeito de seu uso, visto que algumas entidades alegam faltar evidências científicas a respeito de sua eficácia.

Em agosto de 2023 foi sancionada Lei nº 14.648, que permite a utilização da ozonioterapia como tratamento de saúde complementar. É preciso destacar que a decisão vai contra os posicionamentos do Conselho Federal de Medicina (CFM), mas está em conformidade com a regulamentação dos Conselhos de Odontologia (CFO), Farmácia (CFF), Fisioterapia (COFFITO) e outros.

Continue a leitura e saiba mais informações a respeito da ozonioterapia!

O que é ozonioterapia?

Em condições normais, o ozônio consiste em um gás e é essencial para filtrar a radiação ultravioleta capaz de prejudicar a vida na Terra. No entanto, ele é um gás instável, e que requer muito cuidado em seu manuseio, pois pode provocar reações estrondosas a depender das substâncias em sua volta.

Além disso, diferente do ozônio utilizado nas indústrias, o ozônio medicinal é obtido a partir do oxigênio medicinal e é obtido em uma concentração e doses exatas.

A ozonioterapia é um procedimento que utiliza a mistura de ozônio e oxigênio medicinais com objetivo terapêutico. O procedimento apresenta um carácter complementar e não substitui as técnicas e tratamentos já inseridos no sistema de saúde.

Desse modo, a finalidade é ajudar a melhorar a qualidade de vida dos pacientes, como mais uma opção, para além dos tratamentos já estabelecidos.

Como ela surgiu?

Em torno de 1840 o médico pesquisador alemão, Christian Friedrich percebeu um odor característico ao submeter o oxigênio a uma descarga elétrica, momento no qual descobriu o gás ozônio. A partir da descoberta de Friedrich, a terapia foi difundida para combater infecções na pele, especialmente na Alemanha e na Áustria. Durante a Primeira Guerra Mundial (1914-1918) médicos alemães e ingleses usaram do método para melhorar os ferimentos dos soldados com um resultado satisfatório.

Por diversos anos a técnica ficou limitada apenas na Europa, e apenas nos anos 1970 que essa terapia foi levada para outros lugares, inclusive para o Brasil, e começou a ser aplicada de forma mais abrangente na Medicina. Atualmente, a terapia é aplicada no tratamentos de diversas doenças infecciosas, inflamatórias e isquêmicas.

Como a ozonioterapia funciona?

De maneira simples, a mistura de oxigênio e ozônio medicinais é aplicada em algumas partes do corpo do paciente, como na pele, na boca e no reto, para tratar feridas, problemas dentários e outras infecções. Sua aplicação pode ser realizada por meio de uma injeção direta no músculo ou na forma de gás, por inalação.

O intuito do procedimento é melhorar a oxigenação dos tecidos e contribuir no sistema imunológico por meio de mecanismos celulares. Assim, a ozonioterapia é aplicada para melhorar o sistema circulatório do paciente, a taxa de oxigênio no sangue e evitar processos inflamatórios.

Quais os benefícios?

Acredita-se que a ozonioterapia consiga ajudar diversos pacientes, visto que pode ser aplicada no tratamento de asma, esclerose múltipla, HIV, hérnia de disco, distúrbios da articulação temporomandibular, complicações da diabetes, esclerose múltipla e entre outros.

Além do mais, acredita- se que a terapia melhora a imunidade, diminui a dor, controla a inflamação e inchaços, combate microrganismos, ajuda na circulação e entre outros benefícios para a vida do paciente.

Quais os riscos?

Quando utilizada por um profissional capacitado e preparado, a ozonioterapia contribui de forma positiva na vida do paciente. No entanto, pode apresentar sérios efeitos colaterais, motivo pelo qual a Anvisa exige que o especialista seja devidamente qualificado para a aplicação.

No caso de aplicação por injeção, o paciente pode apresentar irritação no local, náuseas, vômitos, dor de cabeça, tosse e reações alérgicas. Ainda, é preciso ressaltar que quando a ozonioterapia é aplicada na forma de gás, a sua inalação pode provocar irritação nos pulmões, edema pulmonar, problemas no cérebro, olhos e coração.

Desse modo, é preciso saber utilizá-la e não deve ser aplicada em mulheres grávidas, em crianças, em pessoas que já tiveram infarto, apresentam hipertireoidismo não controlado, problemas sanguíneos e entre outros. Ao seguir todas as recomendações, o método pode ajudar nos cuidados e tratamentos de diversas enfermidades.

Quais as finalidades da ozonioterapia?

A ozonioterapia apresenta diversas finalidades, ou seja, pode ser utilizada no tratamento e cuidado de diversos problemas capazes de afetar a qualidade de vida do indivíduo. Confira, a seguir!

Doenças periodontais

A aplicação de ozônio ajuda na prevenção e tratamento das diversas doenças periodontais, como gengivite. Por causa de sua ação antimicrobiana e a capacidade de estimular o sistema imunológico, diversos profissionais recorrem ao tratamento em seus pacientes.

Procedimentos estéticos

O ozônio também é indicado em procedimentos estéticos, isto é, os profissionais podem utilizá-lo na limpeza e assepsia da pele. Isso porque apresenta um eficiente ação antimicrobiana.

Cirurgias dentárias

Como já foi mencionado, a ozonioterapia auxilia no processo de cicatrização das feridas. Logo, ela é utilizada para estimular a circulação de sangue, diminuir a inflamação no local e a regeneração do tecido do paciente.

Tratamento de cáries

A ozonoterapia é capaz de eliminar as bactérias causadoras das cáries. Devido a sua ação antimicrobiana, ele pode ser utilizado no tratamento.

Tratamento de canal

A ozonioterapia é indicada no tratamento de canal, pois evita o crescimento de bactérias e evita possíveis infecções na região em que o procedimento está sendo realizado. Dessa forma, as chances de uma possível infecção são minoradas.


A ozonioterapia tem caráter complementar e deve ser aplicada com os devidos cuidados

Como vimos, a ozonioterapia apresenta diversos benefícios e riscos. Assim, o procedimento pode ser realizado por profissionais inscritos em conselhos de fiscalização e com os equipamentos devidamente regularizados pela Anvisa. Além do mais, o paciente deve saber a respeito do caráter complementar da terapia.

Portanto, mesmo com as controvérsias, a lei foi sancionada e o objetivo da ozonioterapia é ajudar os pacientes. Depois da aprovação, o CFM reafirmou em nota que a terapia não apresenta reconhecimento científico suficiente para o tratamento de doenças. Já os defensores da prática afirmam que a terapia ajuda no combate à dor crônica e aumenta a resposta do sistema imunológico do indivíduo.

Gostou do conteúdo? Então, aproveite para assinar nossa newsletter e, assim, ficar por dentro de outros assuntos!

Autor(a)

Os médicos que leram esse post, também leram:

Todos os Posts