Meningite: tire suas principais dúvidas sobre a doença

Autor(a)

A meningite é uma é uma doença neurológica que desperta preocupações não apenas entre profissionais de saúde, mas também em toda a população. Trata-se de uma doença grave, com diferentes causas e manifestações, sendo potencialmente fatal se não for tratada adequadamente.

Dados do Ministério da Saúde revelam uma realidade preocupante: em 2023, o Brasil registrou 8.877 casos e 886 mortes por meningite. A meningite viral foi responsável pelo maior número de casos, enquanto a meningite pneumocócica, causada por bactéria, liderou as estatísticas de óbitos, com 250 mortes.

Aqui, vamos fornecer informações abrangentes sobre a meningite, desde sua definição até formas de prevenção. Boa leitura!

O que é meningite?

A meningite é uma inflamação das meninges, que são as membranas protetoras que envolvem o cérebro e a medula espinhal, desempenhando um papel importante na proteção do sistema nervoso central Essa condição é desencadeada, principalmente, por agentes infecciosos, mas também pode ser causada por condições não infecciosas.

Quais são os tipos de meningite?

Os tipos de meningite abrangem uma variedade de causas e gravidades. Cada um tem características distintas e implicações únicas para o diagnóstico e o tratamento.

Meningite bacteriana

Causada por bactérias, como Neisseria meningitidis, Streptococcus pneumoniae e Haemophilus influenzae, essa forma da doença costuma ser grave e requer atendimento médico imediato.

Meningite viral

Provocada por vírus, como enterovírus, herpes simples, varicela-zóster, zika e chikungunya, a forma viral geralmente é menos grave do que a bacteriana e tende a se resolver por conta própria, mas pode causar desconforto significativo.

Meningite fúngica

Causada por fungos, geralmente afetando pessoas com sistema imunológico enfraquecido, a meningite fúngica apresenta um curso clínico mais prolongado e pode se tornar uma condição grave, requerendo tratamento específico.

Meningite parasitária

Desencadeada por parasitas, como os responsáveis pela malária, a forma parasitária é menos comum, mas pode se agravar, especialmente em áreas endêmicas para esses parasitas.

Meningite não infecciosa

Além das infecções, a doença também pode ser causada por condições não infecciosas, como doenças autoimunes, câncer, lesões na cabeça, reações a medicamentos e cirurgias.

Quais são os principais sintomas?

Os sintomas da meningite podem ser variados e sua gravidade pode aumentar rapidamente. É essencial reconhecer os sinais precoces da doença para buscar tratamento médico imediato. Aqui estão os principais sintomas:

  • febre alta: a febre é um sintoma comum da meningite. Geralmente, é alta, acima de 39 °C, podendo ocorrer repentinamente e ser acompanhada por calafrios;
  • dor de cabeça intensa: a dor de cabeça associada à meningite é muitas vezes descrita como intensa e persistente. Pode ser uma dor latejante e incapacitante;
  • rigidez no pescoço: a rigidez no pescoço é um sintoma clássico da meningite. O paciente tem dificuldade em baixar o queixo até o peito devido à rigidez dos músculos do pescoço;
  • sensibilidade à luz: muitas pessoas com meningite experimentam sensibilidade à luz, o que significa que têm dificuldade em tolerar a luz brilhante (fotofobia);
  • vômitos: os vômitos são comuns em pacientes com meningite e ocorrem devido à dor de cabeça intensa, náuseas ou irritação no cérebro;
  • manchas na pele: na meningite meningocócica, podem ocorrer manchas vermelhas ou roxas na pele (púrpura), que não desaparecem quando pressionadas;
  • confusão mental: em casos mais graves, a meningite pode causar confusão, sonolência excessiva, dificuldade em acordar ou convulsões.

É importante observar que os sintomas podem variar dependendo do tipo de meningite e da idade do paciente. Bebês e crianças pequenas podem apresentar sintomas diferentes, como irritabilidade, recusa em comer, sonolência ou falta de energia.

Como ela é diagnosticada?

O diagnóstico da meningite geralmente é realizado por meio da análise do líquido cefalorraquidiano, o qual é obtido por meio de uma punção lombar. Outras avaliações, como exames de sangue e neuroimagem, também podem ser realizados para auxiliar no diagnóstico e avaliar a gravidade da condição.

Quais são os fatores de risco?

Os principais fatores de risco para desenvolver a inflamação das meninges incluem idade (bebês e crianças são mais suscetíveis), falta de imunização adequada, exposição a agentes infecciosos, como vírus e bactérias, e condições que comprometem o sistema imunológico.

Quais são as possíveis sequelas da meningite?

A inflamação das meninges pode deixar sequelas significativas, especialmente se não for diagnosticada e tratada precocemente. Elas podem variar conforme o tipo de meningite e a gravidade da infecção. Veja, a seguir, as principais consequências que a doença costuma causar.

Perda auditiva

A meningite pode danificar o nervo auditivo, resultando em perda auditiva parcial ou total. Essa sequela pode ter um impacto significativo na qualidade de vida do paciente.

Dificuldade de aprendizagem

Em casos graves, a inflamação das meninges pode causar danos cerebrais que afetam a capacidade de aprendizagem e o desempenho cognitivo, especialmente em crianças ainda em fase de desenvolvimento.

Deficiência intelectual

Danos ao cérebro durante uma infecção meningocócica podem levar a deficiências intelectuais, afetando a capacidade de raciocínio, memória e tomada de decisão.

Distúrbios visuais

Algumas formas de meningite podem causar danos aos nervos ópticos ou ao cérebro, afetando a saúde ocular e resultando em problemas como visão turva, visão dupla ou perda visual parcial.

Alterações comportamentais

Danos cerebrais causados pela meningite podem levar a alterações no comportamento, incluindo irritabilidade, agitação, depressão ou ansiedade.

Quais são as formas de tratamento?

O tratamento da meningite envolve terapia antimicrobiana adequada, tratamento de complicações associadas e medidas de suporte, como controle da pressão intracraniana. Em casos graves, podem ser necessários corticosteroides para reduzir a inflamação.

Como ela pode ser evitada?

A prevenção da meningite inclui medidas como vacinação, higiene adequada e prática de sexo seguro. Ainda, é recomendado evitar contato próximo com pessoas infectadas. A vacinação é particularmente importante para prevenir as formas graves da doença, como a meningite meningocócica e a pneumocócica.

A meningite é uma doença séria que requer atenção e cuidados adequados

Com o conhecimento sobre suas causas, sintomas, diagnóstico e formas de prevenção, é possível reduzir o impacto da doença na população. A vacinação, em especial, desempenha um papel crucial na prevenção da inflamação das meninges.

Assim, é importante orientar os pacientes a seguir o calendário de vacinação recomendado pelas autoridades de saúde. Fique atento aos sinais da doença para agir rapidamente e garantir uma resposta rápida e eficaz ao tratamento da meningite.

Gostou do texto? Assine a nossa newsletter e receba posts exclusivos e atualizações sobre Medicina diretamente no seu e-mail!

Os médicos que leram esse post, também leram:

Todos os Posts