Conheça 10 médicos empreendedores de sucesso

O empreendedorismo médico no Brasil se encontra em constante crescimento e evolução, impulsionado pelo avanço da tecnologia. Nesse sentido, há vários médicos empreendedores que, além de atuar em consultórios, estão investindo em startups inovadoras.

Conforme dados recentes da Liga Ventures, já contamos com 520 startups de saúde atuando no país em 35 categorias. Elas se referem a gestão de processos, planos e financiamento, bem-estar físico e mental, buscadores e agendamentos, exames e diagnósticos, infraestrutura para telemedicina, prontuário, prescrição e triagem, entre outras.

A seguir, detalharemos a trajetória de alguns médicos empreendedores para você se inspirar. Saiba quais negócios eles conseguiram desenvolver, seus desafios e conquistas. Confira as lições que podem ser aprendidas com cada um deles!

1. Jorge Moll Filho

Jorge Moll Filho, nascido no Rio de Janeiro, em 1946, é um médico cardiologista, empresário, dono e presidente do Conselho de Administração da maior rede de hospitais privados do Brasil, a D’Or. Esse empreendimento é avaliado em mais de R$20 bilhões de reais, contando com uma rede de mais de 30 hospitais espalhados pelo país.

O sucesso da rede D'Or se deve à capacidade de suprir a carência de hospitais particulares de excelência no Rio de Janeiro. A fortuna de Molli foi avaliada em US$ 9,8 bilhões (R$ 48,5 bilhões) pela revista Forbes em 2022, tornando-o o quarto homem mais rico do país. Sua trajetória como empreendedor começou, em 1977, quando inaugurou o Grupo Labs.

A Cardiolab, sua primeira unidade, atuava na área de diagnósticos médicos. Em 2010, Moll Filho vendeu essa empresa para o Grupo Fleury. Com o valor recebido, passou a comprar hospitais em várias cidades, como Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília. Dessa forma, começou a construção do que hoje é um império.

2. Nicolau e Rosangela Esteves

O casal de médicos Nicolau e Rosangela Esteves sonhavam em levar ensino e atendimento à saúde nos interiores do país. Para isso, fundaram o grupo NRE Educacional, em 1999.

A partir do início da operação da primeira instituição de ensino, estabelecida no Tocantins (UNITPAC Araguaína), o grupo começou a crescer com um conjunto de instituições de ensino superior. Os cursos oferecidos eram Medicina e outras graduações da área da saúde.

Nos anos 2000 o NRE Educacional, já se apresentava como líder no segmento de ensino privado de Medicina no país, com faculdades em Minas Gerais, Tocantins, Paraná e Piauí. Em 2019 nasceu o propósito de cuidar de toda a carreira do médico, e não somente da graduação.

Para isso, uniu-se à Medcel, fundada pelo médico Atilio Barbosa, visando a preparação do profissional recém-formado para as provas de residência. Juntas deram origem à Afya. Uma das primeiras ações do grupo formado pelos médicos empreendedores foi adquirir outras faculdades de Medicina e da marca IPEMED, hoje Afya Educação Médica, voltada à educação médica continuada e pós-graduações.

Mas as realizações em 2019 não pararam por aí. Esse mesmo ano se tornou ainda mais emblemático na história da Afya com a abertura de capital da empresa fora do Brasil. Em 2020, a Afya inovou com a entrada no segmento de serviços digitais de suporte à rotina do médico.

Em julho do mesmo ano, a empresa adquiriu a sua primeira healthtech, a PEBMED. A partir disso, outras foram incorporadas ao grupo, como Medical Harbour, IClinic e SHOSP, formando o maior hub de soluções médicas do Brasil.

3. Bruno Ferrari

Bruno Ferrari era estudante de Medicina, quando a Oncologia ainda não era parte integrante do currículo escolar. Em seu quinto ano de residência na área de Ginecologia e Obstetrícia, se interessou por Mastologia e pelo estudo do câncer de mama.

Após um estágio no Brasil, Bruno estudou em Houston, no MD Anderson, referência mundial no tratamento do câncer. Foi lá que ele entendeu que o paciente oncológico precisa ser visto e tratado de maneira integrada, com uma equipe multidisciplinar.

Com base nos conhecimentos obtidos, Ferrari voltou ao Brasil com a ideia de empreender na Medicina, construindo uma rede de clínicas particulares especializadas no tratamento de pacientes com câncer. Após 10 anos, ele se juntou a mais dois sócios e um grupo de seis médicos, para comprar uma clínica que daria origem ao grupo, conseguindo vender a ideia para um fundo de investimento que "comprou o powerpoint".

Pouco depois, outro fundo de investimento também entrou no negócio, acelerando a expansão. Contudo, foi a chegada do Goldman Sachs que fez da Oncoclínicas seu maior investimento proprietário no mundo. Em 2020, com a necessidade de uma nova fase de crescimento, a Oncoclínicas se preparou para o IPO, arrecadando quase R$ 2 bilhões para o caixa.

Trata-se de um momento marcante para todo o mercado brasileiro, considerando que esse foi o último IPO — “Initial Public Offering”, ou “oferta pública inicial" —, ocorrido no Brasil até hoje. Atualmente, a Oncoclínicas é o maior grupo especializado em tratamento de câncer na América Latina e considerado um dos maiores do mundo.

O grupo continua se expandindo com a compra recente de uma empresa de IA em Boston e desenvolvimento de um programa próprio de genoma. Com ele, é possível fazer mapeamento genético dos tumores visando um tratamento cada vez mais personalizado. Além disso, estão fazendo parcerias com fontes pagadoras como as Unimeds, Golden Cross e Porto.

4. Edson de Godoy Bueno

Natural de Guarantã, em São Paulo, Edson de Godoy Bueno fundou a Amil, maior operadora de planos de saúde do Brasil. Antes de se formar médico, aos 28 anos, na Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Em 1971, o médico iniciou sua carreira na instituição Casa de Saúde São José, localizada em Duque de Caxias (RJ). Com infraestrutura pequena e precária, contando com apenas 35 leitos e muitas dívidas, a clínica representou uma virada de chave do médico, que se tornou o gestor do local.

Após quatro anos gerenciando a instituição, conseguiu transformar a Casa de Saúde na maior maternidade do Rio de Janeiro. Com os sócios, Edson fundou a Rede ESHO (empresa de serviços hospitalares) para administração da Casa de Saúde e demais clínicas e hospitais adquiridos.

Ao longo do tempo, o médico empresário começou a cogitar a possibilidade de atuar na venda de planos de assistência médica. Em 1978, o grupo começou a criar a Assistência Médica Internacional (Amil), considerado um dos maiores planos de saúde privada do Brasil.

A parceria e a visão empreendedora de Edson fizeram desse médico um dos homens mais ricos do país. Em 2012, a Amil foi vendida para americanos do grupo United Health, em uma transação de mais de R$6 bilhões. Parte desse valor de venda foi direcionada para o controle do laboratório Dasa, maior rede de diagnósticos da América Latina e quinta maior do mundo. Atualmente, essa empresa é dirigida por um dos filhos de Edson, que faleceu em 2017.

5. Paulo Barbanti

Paulo Barbanti, com mais de 50 anos de atuação e fundador da operadora de saúde Notre Dame Intermédica (GNDI) é considerado um dos empreendedores da saúde mais ricos do Brasil.

O foco da Intermédica é a Medicina Preventiva e a oferta das melhores soluções em saúde e tecnologia. Barbanti vendeu a empresa à gestora americana de private equity Bain Capital por quase R$ 2 bilhões.

Paulo Barbanti se destaca como um dos pioneiros na criação de rede própria de hospitais e clínicas médicas populares como uma alternativa para controlar os custos, já que o público-alvo era a população vulnerável e com menos recursos financeiros.

6.Vander Corteze

Vander Corteze formou-se em Medicina na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Ainda como estudante, começou a promover festas em Niterói, quando teve o primeiro contato com o empreendedorismo. Antes mesmo de se tornar médico, Vander procurou se especializar em um curso de Gestão de Negócios. Ao se formar, teve uma única experiência como médico no Corpo de Bombeiros, mergulhando de vez no empreendedorismo.

Com um amigo, criou o Grupo BR Med, um negócio B2B na área de saúde ocupacional. Hoje, essa empresa é uma das principais redes de clínicas de Medicina do Trabalho, contando com 12 unidades em três estados e mais de 1 milhão de exames realizados anualmente.

Ao perceber o sucesso de aplicativos como Uber, Waze ,Whatsapp e Spotify, em 2016, Barbanti teve mais um insight que o levou a criar uma ferramenta de saúde para ser disponibilizada na palma da mão. A Beep Saúde é uma plataforma que viabiliza o atendimento médico domiciliar.

Assim, de 2017 a 2020, a Beep Saúde se tornou uma empresa líder em vacinas no Brasil, conseguindo elevar o faturamento de R$ 4 milhões em 2018 para R$60 milhões em 2020.

7. Gastão Fleury da Silveira

O Grupo Fleury é uma empresa de saúde fundada por Gastão Fleury da Silveira, em 1926. Atualmente, é considerada um dos maiores centros de diagnóstico especializado do estado de São Paulo e a segunda maior empresa do Brasil.

Gastão Fleury iniciou com um pequeno laboratório de análises em São Paulo, destacando-se na década de 90 como a primeira empresa a disponibilizar exames pela internet. Considerada pioneira na segurança da informação, em 1994 o grupo realizava a implantação de códigos de barras para os exames oferecerem identificação segura.

Atualmente, é uma das mais respeitadas organizações de Medicina e saúde no Brasil, com mais de 170 unidades de atendimento de suas marcas Fleury Medicina e Saúde, a+ Medicina Diagnóstica, Labs a+, Laboratório Weinmann, Diagnoson a+, Clínica Felippe Mattoso, Instituto de Radiologia de Natal e Serdil.

8. Carlos Braga

Carlos Braga é dos médicos empreendedores especialista em Medicina da Família, com mais de 20 anos de experiência em gestão da saúde. Começou a empreender em 2018, fundando a Bio Healthtech que oferece uma plataforma de acompanhamento e atendimento médico.

A sua proposta é aproximar os pacientes dos profissionais, indo além dos atendimentos pontuais. Recentemente, a empresa recebeu um aporte de R$ 2 milhões a serem investidos na parte comercial do negócio, a fim de aumentar o faturamento e o número de usuários.

9. Ludmila Dias

A médica Ludmila Dias é uma das fundadoras da Ubuntu Med, startup fundada em 2019. O objetivo do negócio é prevenir a incidência do câncer do reto. Para isso, a empresa atua na comercialização de testes preventivos não invasivos para farmácias e operadoras de saúde.

Ao auxiliar no diagnóstico precoce, o dispositivo permite que o paciente tenha um aumento na probabilidade de cura. Nesse sentido, o foco da Ubuntu Med é a prevenção. O instrumento de coleta é composto por um pequeno flaconete, além de uma haste que deve ser utilizada para ser raspada nas fezes.

A amostra pode ser do tamanho de um grão de arroz. Após a coleta, o paciente leva o dispositivo na mesma farmácia onde o teste foi adquirido. O envio do material é realizado pelo estabelecimento, que o encaminha a um laboratório pelo meio de transporte mais conveniente.

O dispositivo de coleta tem conservantes para a amostra ficar estável por 15 dias, mesmo sem refrigeração, não sendo necessário levar para o laboratório de imediato. Esse tempo é essencial para acessar locais mais remotos, como as cidades do interior, que não têm laboratórios, contribuindo para a interiorização da Medicina. O resultado pode ser acessado pela internet.

O equipamento de análise das fezes se encontra instalado em um laboratório, em Belo Horizonte (MG), conseguindo receber as amostras de todo o país, graças ao tempo de conservação. Uma máquina é capaz de realizar até 57,6 mil análises/mês.

Em janeiro de 2023, 12 farmácias de Belo Horizonte passaram a comercializar o teste, como um primeiro movimento da startup para vendas diretas ao público.

10. Iman Abuzeid

Mesmo após quatro anos da pandemia da Covid-19, a maioria dos hospitais nos Estados Unidos continuou a sofrer com a escassez de enfermeiros. A Incredible Health, fundada em 2017, pela médica Iman Abuzeid e por Rome Portlock, funciona como um LinkedIn para enfermeiros, oferecendo profissionais para essas instituições, que utilizam a plataforma, pagando para listar suas vagas abertas. O algoritmo, por sua vez, seleciona os melhores candidatos para as oportunidades de emprego.

A Incredible Health está acelerando, tendo conseguido aumentar sua receita em 2021 em cinco vezes, sendo estimada pela Forbes em US$ 25 milhões (R$ 129 milhões). O software da empresa garante que enfermeiros qualificados sejam conectados com os empregos em que poderiam ter sido negligenciados por meio das práticas tradicionais de contratação.

Faça sua pós médica na Afya!

A inovação na área da saúde beneficia os médicos empreendedores, que desejam independência e sucesso profissional, indo além do consultório. Mas, acima de tudo, empreender na Medicina ajuda a proporcionar um atendimento com maior qualidade para os pacientes.

Se gostou deste artigo e deseja acompanhar as publicações da Afya, assine a newsletter gratuita. Assim, você receberá as atualizações de nosso blog diretamente em sua caixa de e-mail.

Autor(a)

Os médicos que leram esse post, também leram:

Todos os Posts