Hospital digital: o que é e como funciona

Com a integração cada vez mais presente dos procedimentos virtuais, muitas instituições do setor de saúde têm adotado ferramentas que automatizam e aperfeiçoam os serviços. O hospital digital, por exemplo, é um conceito moderno, que revolucionou a Medicina e a saúde como um todo.

Embora a utilização de tecnologias mais complexas acompanhe essa inovação, o conceito de hospital tecnológico se trata, especialmente, da troca de informações por meios virtuais e não apenas a implementação de máquinas e sistemas inteligentes.

Seu principal objetivo é proporcionar uma integração mais ágil e rápida entre os sistemas, possibilitando uma maior eficiência nas operações, melhores mecanismos de segurança e aumento na qualidade dos atendimentos.

Pensando na relevância dessa inovação, explicaremos, neste artigo, o conceito de hospital digital e como ele funciona, destacando as vantagens que a digitalização pode trazer. Boa leitura!

O que é um hospital digital?

Trata-se de uma instituição de saúde que adota as tecnologias de informação amplamente nos seus processos. Ou seja, ela dispensa totalmente o uso de papel, fazendo com que a troca de informações seja digitalizada, por meio da integração de sistemas internos e externos.

Nesse caso, em um hospital digital, todos os setores são integrados, do pronto-atendimento à contabilidade, e do centro cirúrgico e ao laboratório. Além disso, o conceito abrange o acesso a informações que facilitam a tomada de decisão dos gestores e a escolha por atividades que aproveitem ao máximo os recursos já existentes sem modificar a estrutura do cenário.

Por exemplo, imagine um hospital em que o prontuário dos pacientes é físico, as contas são impressas e os exames ainda são entregues em lâminas. Quais as chances dessa instituição permanecer no mercado competitivo atualmente?

Por isso o hospital digital garante que todas as suas informações sejam devidamente armazenadas em um sistema de gestão de saúde que comunica o tempo todo com os demais sistemas utilizados pela instituição e que são fundamentais para o seu pleno e eficiente funcionamento.

Como ele funciona?

Antes de mais nada, vale destacar que o hospital tecnológico se difere dos demais por causa da implementação intensa de práticas baseadas na tecnologia da informação. Isso porque os hospitais analógicos tendem a realizar suas atividades sem o uso de um software completo, capacitado para intensificar e aprimorar todos os processos existentes ou, ainda, sem a necessária interoperabilidade entre os sistemas utilizados.

De modo geral, para implementar a ideia, os gestores devem traçar planos e metas de acordo com o nível de digitalização que desejam atingir e, claro, que a estrutura do hospital consiga comportar.

Sendo assim, é preciso solicitar uma avaliação prévia que pode ser feita por consultorias. Depois que o cenário for analisado, inicia-se o processo com o apoio de estudos da infraestrutura de tecnologia da informação.

A Healthcare Information and Management System Society (HIMMS), ou Sociedade dos Sistemas de Informação e Gestão na Saúde, em livre tradução, é uma organização sem fins lucrativos orientada pela missão de reformar o ecossistema global de saúde por meio do poder da informação e da tecnologia. Portanto, como referência na área, a HIMMS estabelece alguns critérios que classificam esse processo de modernização dos hospitais, conforme a inserção das soluções para que a instituição seja considerada 100% digital. No próximo tópico, explicaremos quais são esses critérios!

Quais as particularidades do hospital digital?

Como mencionado, o hospital é considerado amplamente digital ao seguir todos os critérios da HIMMS — uma entidade internacional de apoio à implantação de novas tecnologias na saúde. Dessa forma, ele passa por oito fases para conseguir a certificação, veja quais são:

  • Fase 0: não existe suporte informatizado nos setores de laboratório, radiologia e farmácia;
  • Fase 1: apresenta instalação de sistema de informação laboratorial, radiológica e farmacêutica. Fornece resultados de exames de maneira online, através de prestadores de serviços externos;
  • Fase 2: tem repositório de dados clínicos (CDR) centralizado e utiliza o vocabulário médico controlado (CMV);
  • Fase 3: adota o prontuário eletrônico do paciente (PEP), sistema de suporte à decisão clínica e resultados de exames;
  • Fase 4: utiliza a prescrição de exames informatizados em ao menos uma área assistencial;
  • Fase 5: realiza a substituição dos filmes radiográficos pelos PACS, as imagens digitais;
  • Fase 6: apresenta sistema completo de suporte à decisão clínica, circuito fechado de gestão de medicação e análise estatística dos dados clínicos;
  • Fase 7: permite integração entre todos os departamentos do hospital.

Assim, todos os departamentos conversam e se atualizam em tempo real, além de alimentarem informações que geram relatórios com análises de atendimento e do serviço prestado.

Quais são as vantagens?

Apesar de parecer uma transição complexa, implementar a tendência de hospital digital pode trazer diversas vantagens para a instituição. A seguir, conheça algumas das principais ao avaliar essa possibilidade.

Diagnósticos mais assertivos

A utilização de ferramentas como a Inteligência Artificial e as estratégias de Big Data possibilita que os profissionais acessem os dados mais importantes para casos específicos no atendimento.

Desse modo, é possível elaborar diagnósticos mais assertivos e precisos, baseando-se em informações concretas, por meio de recursos inovadores, com o mínimo de incidência de erros. Portanto, os laudos poderão ser mais completos, e os tratamentos pensados de maneira mais apropriada.

Conhecimento amplo sobre o paciente

No hospital digital, o histórico médico do paciente se torna acessível a todo corpo clínico graças aos prontuários eletrônicos. Dessa maneira, os profissionais já sabem quais são as principais queixas e o que já foi recomendado por outros colegas.

Vale lembrar que as novas tecnologias na saúde também possibilitam verificar a adesão ao tratamento, além de compreender o porquê de algumas pessoas conseguirem seguir as recomendações médicas e outras não.

Redução de custos

O hospital digital também permite reduzir custos operacionais em diferentes níveis. Primeiramente, a manutenção e o armazenamento de documentos em papel apresentam gastos mais elevados do que em um sistema. Por isso, a migração pode trazer economia para a instituição.

Além disso, a eficiência das análises através de sistemas automatizados também pode diminuir o número de falhas a longo prazo. Com isso, também se reduz os custos com reparos posteriores.

Segurança do paciente

Por fim, a segurança do paciente é outro fator indispensável. Afinal, como todos os processos são circuitos fechados, operações como a prescrição e a liberação de medicamentos são conferidos pela inteligência do sistema. Além disso, em um hospital digital, os erros médicos são reduzidos significativamente.


Está preparado para digitalizar seus processos?

É importante destacar que não adianta implementar sistemas tecnológicos e informatizados se a cultura organizacional não acompanha esse processo. O hospital digital demanda alterações nesse sentido, e é necessário existir uma contribuição que proporcione uma melhor experiência para o paciente dentro do seu tratamento.

Gostou do nosso post? Quer ficar por dentro de mais conteúdos como este? Então, não deixe de assinar nossa newsletter para receber as novidades na sua caixa de entrada.

Autor(a)

Os médicos que leram esse post, também leram:

Todos os Posts