Home care: como funciona e quais são as previsões para o futuro

Home care é um tipo de serviço de saúde que consiste em fornecer atendimento multidisciplinar em saúde no domicílio do paciente. Geralmente, essa possibilidade é utilizada por pessoas que estão doentes ou incapacitadas por uma condição médica e que precisam de cuidados contínuos e personalizados a longo prazo.

Neste artigo, você verá como o atendimento domiciliar surgiu, como funciona, os prós e os contras, quais os desafios enfrentados por pacientes, médicos e outros profissionais de saúde, além dos serviços de saúde.

Por fim, confira quais as principais tendências dessa forma de cuidar de pacientes. Confira!

Como o home care surgiu?

O conceito de atenção domiciliar apareceu no final do século XIX na Inglaterra, visando atender pacientes que estavam impossibilitados de se deslocar até as instituições de saúde. Deu tão certo, que a ideia foi aplicada em outros países europeus e, posteriormente, nos EUA

no Brasil, o home care começou a ser utilizado na década de 1970, inicialmente como uma opção para atender pacientes que não conseguiam se deslocar até os hospitais.

Como o home care funciona?

Com o passar dos anos, o serviço foi aprimorado, se tornando uma alternativa viável para a continuidade do tratamento de muitas condições médicas em casa, com equipes de profissionais treinados e equipamentos adequados para fornecer cuidados de qualidade no conforto do lar do paciente.

O processo começa avaliando o paciente para determinar suas necessidades médicas e os cuidados necessários. Com base nessa avaliação, é elaborado um plano de cuidados personalizados, a partir da Medicina de Precisão, que inclui os serviços de saúde necessários, como:

  • tratamentos;
  • medicações;
  • curativos;
  • alimentação;
  • higiene;
  • mobilidade;
  • monitorar sinais de câncer etc.

Vantagens

Os benefícios do home care começam pelo seu funcionamento, que envolve uma equipe multidisciplinar de profissionais de saúde, como:

  • médicos;
  • enfermeiros;
  • fisioterapeutas,
  • fonoaudiólogos;
  • farmacêuticos;
  • psicólogos;
  • assistentes sociais;
  • nutricionistas e outros profissionais.

A equipe de profissionais de saúde visita regularmente o paciente em casa para realizar os cuidados necessários, monitorar sua saúde e ajustar o plano de cuidados conforme necessário.

O objetivo do home care é ajudar o paciente a se recuperar ou gerenciar sua condição de saúde de maneira eficaz, em um ambiente familiar e confortável. Isso pode reduzir o tempo de internação hospitalar e melhorar a qualidade de vida do paciente e de sua família.

Desvantagens

Os cuidados domiciliares tem várias vantagens em relação à hospitalização tradicional, mas apresenta estas desvantagens:

  • falta de infraestrutura, como a acessibilidade para cadeiras de rodas e banheiros adaptados especiais;
  • falta de equipamentos hospitalares, que não estão disponíveis em casa, limitando certos tratamentos;
  • custos elevados, especialmente se o paciente precisar de cuidados intensivos ou de equipamentos médicos caros;
  • riscos de contaminação infecciosa no ambiente domiciliar que pode não ser tão estéril quanto num hospital;
  • pouca interação social, pois os pacientes podem sentir-se sozinhos e isolados em casa, podendo levar a problemas de saúde mental.

Quais os desafios enfrentados na atenção domiciliar?

Os contratempos que podem ser enfrentados por profissionais de saúde, pelos pacientes e pelos hospitais. Confira!

Médicos

A seguir, os desafios enfrentados por profissionais de saúde:

  • Falta de recursos: falta de equipamentos e suprimentos médicos e de enfermagem, dificultando a garantia dos melhores tratamentos possíveis aos pacientes.
  • Coordenar os cuidados: como são vários os profissionais de saúde, coordenar tantos cuidados é desafiador, especialmente quando há várias condições médicas em conjunto.
  • Comunicação: muitas vezes há uma falta de comunicação entre a equipe de cuidados domiciliares e os médicos que trabalham em hospitais ou clínicas.
  • Gerenciamento de doenças crônicas: muitos pacientes têm doenças crônicas (diabetes, cardiovasculares ou pulmonares). Gerenciá-las pode ser difícil, especialmente se o paciente não segue o plano de tratamento.
  • Gerenciar o ambiente doméstico: equilibrar os cuidados com o paciente e as restrições do ambiente doméstico devem considerar as restrições do ambiente doméstico, como a falta de espaço ou de equipamentos adequados, ao prescritor, ao tratamento e às terapias.

Pacientes

Já os desafios enfrentados pelos pacientes estão abaixo:

  • Limitações físicas: alguns pacientes podem ter dificuldades em se movimentar ou realizar tarefas simples, o que pode tornar o atendimento domiciliar desafiador.
  • Falta de equipamentos: alguns pacientes podem precisar de equipamentos ou suprimentos médicos específicos para gerenciar sua condição, e pode ser difícil obter esses itens em casa.
  • Isolamento social: a atenção domiciliar é uma experiência solitária para alguns pacientes, como já foi mencionado, especialmente àqueles incapazes de sair de casa ou interagir minimamente com outras pessoas.
  • Condições de vida: muitas vezes, as condições de vida do paciente tornam o atendimento domiciliar desafiador, como pacientes com que têm dificuldade em aceitar o tratamento, pacientes psiquiátricos e problemas de segurança.

Instituições de saúde

Já os hospitais enfrentam estas questões:

  • Coordenação de equipes: a coordenação dessas equipes multidisciplinares (enfermagem, assistentes sociais, médicos, fisioterapeutas etc.) pode ser desafiadora, especialmente quando há muitos profissionais envolvidos.
  • Treinamento de pessoal: é importante que os profissionais de saúde tenham o treinamento adequado para lidar com os desafios específicos desse ambiente. Nem sempre os hospitais conseguem capacitar estes profissionais eficientemente.
  • Logística: a logística do cuidado domiciliar pode ser complexa, pois inclui o transporte de equipamentos e a reposição constante de medicamentos e suprimentos para o domicílio do paciente. Além disso, os profissionais de saúde devem ser capazes de se deslocar até o local, o que pode ser um desafio em áreas remotas ou em grandes cidades com trânsito intenso.
  • Gerenciamento de riscos: o atendimento domiciliar envolve cuidados num ambiente menos controlado (como a temperatura e a limpeza desinfectante, por exemplo) do que no hospital, aumentando os riscos de infecções, agravamento da doença e até de mortalidade. Por isso, as instituições de saúde precisam implementar protocolos rígidos de gerenciamento de riscos para minimizar esses problemas.
  • Comunicação na residência: invariavelmente, o atendimento domiciliar envolve a interação com pacientes e familiares dos pacientes. Por isso, é importante que as instituições de saúde forneçam informações claras e precisas sobre o cuidado de saúde em domicílio e estejam disponíveis para responder a quaisquer perguntas ou preocupações que possam surgir.
  • Desafios regulatórios: as instituições de saúde que oferecem serviços de atendimento domiciliar — como a Resolução Cofen 0464/2014 e a Lei nº 9.656/1998 — precisam cumprir as regulamentações governamentais e as normas de segurança para a prestação de serviços de saúde em domicílio. O cumprimento dessas regulamentações pode ser um desafio adicional.

Quais as tendências em home care para o futuro?

Existem várias tendências em home care que estão surgindo e devem continuar a crescer no futuro. Confira as principais!

Utilização de tecnologia

Com a evolução da tecnologia, espera-se que haja um aumento na utilização de dispositivos médicos avançados e soluções de telemedicina no atendimento domiciliar. Isso permitirá que os pacientes sejam monitorados à distância, o que reduzirá a necessidade de visitas presenciais.

Maior ênfase na prevenção

É esperada a enfatização da prevenção do agravamento de doenças no atendimento domiciliar. Isso pode incluir programas de educação para pacientes e cuidadores, bem como a implementação de medidas preventivas para evitar reinternações hospitalares.

Foco na qualidade de vida

À medida que a população envelhece, espera-se que o home care se concentre cada vez mais na qualidade de vida dos pacientes, por meio do atendimento humanizado. Isso pode incluir serviços de cuidados paliativos e dos especializados em doenças crônicas.

Colaboração interdisciplinar

Com a maior complexidade do atendimento domiciliar, espera-se que haja uma maior colaboração entre profissionais de saúde de diferentes especialidades, como os mencionados acima.

Maior personalização

À medida que os pacientes recebem cuidados cada vez mais personalizados, é esperado que o atendimento domiciliar se adapte a essa demanda, oferecendo cuidados sob medida para as necessidades individuais.


Gostou de conhecer os prós e contras do home care?

Nesse artigo rico em informações sobre home care, você pôde conferir todas as vantagens, desvantagens e tudo o que ainda está por vir com relação à atenção domiciliar. Apresentamos as principais tendências cuidados domiciliares em saúde para o futuro, mas lembramos que o campo está em constante evolução e, assim, novas tendências surgirão à medida que a tecnologia evolui e as necessidades dos pacientes mudarem.

Se você gostou deste conteúdo sobre atenção domiciliar em saúde, assine nossa newsletter e tenha acesso aos novos conteúdos diretamente em seu e-mail assim que forem publicados.

Autor(a)

Os médicos que leram esse post, também leram:

Todos os Posts