Ginecologia e obstetrícia: o que você precisa saber!

Autor(a)

Embora o termo “ginecologia e obstetrícia” seja bastante utilizado, é preciso compreender que nem todo ginecologista será obstetra. Isso se dá porque a ginecologia é a especialidade destinada a estudar e tratar as mamas e o aparelho genital feminino – e mais recentemente outros aspectos mais gerais da saúde feminina também, como observação da saúde hormonal e encaminhamento para especialista em caso de necessidade, por exemplo.

A obstetrícia, por sua vez, é focada na reprodução humana e destina os cuidados do período que pode compreender a fase gestacional (pré-natal) até o puerpério e lactação. Em geral, esse profissional é o responsável também pelo parto que pode ser pré-determinado por ele em conjunto com a parturiente (uma evolução da área), conforme as condições clínicas de saúde dela e seus desejos para o momento do nascimento do bebê.

Além dessa mudança na área de ginecologia e obstetrícia, também conhecida como G&O, outras transformações marcantes foram observadas: – conforme destacou o presidente da Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), Carlos Eduardo Fernandes, em artigo recente – a evolução de técnicas diagnósticas e terapêuticas e o fenômeno de superespecialização dentro da GO.

Leia também: O que saber antes de tomar sua decisão por título de especialista ou permanecer na carreira generalista?

Quais as principais atribuições de quem foca em Ginecologia e Obstetrícia?

Conforme visto até aqui, com o surgimento da superespecialização em Ginecologia e Obstetrícia, os aspectos a serem tratados podem variar bastante. No entanto, dentro da área clínica, alguns temas são comuns nos consultórios. Entre eles estão:

  • Aborto
  • Amenorreia
  • Cistos no ovário
  • Cistos nas mamas
  • Câncer do colo do útero
  • Câncer de mama
  • Cólicas menstruais
  • Disfunções genitais
  • DIU
  • Doenças infectocontagiosas
  • Dor durante a relação sexual
  • Endometriose
  • Infertilidade
  • ISTs
  • Menopausa
  • Miomas uterinos
  • Pré-natal
  • Vaginose

Conheça algumas possibilidades de especialização dentro da G&O

Em geral, o estudante de medicina que deseja seguir a carreira dentro da área de ginecologia e obstetrícia deve se submeter a 3 anos de residência médica. Além disso, outras especializações podem ser cursadas, variando o tempo de formação, conforme o desejo desse profissional de aprofundar-se nas diversas áreas de conhecimento. São exemplos:

  • Cirurgia laparoscópica avançada
  • Ginecologia menopáusica e geriátrica
  • Ginecologia pediátrica
  • Cirurgia reconstrutiva em uroginecologia
  • Endocrinologia reprodutiva e infertilidade
  • Medicina materno-fetal
  • Medicina pélvica feminina
  • Oncologia ginecológica

Além dessas e outras subespecialidades, o ginecologista obstetra tem outras escolhas a fazer, que se referem ao local de atuação. Eles podem abranger: setor privado ou público, hospital, maternidade, ambulatório, centro cirúrgico, clínica médica, diagnóstico de imagem ou até mesmo a carreira acadêmica.

6 preceitos fundamentais que devem ser seguidos por qualquer ginecologista obstetra

Anteriormente, tratamos brevemente sobre a evolução da área com destaque para a humanização do parto, que passou a ter as condições determinadas em conjunto pelo profissional e pela gestante. Além disso, outros aspectos éticos devem ser sempre seguidos por qualquer médico que deseje seguir a carreira na área de ginecologia e obstetrícia.

  1. Escuta ativa: É necessário que o profissional esteja aberto a ouvir todas as queixas da paciente com atenção, ainda que elas façam parte da rotina profissional.
  2. Empatia: Essa habilidade é fundamental para criar uma boa relação entre médico e paciente.
  3. Capacidade de estabelecer confiança: Embora a área esteja evoluindo, é muito comum que aspectos da saúde ginecológica ainda estejam rodeados de tabus. Por isso, é necessário que a paciente confie no profissional.
  4. Capacidade de transmitir acolhimento: Essa é uma habilidade que contribuirá para que a paciente demonstre também confiança no profissional.
  5. Didática: Não é incomum que as mulheres tenham dúvidas sobre o funcionamento do próprio corpo. Por isso, é preciso explicar com clareza                         assuntos que envolvam anatomia feminina, higiene pessoal, doenças infecciosas, tratamentos etc.
  6. Respeito: Deve estar presente em todas as relações médico-paciente. Contudo, na área de G&O é necessário redobrar os cuidados, principalmente em situações que envolvam crenças culturais/religiosas que dificultem tratamentos.

Financeiramente, vale a pena fazer Ginecologia e Obstetrícia?

Segundo dados recentes do portal Glassdoor, o salário médio nacional de um médico ginecologista obstetra é de R$ 11.546,00. Leia também: Como anda a remuneração e satisfação dos médicos no país?

Gostou desse conteúdo? Divida com outros colegas e leia outros semelhantes continuando a navegação pelo nosso blog.

Os médicos que leram esse post, também leram:

Todos os Posts