Cultura organizacional: como construir em um hospital

Os profissionais têm buscado cada vez mais oportunidades de emprego em organizações com missão, valores e propósitos que estejam alinhados a sua essência. Por esse motivo, a cultura organizacional se tornou um dos requisitos primordiais no mercado de trabalho, e isso também é implementado de forma frequente no segmento hospitalar.

Considerando que colaboradores nesse ambiente estão expostos a situações diversas que podem desestimulá-los, cabe à organização buscar alternativas para mantê-los em sintonia, valorizando-os e reforçando a ideia da integração de toda a equipe. E nada melhor que a cultura organizacional para colocar esses valores em prática.

Para utilizá-la como um diferencial competitivo, é necessário compreender o que é, como funciona e qual a melhor forma de promover essa transformação nas empresas.

Continue a leitura e saiba como a cultura organizacional é fundamental dentro de uma clínica ou hospital. Confira!

O que é a cultura organizacional?

O conceito de cultura, de um modo geral, está diretamente associado aos valores, normas e hábitos adotados por uma empresa, com o intuito de alinhar os comportamentos dos colaboradores no ambiente corporativo.

Ou seja, ela serve como um guia para a tomada de decisão e comportamentos em todos os setores de uma organização, além da forma como se relaciona com os clientes.

Segundo Chiavenato, a prática tem um papel indispensável na motivação dos colaboradores. Ele defende que, para alcançar sucesso, a companhia precisa investir no seu público interno, já que ele é o principal responsável pelos resultados e, consequentemente, pelo crescimento do negócio.

Desse modo, apostar em uma cultura organizacional é uma das estratégias mais importantes para que os profissionais tenham motivação no trabalho e satisfação de fazerem parte do grupo. Afinal de contas, a maneira como se lida com as questões citadas pode influenciar diretamente a eficiência do colaborador.

Quando falamos, então, da cultura organizacional hospitalar, significa que ele possui valores que norteiam a sua atividade e a atuação dos seus profissionais. Por exemplo, focar na satisfação e na produtividade da sua equipe, fornecendo autonomia e possibilitando que novas habilidades apareçam. Para isso, a proposta deve fazer parte do dia a dia, envolvendo todos os setores da empresa.

Como ela funciona?

Grande parte dos gestores pensa que a cultura empresarial é algo que existe por si só, não podendo ser gerenciada. Mas, na prática, ela precisa ser pensada a partir de alguns fatores essenciais comuns, que são responsáveis por concretizar os valores da empresa. Além disso, a sua criação é um método eficiente para encontrar a missão, os valores e os objetivos do negócio.

De um modo geral, as características são observadas a partir da realidade de cada organização. De nada adianta querer implementar uma cultura organizacional em um hospital X, por exemplo, se os seus gestores e colaboradores não têm identificação nenhuma com aquela cultura específica. Nesse caso, a cultura deve ser desenvolvida em conjunto com todos na empresa e ser implementada aos poucos.

No caso dos hospitais, a cultura organizacional deve estar presente e fazer parte do dia a dia, envolvendo todos os setores, desde a segurança e a assistência até a alta gestão médica.

É necessário ser transparente e repassar com clareza quais são os valores, visão e objetivos que a instituição apresenta. Isso faz com que todos conheçam onde trabalham e onde é possível chegar, trazendo motivação e a melhor produtividade.

Assim como as pessoas, os negócios apresentam uma identidade, o que influencia diretamente os resultados de suas ações. Dessa maneira, podemos dizer que existem 3 níveis que determinam essas características, são elas:

Pressupostos

Consiste nas crenças e sentimentos ainda inconscientes, mas presentes nos colaboradores, que são importantes dentro da “forma de ser” de uma empresa, representando tudo aquilo que é intangível. Ou seja, é a maneira de se comportar, o modo de agir, os sentimentos compartilhados pelos membros da empresa e que geram impacto positivo.

Valores compartilhados

É composto por normas e valores importantes para a empresa, que determinam o motivo pelo qual a equipe desempenha suas funções.

Ele abrange trabalhar em algo que você acredita ou que tenha propósitos parecidos, o que apresenta grande influência na tomada de decisões, afinal uma empresa que valoriza esses aspectos e investe no desenvolvimento de pessoas, consegue de maneira estratégica gerar mais motivação e identificação dentro dela.

Artefatos

Trata-se da estrutura física da organização, assim como os símbolos, práticas de gestão, serviços, histórias e padrões. São as coisas mais concretas que conseguimos observar em uma empresa.

Ou seja, é preciso que uma empresa ofereça um ambiente adequado para a sua equipe, com as condições necessárias para o trabalho. Esses fatores são indispensáveis para um bom ambiente de trabalho, sendo a base que sustenta toda a sua atividade.

É claro que colocar em prática essas questões e começar o desenvolvimento de uma cultura organizacional não é simples, principalmente quando a empresa já está em funcionamento e, ao longo dos anos, adquiriu determinados comportamentos e valores involuntários. Por isso, alinhar as expectativas dos gestores e do que é realizado na prática pode ser um desafio.

Vale destacar que a percepção da nova geração sobre questões ligadas ao trabalho é o que influencia diretamente as mudanças de hábitos e condutas nas empresas. Para eles, uma carreira profissional não é mais ter um emprego estável ou duradouro, mas sim uma atividade em um lugar que tenha significado, valor, identidade e cultura.

Por esse motivo, na tentativa de atender à demanda dos novos talentos do mercado, as corporações têm tentado desenvolver de forma ativa as suas respectivas culturas internas.

Qual a sua importância para as empresas?

Podemos dizer que a cultura organizacional é o reflexo da ética e da moral que a companhia apresenta, ela orienta de modo natural os caminhos a serem seguidos. É ela quem guia as decisões e prepara a empresa para o futuro.

Quando se torna parte da essência organizacional, a cultura é capaz de criar incentivos positivos para os colaboradores e melhorar a produtividade e o posicionamento da empresa no mercado, uma vez que os colaboradores deixam de se preocupar com questões externas e passam a se dedicar para as tarefas a serem desenvolvidas da melhor forma.

Médicos, enfermeiros e técnicos, por exemplo, lidam todos os dias com pacientes e tomam decisões a todo momento. Por isso, precisam prezar pelo bem-estar do outro, agindo de forma correta e em conformidade com as normas e regulamentos, assim como são responsáveis por garantir a qualidade e a satisfação daqueles que são atendidos.

Portanto, ao reconhecer a importância da cultura organizacional no ambiente de trabalho e passar a investir nela, a instituição pode conquistar diversas vantagens, tais como:

  • competitividade no mercado;
  • redução de custos;
  • aumento da produtividade dos colaboradores;
  • fortalecimento da imagem da empresa;
  • índices de produção mais elevados;
  • alinhamento entre membros da equipe;
  • direcionamento para metas e políticas de relacionamento;
  • ajuda a recrutar e reter melhores talentos;
  • aumento no comprometimento e satisfação dos colaboradores.

É preciso ressaltar que um dos maiores erros das empresas atualmente é pregar um tipo cultura, mas, no dia a dia, ter regras e exigir comportamentos diferentes.

Por exemplo, divulgar que apoia a qualidade de vida dos colaboradores, e não possibilitar uma jornada de trabalho flexível para que eles cuidem da saúde física e mental. Esse desvio entre o que é esperado do que ocorre na prática gera frustração nos colaboradores, que se sentem desmotivados e improdutivos.

Portanto, esses valores ajudam na construção da ideia de pertencimento, do senso de responsabilidade de cada profissional e ainda auxilia cada um a compreender seu papel dentro do negócio, ampliando as chances de crescimento da empresa.

Além disso, uma cultura organizacional bem estabelecida também tem como resultado menores taxas de rotatividade, maior sucesso na atração de talentos e queda do índice de absenteísmo.

Como desenvolver a cultura organizacional em clínicas ou hospitais?

Antes de mais nada, é preciso ter em mente que uma cultura é algo que se molda internamente ao longo do tempo, e que não é simplesmente trazida com os colaboradores que entram na organização. Conquistar esses valores demanda muita dedicação, sobretudo da alta liderança.

De início, a implantação dessa prática dentro do ambiente hospitalar passa por quesitos básicos presentes no planejamento estratégico de qualquer negócio: visão, missão e valores, além dos objetivos gerais e específicos. Ao defini-los, é importante pensar também em outras fases das decisões e ações da empresa, como organização e processos.

Além disso, é preciso alinhar os objetivos com os funcionários e definir alguns pontos importantes para a cultura corporativa, como: comunicação, espaço físico, horário do expediente, transparência, atendimento humanizado e acompanhamento dos resultados.

Em geral, o setor de Recursos Humanos é o responsável por implementar tais valores. Entre alguns aspectos, essa construção está relacionada com:

  • o processo seletivo de novos talentos, para que se adequem à cultura do negócio;
  • o treinamento das práticas adotadas e o acompanhamento do desenvolvimento desses profissionais;
  • a adoção de políticas de segurança;
  • a evolução da carreira dos colaboradores, que incluem planos de carreira, salários e benefícios.

Sabemos que todo esse processo é difícil, requer tempo, recursos financeiros e muita disposição para ir ajustando o que for necessário até que se chegue no ponto ideal. Não é à toa que a cultura organizacional está entre os maiores desafios das empresas atualmente.

O que pode ser feito uma manutenção e evolução constantes?

Uma dúvida muito comum é como iniciar a implantação dessas variáveis e o que pode ser feito para que sua manutenção seja constante. Para tanto, é preciso que os gestores tenham controle integrado de todos os processos que ocorrem na unidade e desenvolvam um projeto estruturado com as etapas necessárias.

Então, agora que você já sabe o conceito e a relevância da cultura organizacional, é importante conhecer algumas práticas e investir de forma correta nessa área, a fim de transformar determinadas condutas para construir um ambiente mais propício. Confira!

Defina missão e valores da instituição

Como dito anteriormente, a missão, a visão e os valores servem como base para a criação da cultura de um negócio. Dessa forma, antes de iniciar o processo de construção da cultura organizacional, é necessário entender que eles são os pilares de qualquer organização e funcionam como uma espécie de documento da empresa.

Por isso, devem ser claros, transparentes e inspiradores. A principal finalidade desse processo é engajar os colaboradores e esclarecer ao público externo quais são os objetivos da empresa.

Identifique pontos fortes e fracos

Outro ponto importante a ser identificado são os pontos fracos e fortes da própria cultura. Afinal, talvez seja necessário reavaliar alguns aspectos e realizar ajustes conforme a necessidade.

Claro que a cultura não pode ser tão mutável, porque passará a impressão de instabilidade e insegurança. Porém, ela precisa associar algumas características e eliminar outras. Observe também as oportunidades que a cultura oferece e veja quais colaboradores exercem uma maior influência, isso pode ser usado para ajudar no fortalecimento dos valores organizacionais.

Utilize indicadores de desempenho

Os indicadores de desempenho são mecanismos indispensáveis para consolidar as normas e valores das empresas. Com eles, é possível deixar um pouco a abordagem conceitual do tema e focar na ação em si, diagnosticando e aprimorando resultados. Isso porque as métricas contribuem para a melhoria contínua e oferecem um feedback mais claro sobre o desempenho da organização. Além disso, são flexíveis, sendo usadas para criar metas, avaliar a performance, tomar decisões, entre outras funções.

Realize pesquisas de satisfação

Atualmente, as empresas precisam lidar com interesses de diferentes partes, como compradores, fornecedores, acionistas e órgãos públicos. Dessa maneira, tornou-se comum tratar os colaboradores como clientes e buscar uma cultura em que eles estejam satisfeitos com o desenvolvimento do trabalho.

Na prática, os gestores de RH podem aplicar pesquisas internas com o propósito de medir pontos-chave para o engajamento no trabalho, como as relações interpessoais, o interesse pelos benefícios do negócio e a identificação com as atividades.

Tenha uma comunicação eficaz

A comunicação interna e externa de uma corporação também apresenta um papel essencial na cultura organizacional, principalmente para alinhar valores e manter todos os funcionários e setores informados sobre o que deve ser feito.

Nesse caso, os líderes são os principais responsáveis por propagar a informação adequada, garantindo que as falhas sejam mínimas durante a jornada de trabalho e que os objetivos e as metas sejam passados da maneira mais clara possível. Vale lembrar que as deficiências na comunicação geram muitos conflitos para o fortalecimento da cultura, tornando-se impossível disseminar os devidos valores e alinhar os profissionais.

Como você pôde ver, a cultura organizacional hospitalar, assim como em qualquer empresa, serve como um guia de conduta para os colaboradores. Essa base é praticamente uma identificação da companhia, por isso todos os profissionais devem colocá-la em prática no dia a dia.

Lembre-se de que as mudanças no ambiente hospitalar podem ser lentas e devem ser realizadas por todos os envolvidos. Por esse motivo, é interessante que se tenha uma estratégia de promoção e conservação da cultura organizacional.

Esperamos que tenha gostado do nosso guia e tirado suas principais dúvidas sobre a construção da cultura organizacional no hospital. Não deixe de compartilhar os conteúdos nas suas redes sociais, assim os seus amigos também ficam por dentro do assunto!

Autor(a)

Os médicos que leram esse post, também leram:

Todos os Posts