Contabilidade para médicos: 11 dicas importantes

A contabilidade é uma parte essencial da gestão de qualquer negócio, incluindo dos consultórios médicos — a chamada contabilidade para médicos. Entender esse assunto é importante porque, em seu consultório, você não cuida apenas de melhorar a qualidade de vida das pessoas, mas também da saúde financeira da sua clínica.

Neste artigo, você confere 11 dicas fundamentais sobre gestão financeira para médicos e como fazer a sua declaração de imposto de renda, a depender do regime tributário que a sua empresa se enquadrar. Acompanhe!

1. Separe suas finanças pessoais e do consultório

Esta primeira dica é fundamental para ver seu consultório crescer como empresa e, quem sabe, se tornar uma clínica com vários médicos. Para tanto, é fundamental que você tenha uma conta bancária exclusiva para o consultório.

Com isso, você não mistura suas despesas pessoais com os gastos da sua clínica, como as contas básicas (água, energia, internet, etc) e os pagamentos da equipe que trabalha com você (secretárias, pessoal da limpeza, enfermeiros, entre outros).

2. Registre as transações financeiras

É fundamental manter um registro preciso de todas as transações financeiras relacionadas ao seu consultório, como as suas despesas com materiais e equipamentos médicos, salários de funcionários e pagamentos de impostos na fonte.

3. Conheça suas obrigações fiscais

Tanto como médico quanto como cidadão, você precisa entender quais são suas obrigações fiscais. Isso inclui conhecer sobre o pagamento sobre os tipos de impostos a seguir:

  • sobre a sua renda como pessoa física ou jurídica;
  • sobre a folha de pagamento dos seus funcionários;
  • aplicáveis ​​à sua prática médica.

Para a emissão de notas fiscais, os médicos terão os valores dos impostos descontados pelos consumidores de saúde (os pacientes). O médico emite o Recibo de Pagamento para fazer recolhimento dos valores devidos.

Vale mencionar que as leis fiscais estão sempre mudando, e é importante que você esteja atualizado sobre as mudanças que possam afetar a sua prática médica. Para isso, conte com a experiência de um profissional da contabilidade, pois ele pode ajudá-lo a entender as leis fiscais relevantes à sua prática.

4. Aproveite as deduções fiscais para médicos

Além de conhecer as obrigações fiscais, é importante saber que profissionais da saúde podem ter direito a deduções fiscais em seus impostos, como despesas com materiais, equipamentos, compra e locação de consultório, entre outros. Além de conhecer quais são essas deduções, é importante manter um controle preciso dessas despesas para que possam ser deduzidas corretamente.

5. Escolha o regime tributário mais adequado

No Brasil, existem três regimes tributários principais no Brasil: o Simples Nacional, o Lucro Presumido e o Lucro Real. Todos eles têm suas vantagens e desvantagens, sendo muito importante escolher o que melhor se adequa ao perfil de seu negócio. Em geral, o Simples Nacional é mais vantajoso para empresas com receita bruta anual de até R$ 4,8 milhões.

6. Faça um planejamento tributário

Trata-se de uma estratégia contábil que analisa o negócio visando identificar as melhores maneiras de reduzir a carga tributária. É importante realizar um planejamento tributário adequado para encontrar as melhores soluções fiscais e contábeis para o seu negócio.

Os impostos básicos pagos por médicos são:

  • INSS: Instituto Nacional do Seguro Social
  • IRRF: Imposto de Renda Retido na Fonte
  • ISS (ou ISSQN): Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza

7. Faça um orçamento e acompanhe suas despesas

Ter um orçamento claro e acompanhar suas despesas é fundamental para manter as finanças da sua prática médica saudáveis. Certifique-se de incluir todas as despesas fixas operacionais, como aluguel, contas de luz e água, salários de funcionários e despesas com marketing — que são pagas todo mês —, além de prever uma reserva de emergência para eventuais imprevistos.

8. Invista em um software de contabilidade

Sistemas de gestão contábil são muito úteis para ajudar os médicos a gerenciar suas finanças de forma mais eficiente. Um software de contabilidade pode auxiliá-lo, por exemplo, a manter registros precisos e gerar relatórios financeiros úteis para tomar decisões informadas sobre sua prática.

9. Busque por incentivos fiscais

Existem algumas formas de obter incentivos fiscais para médicos, como por exemplo, por meio de programas governamentais e isenções fiscais em determinadas áreas ou atividades.

Além disso, é importante estar atento às possibilidades de incentivos fiscais disponíveis e verificar se seu negócio se qualifica para algum deles.

10. Contrate um contador ou um consultor fiscal

Se você não se sente confiante em gerenciar suas próprias finanças, considere contratar um profissional de contabilidade ou consultor fiscal. Eles podem ajudá-lo a manter as finanças da sua prática médica em ordem e garantir que você esteja cumprindo todas as obrigações fiscais.

Além disso, existem certas situações nas quais a assinatura de um contador é obrigatória, como para usufruir de certos incentivos e deduções fiscais.

11. Entenda a declaração de imposto de renda para médicos

Até aqui você já viu várias dicas de gestão financeira para médicos, a última delas é sobre a declaração do imposto de renda para médicos pode variar dependendo do regime de trabalho adotado. Veja em quais casos se enquadrar!

Pessoa Jurídica (PJ)

Se você trabalha como médico com CNPJ, é necessário declarar dois tipos de imposto de renda: o do seu consultório médico (empresa) e a sua como pessoa física. No primeiro caso, informe a receita bruta e as despesas dedutíveis, tais como aluguel, água, luz, telefone, material de consumo, recibos que emitiu para pacientes, custos e recebíveis de planos de saúde conveniados, entre outros.

Já na declaração como pessoa física, informe os rendimentos que recebeu da empresa como pró-labore — a remuneração que você recebeu como sócio ou diretor da empresa. Além disso, informe outras fontes de renda, como aluguéis, por exemplo, e bens que possui, como imóveis e automóveis.

Autônomo ou CLT

Se você trabalha como médico autônomo ou CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas) — com carteira de trabalho assinada — é necessário declarar apenas o imposto de renda como pessoa física.

Nessa declaração, você deve informar os seus rendimentos recebidos como autônomo, incluindo os valores pagos pelos pacientes e pelos convênios médicos. Além disso, é preciso informar outras fontes de renda, como aluguéis, por exemplo, e seus bens.

Gostou do conteúdo?

Nesse artigo, você conferiu as dicas mais importantes sobre contabilidade para médicos. Por fim, relembramos que quanto maior for o crescimento da sua clínica, maior será a sua necessidade de contar com profissionais do ramo de contabilidade, afinal, estar em dia com suas obrigações fiscais é fundamental para o sucesso do seu negócio.

Agora, nos siga em nossas redes sociais e veja novos conteúdos da Afya Educação Médica, ex-IPEMED em seu feed assim que forem publicados. Estamos no Facebook, Instagram, LinkedIn e YouTube.

Autor(a)

Os médicos que leram esse post, também leram:

Todos os Posts