Como montar um currículo de Medicina ideal?

Saber montar um bom currículo de Medicina é tarefa obrigatória para qualquer médico que deseja se destacar na profissão. Mesmo que você ainda não tenha muita experiência prática, é possível enriquecer o documento com cursos, atividades extracurriculares, publicações científicas, participação em projetos, entre outros.

Vale também destacar que o modelo ideal pode variar de acordo com o seu objetivo: residência, especialização, etc. Foi pensando nisso que preparamos este artigo com diversas dicas para você montar um currículo de destaque. Acompanhe conosco!

O que um bom currículo de Medicina deve conter?

De acordo com uma pesquisa feita pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), é a partir do quinto e sexto períodos que os alunos começam a se preocupar com o currículo. No entanto, o ideal é que os estudantes invistam em cursos e participem de ligas, projetos e eventos, por exemplo, desde os primeiros anos da faculdade.

Como já foi dito, o modelo ideal pode variar de acordo com os seus objetivos pessoais. Se você é recém-formado, entretanto, o recomendado é que o currículo dê ênfase às atividades desenvolvidas durante a graduação.

Dessa forma, é importante destacar projetos e pesquisas de que você tenha participado, principalmente aqueles relacionados à área desejada. A seguir, confira algumas dicas para fazer com que o seu currículo se destaque em meio à concorrência.

Currículo para atuação profissional

Muitos estudantes preferem ir direto para o mercado de trabalho após formados. Além da independência financeira, quem escolhe esse caminho consegue iniciar a prática clínica mais cedo e, com isso, garantir experiência e pontos para o currículo. Além disso, o aluno ganha mais tempo para estudar e preparar-se para uma residência médica.

No entanto, como construir um currículo chamativo para conseguir entrar no mercado?

Bom, o primeiro passo é eleger as principais atividades de que você participou durante a faculdade. Aqui, vale salientar a importância de envolver-se em práticas variadas. Muitos estudantes, almejando a titulação em determinada especialidade, acabam colaborando somente com projetos relacionados à área que desejam seguir.

No entanto, essa não é uma boa prática — principalmente se o objetivo do estudante for ir direto para o mercado de trabalho. Nesse cenário, elenque atividades diversas e que lhe acrescentaram conhecimentos relevantes, como:

  • ligas acadêmicas;
  • projetos de extensão;
  • projetos de pesquisa;
  • cursos de idioma;
  • intercâmbios e cursos no exterior, entre outros.

Além disso, muitos examinadores levam em consideração as habilidades de comunicação do médico no momento da contratação. Por isso, vale mencionar algumas apresentações de trabalho e atividades em grupo, como:

  • apresentação de pesquisas em congressos acadêmicos;
  • atividades desenvolvidas em saúde coletiva, etc.

Currículo para residência médica

As dicas para montar um currículo para um programa de residência são bem parecidas com as anteriores. No entanto, existem algumas particularidades a serem consideradas pelo profissional.

Durante uma análise curricular, geralmente, tudo é contabilizado em pontos. Por exemplo, estágios de até 100 horas podem valer 1 ponto, publicações científicas, mais 1, e assim por diante. Por isso, é importante elencar o máximo de informações possíveis — sem exageros, é claro. Só coloque aquilo que realmente for pertinente. Além dos estágios, as publicações e iniciações científicas costumam agradar bastante os examinadores. Assim, coloque essas informações e explique brevemente cada uma delas.

Conhecimentos em informática e língua estrangeira também são diferenciais muito interessantes. Nesse sentido, os certificados de proficiência — como o TOFFEL e o ECCE — têm bastante peso. Depois de destacar esses dados, você pode colocar as demais informações sobre sua experiência. Assim, um bom currículo para residência médica deve conter:

  • estágios;
  • iniciação científica e publicações;
  • cursos de idiomas e informática;
  • intercâmbio;
  • participação em eventos, plantões e ligas;
  • monitorias;
  • projetos de extensão, etc.

Outra forma de garantir mais pontos perante os organizadores é pedir para um professor fazer uma carta de recomendação. Nessa hora, tente escolher um profissional da mesma área em que você almeja atuar.

Currículo para quem já é especialista

Se você já é um especialista, os pormenores acadêmicos da graduação não devem receber tanto destaque no currículo. Aqui, o mais importante é mencionar a instituição em que você realizou a residência — ou a sociedade de especialidade médica que aplicou a prova de título e reconhece sua titulação.

No entanto, cursos de idiomas e informática, estágios, publicações científicas, intercâmbios e outras atividades devem continuar aparecendo no documento.

Currículo para quem fez pós-graduação Lato Sensu

Sem dúvidas, os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu são grandes diferenciais para os médicos que desejam se destacar na carreira. Se você tem essa qualificação, portanto, é importante que a informação ganhe destaque no currículo.

A instituição onde você realizou o curso também merece ênfase, principalmente se ela for referência no mercado. Nesse momento, lembre-se de que a faculdade deve ser reconhecida pela Associação Médica Brasileira (AMB) e pelo Conselho Federal de Medicina (CFM).

Se, durante a pós, você fez cursos no exterior, publicou artigos científicos e realizou aulas práticas em clínicas e hospitais importantes, por exemplo, não se esqueça de mencionar essas informações.

E se você ainda não tem uma pós, saiba que ela é uma excelente ferramenta para enriquecer o seu currículo. Afinal, as aulas qualificam o médico com conhecimentos práticos e teóricos, agregam tempo de atuação e contribuem para preparar o profissional para as provas de título.

Quais as dicas finais?

Agora que você aprendeu o que um bom currículo de Medicina deve conter, chegou o momento de conhecer dicas mais abrangentes que também merecem destaque.

Dados pessoais

Mantenha os seus dados pessoais (nome completo, idade, telefone e e-mail) sempre atualizados. Embora pareça uma dica simples, é comum que as pessoas se esqueçam de modificar o currículo quando se deslocam de uma cidade para outra, por exemplo.

Por isso, cheque com frequência o seu documento e certifique-se de que todas as informações (incluindo datas de entrada e saída de empregos) estão atualizadas.

Tamanho do currículo

É comum que os candidatos se preocupem com o tamanho do currículo. No entanto, se você está iniciando a sua carreira agora, não se desespere. Isso não será tão relevante.

Não precisa encher o documento de informações desnecessárias só para ocupar espaço. Seja sucinto, explique brevemente cada tópico, e só coloque aquilo que realmente for relevante.

Idiomas

Não fale que você tem conhecimento avançado em determinado idioma se as suas habilidades forem intermediárias, certo? Lembre-se de que você poderá ser testado em uma entrevista e, se perceberem que você mentiu, sua reputação ficará arruinada.

Voluntariado

Os trabalhos voluntário e humanitário costumam agradar praticamente todos os recrutadores. Por isso, se você já fez algo do tipo, não deixe de colocar essa informação no currículo, além de explicar brevemente como era a sua função.

Viu como montar um currículo de Medicina é mais fácil do que você imagina? A tarefa fica ainda mais simples se você foi um aluno esforçado e proativo, que participou de diversos cursos, projetos e atividades.

Além de ter um bom currículo, o médico que deseja ter sucesso deve prestar atenção a outros aspectos profissionais. Por isso, leia o nosso post e confira 7 dicas para se destacar na profissão!

Autor(a)

Os médicos que leram esse post, também leram:

Todos os Posts