Cirurgia Cardiovascular: entenda como atuar na área

A Cirurgia Cardiovascular está entre as especialidades mais complexas da Medicina, já que envolve todo tipo de intervenção pouco ou bastante invasiva para o tratamento de doenças e traumas do coração. Por esse motivo, o profissional que decide por essa carreira precisa passar por uma intensa preparação que envolve muita prática e estudo.

A Cirurgia Cardiovascular tem grande valor quando o assunto é interromper emergências médicas, bem como conter avanço de doenças cardiovasculares, e assim promover a manutenção da vida.

Se você tem interesse pela Cirurgia Cardiovascular, fique conosco na leitura deste artigo em que trazemos várias informações sobre a atuação profissional, dados do mercado de trabalho, oportunidades e o que é preciso para se tornar um cirurgião cardiovascular!

O que é a Cirurgia Cardiovascular?

A Cirurgia Cardiovascular abrange qualquer procedimento cirúrgico que envolve o coração ou os vasos sanguíneos que transportam sangue para o coração. Esses procedimentos são comuns em pacientes com doenças do coração ou que tiveram ataque cardíaco, acidente vascular cerebral ou coágulo sanguíneo, bem como em indivíduos com alto risco de desenvolver esses problemas.

Embora a cirurgia cardiovascular nem sempre seja necessária para tratar problemas cardíacos, os médicos podem recomendá-la por vários motivos, incluindo:

  • tratamento ou prevenção de ataques cardíacos e coágulos sanguíneos;
  • batimentos cardíacos irregulares;
  • abertura de artérias bloqueadas ou estreitadas;
  • reparação de problemas cardíacos, congênitos ou não;
  • restauração ou substituição de válvulas cardíacas.

Algumas condições cardiovasculares requerem cirurgia aberta, mas muitas são tratadas com técnicas menos invasivas que utilizam cateteres e robótica. Os pacientes de cirurgia cardiovascular são atendidos por uma equipe de saúde que inclui médico de atenção primária, cardiologista, cirurgião cardiovascular, anestesista e outros especialistas.

Diferença entre Cirurgia Cardiovascular e Vascular

A diferença entre as especialidades de Cirurgia Vascular e a Cardiovascular reside nas partes do corpo em que o cirurgião opera. Um cirurgião cardiovascular é um médico especialista qualificado para tratar e diagnosticar problemas do sistema cardiovascular ou cardíaco, e também pode ter qualificação para realizar determinados tratamentos.

Já o cirurgião vascular trabalha em todas as partes do corpo, exceto no cérebro ou no sistema cardiovascular. Para exemplificar, alguns dos procedimentos realizados pelo cirurgião vascular são os tratamentos cirúrgicos de varizes e reconstrução vascular de membros que tenham sofrido traumas.

Tipos de cirurgia cardiovascular

É possível tratar muitas doenças cardíacas com técnicas minimamente invasivas, embora algumas exijam acesso direto ao coração por meio de cirurgia aberta. Confira algumas das principais cirurgias cardiovasculares:

Cirurgia cardíaca congênita em adultos

É a cirurgia corretiva para reparar defeitos cardíacos presentes desde o nascimento e que não necessitaram de tratamento até a idade adulta.

Aneurisma da aorta e reparo de dissecção

Cirurgia para corrigir saliência ou rupturas na artéria aorta (a principal artéria que transporta o sangue do coração para o corpo).

Ablação cardíaca

Usando energia quente ou fria, cria-se um tecido cicatricial. As pequenas cicatrizes bloqueiam os gatilhos elétricos anormais que causam batimentos cardíacos irregulares ou fibrilação atrial.

Cirurgia de revascularização miocárdica

A cirurgia de revascularização do miocárdio cria um novo caminho para o sangue fluir, no caso de as artérias coronárias ficarem bloqueadas.

Transplante de coração

O transplante de coração é a intervenção mais drástica para pacientes cujos corações não funcionam mais.

Reparo e substituição de válvula cardíaca

São procedimentos minimamente invasivos ou abertos para consertar válvulas cardíacas que se estreitaram ou estão vazando.

Miectomia

Em pessoas com cardiomiopatia hipertrófica, a técnica de miectomia é utilizada para remover áreas espessadas do tecido cardíaco.

Implantes de dispositivos de assistência ventricular

Um dispositivo de assistência ventricular é um dispositivo mecânico que ajuda o coração a bombear o sangue naqueles pacientes cujo órgão não consegue funcionar sozinho.

Qual seu impacto na saúde cardiovascular?

As doenças cardíacas permanecem no topo do pódio das doenças que mais matam no mundo ocidental. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a Cirurgia Cardiovascular tornou-se uma intervenção indispensável para tratar principalmente doenças isquêmicas, doença cardíaca, doença cardíaca congênita, doença cardíaca reumática e condições valvares e aórticas em adultos e crianças.

Para se ter uma ideia, segundo artigo publicado no Journal of Global Health Reports mais de 1 milhão de bebês nascem anualmente com doença coronariana. Porém, mais de 90% não têm acesso a tratamento apropriado. Se estes pacientes perderem a oportunidade de receber a cirurgia, muitas vezes morrem dentro de um ano ou sobrevivem e ficam gravemente incapacitados.

A mesma publicação afirma que “a esperança de vida estimada após a cirurgia cardíaca e a contribuição para a sociedade versus o fardo ao longo da vida das famílias e da sociedade sem acesso à cirurgia cardíaca é significativo”.

Como os cirurgiões cardiovasculares atuam no diagnóstico e tratamento de doenças cardíacas?

O médico habilitado em Cirurgia Cardiovascular tem o papel de diagnosticar e tratar as doenças estruturais cardiovasculares. Com base na Matriz de Competências – Cirurgia Cardiovascular, publicada pelo MEC, destacamos os seguintes pontos:

  • diagnosticar doenças do coração, por meio de exames clínicos, laboratoriais e de imagem indicados adequadamente;
  • analisar as características das lesões cardíacas e vasculares e como estão alterando as funções do organismo;
  • auxiliar no preparo pré-operatório a fim de diminuir os riscos na cirurgia;
  • avaliar riscos, vantagens e desvantagens para indicar ou contraindicar cirurgias;
  • dominar as técnicas cirúrgicas para cada tipo de lesão cardíaca e vascular;
  • diagnosticar as complicações mais comuns em uma cirurgia;
  • executar tarefas de complexidade durante as cirurgias, adquirindo habilidades psicomotoras;
  • compreender a epidemiologia das doenças cardiovasculares.

Qual o perfil do cirurgião cardiovascular no mercado de trabalho?

A Demografia Médica Brasileira 2023, publicação da Associação Médica Brasileira em conjunto da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), aponta a existência de 2.557 especialistas em Cirurgia Cardiovascular no Brasil.

Em relação a outras especialidades mais “comuns”, a Cirurgia Cardiovascular apresentou um tímido crescimento de 28,2% em dez anos. Entre os motivos para isso podem estar as exigências para se especializar na área, que até 2018 tinha como pré-requisito a especialização em Cirurgia Geral. Porém, isso mudou, como você verá adiante.

Agora, confira como é o perfil demográfico dos profissionais que atuam em Cirurgia Cardiovascular.

  • Idade: a maior parte dos cirurgiões cardiovasculares está na faixa etária dos 55 anos ou mais (42,6%). Já a menor parte tem menos de 35 anos (4,6%).
  • Gênero: esta é uma especialidade majoritariamente masculina, com 88,8% de homens e 11,2% de mulheres.
  • Região de atuação: a predominância de especialistas em Cirurgia Cardiovascular está nas regiões Sudeste (51,3%) e Sul (21,8%). Na sequência, aparecem o Nordeste (15,2%); Centro-Oeste (9%); e Norte (2,7%).

Quanto ganha o cirurgião cardiovascular?

Um dos maiores atrativos para se especializar em Cirurgia Cardiovascular é o salário. Segundo o site Salario.com.br, o teto salarial de um cirurgião cardiovascular é de R$ 16.157,53, com média salarial de R$ 6.027,53 para uma jornada de 32 horas.

A região que melhor remunera os profissionais é o Distrito Federal, com teto salarial de R$ 15.162,51 e média de R$ 10.033,23. Em seguida, aparecem Minas Gerais e São Paulo.

Contudo, esse valores podem mudar conforme o cargo que o profissional ocupa e a instituição para a qual trabalha. Hospitais como Albert Einstein e Rede d’Or pagam salários que variam entre R$ 11 mil e R$ 23 mil, segundo consta no site Glassdoor.

Como me tornar um cirurgião cardiovascular?

Para você entender mais sobre essa especialidade, é preciso comentar que a Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular (SBCCV) aprovou em 2018 uma mudança no programa de especialização.

Antes, era obrigatório se especializar em Cirurgia Geral para só então conseguir se especializar em Cirurgia Cardiovascular. Isso estava levando muitos alunos a desistirem no meio do caminho, gerando na SBCCV o receio de haver defasagem no número de profissionais em um futuro próximo.

Então, a partir daquele ano ficou instituído um programa de Cirurgia Cardiovascular com acesso direto, abolindo o pré-requisito da formação em Cirurgia Geral, com duração de cinco anos, após, é claro, de ter cumprido os seis anos de graduação em Medicina.

Rotina da pós-graduação em Cirurgia Cardiovascular

Agora, vamos explicar como é a rotina de aprendizados e experiências na pós-graduação em Cirurgia Cardiovascular. Confira!

Carga horária do programa

A maior parte da carga horária é voltada a estágios, plantões e aulas práticas, enquanto o restante é para atividades teóricas, como segue abaixo:

  • unidades de internação;
  • ambulatórios;
  • urgência e emergência;
  • métodos de imagem;
  • laboratório de técnica operatória;
  • centro cirúrgico;
  • atividades teóricas.

Áreas de estudo

Para atuar nesta especialidade, o médico precisa passar obrigatoriamente pelas áreas:

  • ambulatorial;
  • centro cirúrgico;
  • circulação extracorpórea;
  • cirurgia vascular periférica;
  • epidemiologia;
  • fisiopatologia;
  • laboratório de técnica operatória;
  • morfologia;
  • setor de diagnóstico (eletrocardiograma, ecocardiografia e hemodinâmica);
  • unidade de terapia intensiva com monitores fisiológicos e desfibriladores;
  • tratamentos para as cardiopatias e vasculopatias;
  • urgência e emergência.

Plantões e estágios

Os plantões e estágios permitem que o médico participe de inúmeras cirurgias e procedimentos. Como o foco é a cirurgia, os estágios e plantões favorecem a experiência desde nas cirurgias emergenciais, em que se atua com grupos distintos, até nas cirurgias de cardiopatia congênita, realizadas com rotinas bem organizadas.

Além disso, nos últimos anos é possível realizar estágios eletivos em outras instituições de ensino, inclusive no exterior.

Treinamento teórico

As aulas teóricas têm a função de complementar ou preparar o treinamento prático do cirurgião cardiovascular. Ademais, entre as exigências para se tornar um cirurgião cardiovascular pode estar a publicação de artigos científicos, sobretudo nas instituições em que há forte viés em pesquisa.

Prova de títulos

Ao final da pós-graduação – exceto para a modalidade de residência médica –, para se tornar definitivamente um cirurgião cardiovascular é necessário realizar as provas de títulos na Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular (SBCCV) em convênio com a Associação Médica Brasileira (AMB). Para tanto, é preciso ficar de olho na abertura dos editais e prazos de inscrição. Confira aqui o último edital.

Quais as oportunidades de atuação na área?

Uma dúvida muito frequente sobre a atuação do cirurgião cardiovascular é se ele só se dedica à cirurgia ou, também, mantém a rotina de consultório. Embora seja possível trabalhar exclusivamente em cada uma dessas áreas, na atualidade se vê uma tendência de atuação em ambas ou mais, como a pesquisa e o ensino.

Então, dê uma olhada nas principais oportunidades na área de Cirurgia Cardiovascular.

Cirurgia cardíaca

Talvez a área mais popular, a cirurgia cardíaca diz respeito aos procedimentos cirúrgicos no coração e nos grandes vasos, reparação de defeitos congênitos do coração, ponte de safena, troca de válvulas cardíacas, implante de marca-passo e desfibriladores para manutenção das funções normais do coração, entre outras.

Transplante cardíaco

Atuação junto às equipes envolvidas no processo de transplante do coração. Ela inclui desde as avaliações e preparos pré-operatórios, a cirurgia de transplante, até o acompanhamento pós-operatório e complicações pós-cirúrgicas.

UTI cardiovascular

Na UTI cardiovascular, o médico acompanha o processo pós-operatório de pacientes que passaram por cirurgias cardíacas, eventualmente tratando ou revertendo complicações que possam aparecer.

Cardiologia clínica

A Cardiologia clínica engloba a atuação do cirurgião cardiovascular no consultório ou em hospitais, fazendo o acompanhamento clínico de pacientes cardíacos. Seu trabalho é diagnosticar as patologias, propor formas de tratamento e assistir à evolução do quadro.

Pesquisa, ensino e extensão

O cirurgião cardiovascular também pode atuar em centros de pesquisa e institutos científicos, no desenvolvimento de novas tecnologias, formas de tratamento e técnicas para solucionar doenças cardiovasculares. Além disso, pode atuar como professor universitário ― desde que obtenha títulos de mestre e/ou doutor, conforme a exigência da faculdade na qual pretende lecionar.


E então, será que a Cirurgia Cardiovascular é para você?

Como você viu, a Cirurgia Cardiovascular é uma das especializações da Medicina mais requisitadas e necessárias, especialmente no contexto atual em que as doenças cardíacas figuram como a principal causa de morte no mundo.

Porém, é uma das áreas mais exigentes e você precisa se preparar, não apenas cursando uma pós-graduação, mas sabendo da importância de se atualizar o tempo todo, conforme vão surgindo as evoluções científicas.

Quer saber mais informações e novidades sobre a área da saúde em primeira mão? Assine a nossa newsletter e receba conteúdos exclusivos no seu e-mail!

Autor(a)

Os médicos que leram esse post, também leram:

Todos os Posts