Quais são as características da dermatoscopia dos tumores benignos?

Autor(a)

Para falar sobre as primeiras elementares e dermatoses mais frequentes da pele, do cabelo e da unha, a equipe IPEMED preparou uma série de artigos que incluem algumas das dermatoses e tumores comuns na prática dermatológica, além de abordar os temas mais recentes em dermatoscopia. Serão 8 posts no blog, divididos por temas.

Este é o quarto post da série, escrito pelo professor Dr. Ricardo Kitamura. Confira abaixo:

O exame dermatoscópico

O exame dermatoscópico é um instrumento largamente utilizado dentro do consultório do dermatologista, que nos permite visualizar in vivo as estruturas das lesões cutâneas e assim nos auxiliar para uma melhor acurácia do diagnóstico. A dermatoscopia é útil para distinguir lesões não melanocíticas pigmentadas de lesões melanocíticas benignas e malignas. Existem recursos específicos que ajudam a distingui-los. A observação cuidadosa resultou na descrição da dermatoscopia de muitas lesões não pigmentadas, incluindo os tumores benignos de pele.

Dermatoscopia das lesões vasculares

As características dermatoscópicas dos hemangiomas ou angiomas são:

  • Coloração e lagos vermelho-azulados;
  • Áreas homogêneas vermelho-azulado-preto (quando trombosados).

O hemangioma reativo, ou granuloma piogênico, tem uma borda ou colarete queratinizada distinta. Estruturas vasculares geralmente estão presentes, mas não há um padrão lacunar claro. 'Linhas ferroviárias' lineares brancas são frequentemente apresentadas. Nem sempre é possível distinguir o hemangioma reativo do melanoma amelanótico.

Por isso, o anatomopatológico pode auxiliar na distinção do diagnóstico.A malformação linfática cutânea (anteriormente chamada de linfangioma circunscrito) tem lacunas amareladas, às vezes tingidas de sangue.O sarcoma de Kaposi sob microscopia polarizada é caracterizado por padrão de arco-íris multicolorido em associação com coloração vermelho-azulada, descamação e pequenos glóbulos marrons. O padrão arco-íris é ocasionalmente visto no melanoma e em outras lesões cutâneas.

Dermatoscopia dos hemangiomas

Angioma Rubi
Angioma Rubi
Angioma Rubi
Angioma Rubi
Hemangioma

Dermatoscopia de dermatofibroma

O dermatofibroma, também conhecido como histiocitoma, é geralmente fácil de diagnosticar clinicamente por conta de uma consistência fibrosa firme e ondulações na superfície à compressão (Sinal da Tenda).Normalmente, a dermatoscopia de um dermatofibroma mostra uma rede tênue ou pseudo-rede ao redor de uma área amorfa pálida. Às vezes, a área branca central tem linhas brancas e buracos marrons (rede negativa).

Estruturas cristalinas, ou seja, linhas brancas brilhantes, são comumente vistas na dermatoscopia polarizada do dermatofibroma. O dermatofibroma hemossiderótico (incomum) é composto por numerosos vasos pequenos, eritrócitos extravasados e depósitos de hemossiderina intra e extracelular. A dermatoscopia revela padrão multicomponente com área central homogênea azulada ou avermelhada em combinação com estruturas brancas ou amareladas e delicada rede pigmentar periférica. Raramente, um padrão de arco-íris pode ser observado.

Dermatoscopia do dermatofibroma

Dermatofibroma
Dermatofibroma

Sinal de ondulação (dermatofibroma)

Dermatofibroma
Dermatofibroma

Dermatofibroma

Dermatofibroma - sinal da tenda
Dermatofibroma - sinal da tenda

Dermatoscopia do neurofibroma

O tipo mais comum de neurofibroma solitário é frequentemente diagnosticado clinicamente como nevo dérmico ou sinal cutâneo. São pápulas ou nódulos de consistência suave a firme. A dermatoscopia revela um nódulo sem grandes características dignas de nota.

Dermatoscopia do neurofibroma

Neurofibroma

Neurofibroma
Neurofibroma

Neurofibroma

Neurofibroma
Neurofibroma

Dermatoscopia da ceratose liquenóide

A inflamação liquenóide que afeta um lentigo solar ou ceratose seborreica geralmente resulta na destruição localizada de melanócitos e melanina livre na derme ou melanina nos melanófagos. Eles aparecem como áreas granulares de pontos cinza. Pontos cinzentos também podem ser vistos normalmente no melanoma. No entanto, a ceratose liquenóide não tem rede pigmentar e geralmente há áreas amorfas com ou sem superfície queratinosa e /ou o

Dermatoscopia de poroceratose

A poroceratose é caracterizada por uma lamela cornóide ao redor da lesão. Às vezes, o tampão folicular não é bem visualizado.

Dermatoscopia da poroceratose

[gallery ids="1821,1822,1823,1824"]

Dermatoscopia da hiperplasia sebácea

A hiperplasia sebácea é caracterizada por lóbulos amarelos e pálidos ao redor de uma abertura folicular central. A Telangiectasia é comum, mas tende a ser uniforme, em contraste com os vasos irregulares arboriformes vistos no carcinoma basocelular.

Dermatoscopia das verrugas virais

As verrugas virais são lesões queratinolíticas com uma estrutura lobular, às vezes com um capilar central trombosado dentro de cada lóbulo. Os dermatóglifos normais são interrompidos. Alguns têm uma estrutura papiliforme. Em contraste, um milium tem um núcleo central translúcido e um calo é hiperceratótico, sem outras características distintivas.

Dermatoscopia de cistos

A inspeção detalhada de um cisto mostrará a abertura folicular.

Dermatoscopia do acantoma de células claras

O acantoma da célula clara é um tumor epidérmico benigna incomum com características dermatoscópicas. Existem vários vasos pontilhados ou dispostos em linha como um colar de pérolas.

Dermatoscopia de tricoepitelioma

Trichoepithelioma e Trichoadenoma são tumores benignos do folículo piloso. A dermatoscopia destas lesões geralmente mostra vários torrões brancos de diâmetro variável (cistos semelhantes à milia). Isso permite que eles sejam distinguidos do carcinoma basocelular na maioria das ocasiões.

Dermatoscopia de tumores benignos do folículo piloso

Dermatoscopia do tricoepitelioma

Dermatoscopia da ceratose seborreica

As ceratoses seborreicas geralmente revelam características dermatoscópicas que são bastante específicas para o diagnóstico. No entanto, às vezes, as lesões melanocíticas, especialmente nevos dérmicos, nevos congênitos, nevos de Spitz e melanoma nodular, podem ter características semelhantes e podem ser tão difíceis de distinguir das ceratoses seborreicas, tanto na dermatoscopia quanto clinicamente. As ceratoses seborreicas podem ter estrutura irregular e múltiplas cores (cor da pele, rosa, cinza, amarelo, acastanhada, marrom escuro, preto, azulado).As características dermatoscópicas típicas incluem:

  • Pseudocistos;
  • Pseudo-abertura folicular;
  • Fissuras e criptas irregulares;
  • Glóbulos azul-acinzentados;
  • Estruturas paralelas semelhantes a impressões digitais em marrom claro;
  • Padrão cerebriforme;
  • Borda em “roído de traça” ou "geléia" podem ser consideradas.

Também pode haver uma rede fraca ou pseudo-rede. Os vasos sanguíneos podem ser proeminentes em algumas ceratoses seborreicas, tendendo a surgir como minúsculos capilares em forma de grampo de cabelo rodeados por um halo dentro de um lóbulo.

Gostou do conteúdo? Confira aqui os outros artigos da Dermatologia em Série

Texto Elaborado por: Dr. Ricardo Kitamura

Especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia e AMB. Especialista em Dermatocosmiatria pela Faculdade de Medicina do ABC. Fellow em Implante Capilar na Técnica FUE pelo Grupo MCI- Buenos Aires. Preceptor da Pós-Graduação em Dermatologia, Dermatologia Estética e Tricologia do IPEMED.

Referências Bibliográficas
  • Arpaia N, Cassano N, Vena GA. Dermoscopic patterns of dermatofibroma. Dermatol Surg. 2005 Oct;31(10):1336-9. Medline.
  • Bergman R, Sharony L, Schapira D, Nahir MA, Balbir-Gurman A. The handheld dermatoscope as a nail-fold capillaroscopic instrument. Arch Dermatol. 2003 Aug;139(8):1027-30. Medline.
  • Braun RP, Rabinovitz HS, Krischer J, Kreusch J, Oliviero M, Naldi L, Kopf AW, Saurat JH. Dermoscopy of pigmented seborrheic keratosis: a morphological study. Arch Dermatol. 2002 Dec;138(12):1556-60. Medline.
  • Chaos and Clues. An Algorithm for the Diagnosis of Malignancy (any type) in Pigmented Skin Lesions by Dermatoscopy. Rosendahl C, Cameron A, Tschandl P, Bulinska A, Gourhant JY, Kittler H. PDF file from cliffrosendahl(at sign)bigpond.com
  • Cheng ST, Ke CL, Lee CH, Wu CS, Chen GS, Hu SC. Rainbow pattern in Kaposi's sarcoma under polarized dermoscopy: a dermoscopic pathological study. Br J Dermatol. 2009 Apr;160(4):801-9.
  • Felder S, Rabinovitz H, Oliviero M, Kopf A. Dermoscopic differentiation of a superficial basal cell carcinoma and squamous cell carcinoma in situ. Dermatol Surg. 2006 Mar;32(3):423-5. Medline.
  • Huerta-Brogeras M, Olmos O, Borbujo J et al. Validation of dermoscopy as a real-time noninvasive diagnsotic imaging technique for actinic keratosis. Arch Dermatol 2012;148:1159-1161
  • Leal ABR, Vengas RQ, Espinosa AED. Dermatoscopia de las queratosis seborreicas y sus diferentes caras. Dermatol Rev Mex 2012;56(3):193-200
  • Sahin MT, Ozturkcan S, Ermertcan AT, Gunes AT. A comparison of dermoscopic features among lentigo senilis/initial seborrheic keratosis, seborrheic keratosis, lentigo maligna and lentigo maligna melanoma on the face. J Dermatol. 2004 Nov;31(11):884-9. Medline.
  • Zalaudek I, Argenziano G, Di Stefani A, Ferrara G, Marghoob AA, Hofmann-Wellenhof R, Soyer HP, Braun R, Kerl H. Dermoscopy in general dermatology. Dermatology. 2006;212(1):7-18. Medline.
  • Zalaudek I, Argenziano G, Leinweber B, Citarella L, Hofmann-Wellenhof R, Malvehy J, Puig S, Pizzichetta MA, Thomas L, Soyer HP, Kerl H. Related Articles, Links Abstract Dermoscopy of Bowen's disease. Br J Dermatol. 2004 Jun;150(6):1112-6. Medline
  • Zalaudek I, Ferrara G, Leinweber B, Mercogliano A, D'Ambrosio A, Argenziano G. Pitfalls in the clinical and dermoscopic diagnosis of pigmented actinic keratosis. J Am Acad Dermatol. 2005 Dec;53(6):1071-4. Medline.

Os médicos que leram esse post, também leram:

Todos os Posts