Alergologia: o que você precisa saber sobre esta área

Autor(a)

Especializar-se como alergista requer amplo conhecimento em vários aspectos que incluem o funcionamento do organismo e seu sistema imunológico. Essa área da medicina, ainda que bastante promissora para o especialista, exige muito aprofundamento em seu conteúdo. Para você que está avaliando a possibilidade de cursar alergologia, preparamos este post com informações sobre a formação desse especialista. Confira o conteúdo e tire suas dúvidas!

O que é alergologia?

A alergologia atua no diagnóstico e no tratamento das doenças de cunho alérgico. Essa é a área dos médicos que se especializam em alergia e imunologia. Embora a especialidade tenha esse nome, os dois conceitos são diferentes. Entretanto, o especialista precisa, além de conhecer o tratamento das doenças alérgicas, dominar o funcionamento do sistema imunológico.

Assim, será capaz de diagnosticar e medicar todas as suas alterações. Ele se capacita, portanto, a identificar e cuidar de doenças alérgicas, como rinites, sinusites, dermatites, males ocupacionais e imunodeficiências primárias, entre outras. O médico alergista aprende a avaliar o quadro clínico do paciente e entender os mecanismos das doenças alérgicas.

Dessa forma, ele pode diagnosticar precisamente cada caso, com base em seu conhecimento teórico e prático. Em sua atuação, cabe:

  • conhecer o histórico de alergia do paciente e realizar exames físicos;
  • solicitar e interpretar exames laboratoriais relacionados à sua área;
  • realizar testes cutâneos e de contato;
  • testar possíveis causadores de doenças alérgicas e imunológicas;
  • prestar aconselhamento quanto a alérgenos e irritantes;
  • avaliar testes de função pulmonar e de marcadores inflamatórios;
  • realizar imunoterapia específica com alérgenos e venenos;
  • conduzir tratamento farmacológico de transtornos alérgicos;
  • procurar meios para reduzir a exposição do paciente a alérgenos;
  • realizar terapia imunomoduladora;
  • conduzir a dessensibilização a medicamentos e alimentos;
  • educar pacientes, cuidadores e médicos de atendimento primário aos pacientes alérgicos.

Alergologia e imunologia são a mesma coisa?

Embora andem de mãos dadas, as duas áreas não são sinônimas. Enquanto a alergologia estuda as doenças alérgicas e seu tratamento, a imunologia investiga os mecanismos biológicos do organismo que são responsáveis pela defesa contra agentes externos. Essa área é voltada para o estudo específico do sistema imunológico e das doenças que decorrem das alterações em seu funcionamento normal. Aqui, estão incluídas as imunodeficiências, as alergias e as doenças autoimunes.

Qual o perfil de um bom alergista?

A atuação em alergologia requer um grande conhecimento na área. Isso inclui saber, entre outros, sobre:

  • as células efetoras que atuam na doença alérgica;
  • as moléculas envolvidas na resposta imunológica;
  • as principais reações de hipersensibilidade;
  • os testes diagnósticos para alergia e sua interpretação;
  • a epidemiologia das doenças alérgicas;
  • as manifestações da doença;
  • os fatores de risco de progressão das doenças alérgicas.

Assim, esse profissional precisa dominar ao máximo o conhecimento básico da clínica médica, da imunologia, da imunoterapia e das afecções alérgicas É importante que ele saiba fazer diagnósticos diferenciais entre doenças alérgicas e as demais afecções, bem como conheça doenças capazes de mimetizar ou de se sobrepor à alergia.

Ele deve reconhecer o peso dos desencadeantes externos e ter experiência suficiente nas terapias imunológicas e nos fármacos apropriados ao tratamento. Essa expertise faz do alergista um profissional certeiro, que é eficiente no diagnóstico e no tratamento das alergias. Isso é o que pode destacá-lo de outros profissionais do segmento.

O que esperar da prova de título em alergologia?

Basicamente, é preciso que o candidato saiba reconhecer as doenças alérgicas com profundidade. Ele também deve saber sobre imunologia aplicada às doenças alérgicas, imunodeficiência primária e doenças autoimunes. A prova se divide em três temas amplos. Confira!

1. Alergia

Requer conhecimentos dos mecanismos de hipersensibilidade e exames complementares para o diagnóstico de alergias em pacientes de todas as idades. Aqui,  incluem-se os testes cutâneos e de contato, a prova de função pulmonar e outros. Entre as afecções abordadas na prova, estão:

  • asma ocupacional;
  • pneumonites de hipersensibilidade;
  • alergias alimentares em adultos e crianças;
  • urticária e angioedema;
  • alergias oftálmicas;
  • dermatites de contato.

Os tratamentos também são abordados na prova teórica (que é feita no mesmo dia e local do exame teórico-prático), incluindo as imunoterapias e as inovações no âmbito terapêutico.

2. Imunologia clínica

A abordagem se inicia no desenvolvimento do sistema imunológico da criança e passa pela avaliação laboratorial da resposta imune. A própria Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI) fornece uma lista de fontes de pesquisa, especificando a bibliografia para estudo. Tanto as imunodeficiências primárias e secundárias quanto os sinais de alerta para pesquisá-las estão incluídos no programa, com suas bases genéticas, seus diagnósticos e suas características clínicas. Cabe citar ainda os distúrbios imunológicos e as doenças autoimunes.

Para aprovação, o candidato precisa apresentar resultado mínimo de 70 pontos, divididos entre as provas teórica e teórico-prática e o CV, com pesos respectivos de 40%, 40% e 20%. A aprovação é divulgada no site da associação e uma correspondência é enviada para cada candidato aprovado.

3. Imunologia básica

Como mencionado, a imunologia tem um papel extremamente relevante na formação do alergista. Por isso, ela tem tanto espaço na prova de títulos de sua especialidade. Assim, também é preciso conhecer bastante sobre resposta imune, anticorpos, antígenos, imunidade inata e regulação da resposta autoimune, além de outros temas relativos à imunologia básica.

Há futuro na carreira de um alergista?

Quando se busca por informações sobre o tema, a absoluta maioria das notícias aponta para aumento dos casos de alergia. Essa informação é confirmada pela ASBAI, que relata acréscimo no número de casos de alergias, bem como de sua complexidade e gravidade. No mundo inteiro, cerca de 300 milhões de pessoas sofrem de asma — e esse número deve aumentar para 400 milhões até 2025, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

E isso não se limita à asma: as alergias alimentares e medicamentosas também têm tomado proporções crescentes, graças às mudanças no estilo de vida das pessoas e ao surgimento de novas terapias naturais para as doenças em geral. Assim, existe uma demanda enorme de pacientes buscando por atendimento especializado. E, além disso, o campo de atuação do alergista é muito vasto, o que permite que o médico escolha áreas específicas para se aprofundar e valorizar ainda mais sua formação, obtendo sucesso e renome em seu meio.

Agora, você tem uma visão abrangente sobre a formação do alergista, sua especialização e sua atuação. Para saber ainda mais, baixe o manual do aluno da IPEMED e entenda tudo sobre a pós-graduação em alergologia e como ela pode fortalecer seus conhecimentos e prepará-lo para para a prova de títulos.

Os médicos que leram esse post, também leram:

Todos os Posts