Afinal, como está o mercado de trabalho na Medicina?

Ingressar em uma profissão é algo que depende de vários fatores. Há pessoas que são totalmente guiadas por sonhos, aspirações e paixões. Outras, mais racionais, preferem observar questões como a remuneração obtida na área, possíveis segmentos de trabalho e, claro, detalhes sobre o mercado atual.

Se você atua na Medicina ou está pensando em fazer parte desse mundo, boas notícias: há vários campos em crescimento, mesmo que alguns já apresentem uma certa saturação em determinados pontos.

Quer saber quais são eles e descobrir como anda o mercado de trabalho na Medicina? Então, continue a leitura, tire as suas dúvidas e veja quais são as áreas mais promissoras para os médicos do futuro!

Como está o panorama de entrada de novos médicos no mercado?

Um dos aspectos que deve ser avaliado é a entrada de novos profissionais no mercado. A abertura de novos cursos de Medicina, assim como a facilitação para o ingresso de muitas pessoas nessa graduação (com a implementação de bolsas e programas governamentais de financiamento) são fatores que contribuem para esse cenário.

De acordo com o documento Demografia Médica, de 2023, houve um aumento substancial no número de profissionais médicos no Brasil nos últimos anos. No começo de 2023, a contagem era de 562.229 profissionais inscritos nos conselhos regionais do país.

Em 2000, pouco mais de duas décadas antes, o número era de 219.896. Ou seja: o número mais do que dobrou, apesar de um crescimento menor em relação ao número de brasileiros, que subiu apenas 27% no mesmo período.

Atualmente, o número de médicos a cada 1.000 pacientes, no Brasil, é de 2,6. No entanto, essa razão ainda está muito aquém da demanda populacional brasileira, especialmente quando consideramos a atuação desses profissionais em pontos específicos do nosso território. Em breve, falaremos mais sobre isso.

Quais são as características do profissional de Medicina atualmente?

O profissional da Medicina atual certamente não é o mesmo que era há 30, 20 ou até mesmo 10 anos atrás. A Medicina está mudando e, com ela, é preciso que os profissionais acompanhem tais tendências a fim de se manterem ativos no mercado.

Um dos principais pontos de atenção é a questão da humanização no atendimento médico. Se o profissional da Medicina antes era visto com distanciamento, hoje é recomendado olhar o paciente “de igual para igual”, demonstrar empatia e saber não só falar a linguagem dos indivíduos, mas também ouvi-los e interpretar o que está sendo dito.

Se antes o paciente era visto como um sintoma (ou um conjunto deles) que devia ser resolvido, hoje a Medicina Integralista também está em alta. Junto com a humanização, ela permite que o indivíduo seja visto como um todo, permitindo que o clínico considere as suas particularidades e escolhas na hora de tomar decisões terapêuticas.

A questão da tecnologia também é muito forte. Então, o médico de hoje em dia é aquele que está atento às tendências e inovações de recursos tecnológicos. O foco é trazer um atendimento mais eficiente e unir as novidades à questão da humanização: a chamada Saúde 5.0.

Como está o mercado de trabalho para Medicina no Brasil?

Agora, confira alguns detalhes que mostram informações sobre o mercado para os médicos brasileiros. Vamos lá!

Especialidades em alta

Em primeiro lugar, vamos analisar quais são as especialidades que se encontram em alta no mercado médico brasileiro. No entanto, defina para si mesmo o que é uma boa especialidade: aquela com menos profissionais, a que você mais se identifica ou a que tem maiores remunerações? Entender as suas prioridades é o primeiro passo para escolher uma especialidade para seguir.

Algumas das especialidades em alta, quando o assunto é remuneração, são as áreas cirúrgicas, em especial a Cirurgia Plástica e a Cirurgia Geral. No entanto, segmentos clínicos também têm o seu valor, em especial a Ortopedia, a Dermatologia e a Oncologia.

Quando o assunto envolve os segmentos com menos profissionais, temos áreas como a Cirurgia de Mão, a Genética e várias outras. Falaremos mais sobre isso a seguir.

No entanto, fique atento: às vezes, é preciso analisar o mercado de uma forma mais ampla. Por exemplo: de acordo com o contexto social, a pirâmide etária e outros desafios da saúde no Brasil, quais seriam as áreas mais em alta dentro de alguns anos? Ao tomar uma decisão de carreira, pense no cenário maior e tente se visualizar no mesmo trabalho nas próximas décadas. Afinal, é um comprometimento a longo prazo!

Lugares que mais precisam de médicos

Como mencionado, um dos maiores problemas enfrentados no mercado de Medicina (tanto para profissionais, quanto para os pacientes) é a desigualdade no que diz respeito à distribuição geográfica desses profissionais.

O Demografia Médica 2023 trouxe um recorte ano de 2022. Nele, a contagem nacional de médicos para cada 1.000 habitantes era de 2,41. No entanto, essa variação não era observada em todos os lugares do Brasil.

Na região Sudeste, uma das mais populosas, a razão era de 3,39 médicos por 1.000 habitantes. O alto número também era observado no Sul (2,95) e no Centro-oeste (3,10). O mesmo não era visto nas outras duas regiões brasileiras.

O Norte é a região com menos profissionais a cada 1.000 habitantes, com uma razão de apenas 1,45. O Nordeste, uma região muito populosa, apresenta apenas 1,93. Assim, é possível observar que há uma grande discrepância na demanda e presença de profissionais em algumas regiões.

Esse é um dos grandes desafios da Medicina atual: levar profissionais às áreas mais remotas, afastadas dos grandes centros, e também para regiões em que não há um grande atendimento médico. Uma das iniciativas que buscam suprir essa demanda é o novo programa Mais Médicos. Assim, pacientes que vivem praticamente isolados das novidades científicas e muitas vezes carecem de cuidados básicos poderiam ter, assegurados, os direitos que estão previstos em nossa constituição.

Áreas mais saturadas

No Brasil, ainda há uma grande porcentagem de médicos generalistas — ao menos, quando comparado com outras nações do mundo. No entanto, o número de especialistas não para de crescer e, em 2023, atingiu a margem de 62,3% de profissionais que se encontram registrados em alguma especialidade. Em outras nações, como é o caso dos EUA, esse número pode ultrapassar os 80%.

No entanto, há também uma grande desigualdade na distribuição das especialidades. Isso faz com que algumas áreas fiquem mais saturadas do que outras, que carecem de profissionais em atuação, especialmente longe dos grandes centros.

De modo geral, as especialidades com maior número de inscritos são:

  • Clínica Médica (56.979 médicos);
  • Pediatria (48.654),
  • Cirurgia Geral (41.547);
  • Ginecologia e Obstetrícia (37.327);
  • Anestesiologia (29.358);
  • Ortopedia e Traumatologia (20.972);
  • Medicina do Trabalho (20.804);
  • Cardiologia (20.324)
  • Oftalmologia (17.967 registros);
  • Radiologia e Diagnóstico por Imagem (16.899),
  • Psiquiatria (13.888);
  • Dermatologia (11.431);
  • Medicina de Família e Comunidade (11.255).

Essas 13 especialidades (de 55 no total) reúnem algo próximo de 70% dos registros de especialistas do Brasil. Assim, há uma certa saturação desses profissionais no mercado, especialmente quando consideramos as áreas urbanas de maior aglomeração populacional.

Áreas com menos especialistas

E já que existem as áreas mais saturadas, não podemos deixar de mencionar as que têm menos registros profissionais, certo? Elas são:

  • Genética Médica;
  • Medicina de Emergência;
  • Radioterapia;
  • Medicina Física e Reabilitação;
  • Medicina Nuclear;
  • Cirurgia de Mão;
  • Cirurgia Torácica;
  • Medicina Esportiva;
  • Cirurgia de Cabeça e Pescoço;
  • Patologia Clínica/ Medicina Laboratorial.

Juntas, essas 10 especialidades somam pouco mais do que 2% do total de especialistas brasileiros. É claro que isso não é um fator determinante para nos dizer quais são as especialidades em alta ou saturadas, mas são fatores importantes para nos ajudar na tomada de decisões para a carreira.

Então, ao se preparar para ser um médico do futuro, mescle as informações obtidas nesse documento com outros pontos. Dentre eles, analise salários, possibilidade de atuação em sua localidade, presença de vagas em hospitais da região em que você vive e demanda populacional geral nessa área.

Como vencer a saturação do mercado e me destacar?

Para fecharmos, é hora de você conferir algumas dicas para destacar o seu currículo e a sua presença na Medicina, obtendo melhores oportunidades e, consequentemente, mais valorização da profissão. Vamos lá!

Invista em marketing pessoal

Nos dias atuais, é praticamente impossível se destacar sem um bom investimento em marketing pessoal para médicos. Isso pode ser feito de muitas formas, mas a primeira delas consiste na criação de uma “marca” que representará a sua identidade como pessoa e profissional.

Uma das formas mais eficientes de se fazer esse marketing é utilizando a internet. A elaboração de um bom site e a criação de conteúdos que agreguem valor ao paciente é uma maneira interessante de deixar a sua marca e, com isso, conquistar uma boa reputação.

Outro ponto de atenção é o atendimento presencial, que também faz parte do marketing e pode ajudá-lo a conquistar novos pacientes. O investimento em um espaço acolhedor, confortável e amigável faz maravilhas na hora de fazer com que os seus clientes sempre queiram voltar.

Faça uso das redes sociais

Outro ponto muito importante para o marketing está no uso das redes sociais. Você não precisa fazer dancinhas para apresentar o seu conteúdo se não se sentir confortável com isso, mas criar uma presença digital faz muito bem para a sua marca e colocação no mercado.

Os conteúdos podem dialogar com o paciente de uma forma mais neutra e sóbria, mas ainda assim é interessante travar esse diálogo digital. Isso gera não só aproximação, mas permite que dúvidas sejam tiradas e que você passe a ser visto como uma referência em sua área.

Vídeos são ótimos, mas imagens também falam mais do que mil palavras! Então, use e abuse desse recurso que é barato e bastante eficiente, especialmente quando você atende em um espaço próprio ou como volante.

Desenvolva a humanização

Já falamos sobre ela, mas nunca é demais repetir. A humanização é um ponto crucial em sua colocação no mercado de trabalho. Hoje, não há mais espaço para profissionais que não travem um diálogo próximo ao paciente e não demonstrem empatia ao lidar com eles.

Sendo assim, desenvolva não só a sua capacidade de oratória, mas também a habilidade de ouvir, interpretar e assimilar as queixas e histórias narradas pelos pacientes.

Além disso, trabalhe a sua empatia e busque se transformar em um profissional acolhedor, que deixe o paciente confortável. Isso fará toda a diferença nos resultados do tratamento proposto e possibilitará que os seus serviços sejam recomendados para outras pessoas.

Treine a sua equipe

O treinamento da equipe, em caso de clínicas próprias, também é indispensável para a sua colocação no mercado. Afinal, é fundamental que todos falem a mesma língua no estabelecimento, evitando ruídos de comunicação.

Outro ponto muito importante está na implementação de uma cultura organizacional que dialogue com a sua marca pessoal. Não adianta, afinal, falar uma coisa e fazer outra dentro da sua clínica.

O cuidado no ato da contratação do pessoal também é muito importante. Selecione desde o início pessoas que sejam não apenas competentes, mas que tenham valores e desejos parecidos com os seus.

Invista em educação continuada

Por fim, mas não menos importante, quando o assunto é mercado de trabalho para médicos: a busca constante por atualização e educação.

Profissionais da saúde nunca podem parar de estudar. Sendo assim, investir em atualizações frequentes é algo que mostra para o seu paciente que ele é o foco em toda essa história.

Além disso, buscar uma Pós-médica também é uma ótima pedida para aumentar a sua presença no mercado, assim como a sua qualificação. Ela pode ser feita sem a necessidade de uma residência e, juntamente com a aprovação na prova de título, pode conferir o título de especialista, algo essencial para o mercado médico atual — que é, em grande parte, composto por generalistas.


Gostou de se atualizar sobre o mercado de trabalho na Medicina?

Como podemos ver, o mercado de trabalho na Medicina segue extremamente promissor. No entanto, hoje, você precisa saber escolher bem as oportunidades e especialidades, além de definir também uma boa estratégia de marketing pessoal. Por isso, cada vez mais os médicos precisam desenvolver novas competências e se atualizar!

Para continuar bem informado sobre as novidades da Medicina e não perder nenhuma das publicações do nosso blog, assine a newsletter IPEMED! Assim, você recebe notificações periódicas sobre as novidades publicadas por aqui. Até a próxima!

Autor(a)

Os médicos que leram esse post, também leram:

Todos os Posts