11 dicas para escolher sua especialização médica

Concluir o curso de medicina é uma longa jornada, mas a escolha da especialização médica é um desafio adicional. Que fatores levar em consideração? O que pesa mais: afinidades pessoais ou aspecto financeiro?

Algumas especializações podem trazer uma remuneração mais atrativa que outras. Entretanto, não é apenas isso que conta. Sua qualidade de vida e afinidade com a área escolhida também interferem nesse processo.

Confira 11 dicas que ajudarão você a se decidir em qual especialização médica investir:

1. Analise seu perfil

Durante a faculdade, você certamente já definiu algumas áreas de interesse. Tente focar nesses temas na sua pesquisa inicial e perceber se mora aí sua afinidade. É certo que a remuneração tem um peso considerável. Ela é, afinal, um termômetro do sucesso e permite melhorar sua qualidade de vida.

Um profissional que tem segurança financeira e conforto pessoal pode focar em suas atividades, realizando-as da melhor forma — seja qual for sua área. Mas passar a vida atuando em algo que não lhe agrada certamente não é a melhor definição de boa vida.

Lembre-se de algo muito importante: não se prenda apenas à opinião de amigos e parentes. Eles querem o melhor para você, mas essa é uma decisão extremamente pessoal, que deve atender aos seus desejos e expectativas.

2. Pense nos pacientes que deseja atender

É provável que as pessoas com quem você vai lidar estabeleçam um vínculo emocional com você. Elas respeitarão sua opinião, considerando você como um guia de sua saúde. Portanto, busque um público com quem tenha afinidade. Essa é uma questão bem prática.

Se você não tem paciência para lidar com crianças, a pediatria não é um bom caminho. Caso se identifique com o universo feminino e as questões da saúde da mulher, especialidades como mastologia, ginecologia e obstetrícia são opções.

Algumas áreas possuem subdivisões focadas na medicina preventiva, enquanto outras cuidam de pacientes em estado mais avançado. Também é preciso colocar isso na balança, afinal, você vai lidar com questões muito íntimas, de foro pessoal e que impactam profundamente o emocional das pessoas.

3. Avalie a rotina profissional da especialização médica

A despeito do seu interesse pessoal, é preciso também ter praticidade, avaliando como é a rotina de um profissional da área. Pode ser que a teoria e a experimentação sejam extremamente interessantes — mas a rotina, não. Algumas especialidades podem requerer maior disposição física, mais tempo em pé, por exemplo.

Já outras implicam esforços emocionais mais intensos. Além disso, as condições do ambiente (permanecer em locais fechados por muito tempo) ou a disponibilidade constante para urgências, independentemente da hora e lugar em que você esteja, também são fatores a avaliar. Pense no quanto está disposto a abrir mão de momentos em família, feriados e finais de semana.

Imagine-se trabalhando dessa mesma forma pelas próximas décadas, e você terá uma clara ideia do que vem pela frente. Há quem prefira debruçar-se sobre cirurgias complexas, enquanto outros profissionais sentem-se motivados pelo atendimento corrido do ambiente hospitalar. Prefere o atendimento em consultório? Descubra o que mais lhe agrada!

4. Projete o investimento necessário

A necessidade constante de especialização e aprimoramento também pesam na escolha. Algumas especialidades requerem muito gasto com formação e equipamentos. Se não estiver preparado, você pode estagnar na carreira ou ter que recorrer a empréstimos e financiamentos, ficando em uma condição desfavorável.

Busque informações detalhadas a respeito de:

  • valores e disponibilidade de cursos na área;
  • aparelhagem e equipamentos;
  • velocidade das inovações etc.

5. Pesquise as especializações melhor remuneradas

Como já falamos, a qualidade de vida de um profissional é diretamente proporcional ao grau de excelência de seu trabalho. Ninguém consegue manter o foco e evitar erros pensando em contas a pagar e passando por dificuldades financeiras. Portanto, considere também o retorno financeiro da especialidade que almeja.

O SUS e os planos de saúde não remuneram bem — e a tendência é que esse cenário piore conforme mais profissionais entram no mercado. Faça pesquisas e busque informações sobre as especialidades mais bem remuneradas do mercado.

Cirurgiões plásticos (tanto para procedimentos reparadores quanto estéticos) estão no topo dessa lista. Além disso, anestesiologia, oncologia e outras áreas também apresentam uma média de ganhos melhor.

6. Faça testes vocacionais

Caso você tenha dificuldades em identificar as áreas de afinidade, recorra aos testes vocacionais. Você pode encontrá-los gratuitamente na internet, tanto em inglês como em português.

Esse tipo de ferramenta é geralmente elaborado por especialistas de diversas áreas, englobando tanto a área de saúde como da educação, psicologia e estatística. Os testes levam em conta características de cada especialidade, cruzando-as com seu perfil e identificando o grau de importância que você dá para aspectos como status, retorno financeiro e outras questões que já abordamos aqui.

Eles não devem definir sua escolha, pois seguem algoritmos padrões, mas ajudam a entender que áreas podem corresponder melhor às suas expectativas para o futuro. Para que eles realmente sejam úteis, é preciso sempre usar de máxima sinceridade nas respostas. Confira algumas opções:

7. Aguarde o momento certo para escolher

É importante não se precipitar nessa escolha. Se você tiver muitas dúvidas, não se lance em uma especialização. Lembre-se de que cada escolha exige investir tempo e recursos — e você não quer fazer isso à toa. Portanto, não economize esforços na etapa de pesquisa e autoconhecimento antes de bater o martelo.

8. Converse com profissionais já atuantes

Esta é uma dica simples, mas muito útil: converse com especialistas das áreas que considera possível escolher. Não há ninguém melhor para dar informações sobre a rotina de trabalho que eles.

Também são essas pessoas que podem ajudar você a entender qual opção atende melhor às suas expectativas, afinal, eles já estão no mercado e possivelmente tiveram as mesmas dúvidas que você. Se possível, passe algum tempo acompanhando a rotina deles. Assim, você poderá ter uma dimensão mais realista sobre o que o espera. Além disso, você estará investindo em algo muito importante no mundo profissional: o networking.

9. Estude possibilidades de pós-graduação e residência

A residência, como você sabe, é requisito para concessão do título de especialista. Algumas áreas podem ter mais e melhores opções de residência em locais de melhor acesso para você. Algumas especialidades têm poucos lugares e um número muito restrito de vagas para residência, e isso pode atrapalhar seus planos.

A pós-graduação, apesar de não conceder o título de especialista, qualifica o profissional, mantendo-o atualizado e aprofundando seus conhecimentos na área escolhida. Portanto, as características da área que você escolher também devem ser levadas em consideração.

10. Investigue as especialidades que estão em falta na região em que pretende atuar

Outro fator a se considerar é a oferta de especialidades no local onde você pretende se estabelecer. Se você estiver em dúvida em relação a qual área seguir, faça uma breve pesquisa sobre os profissionais que atuam tanto na cidade que você almeja e na região que a cerca.

Pode ser que algumas especialidades estejam saturadas, enquanto outras são cobertas por um número menor de profissionais. Ao escolher uma área de que uma certa comunidade carece, você de partida já garante um diferencial para a sua carreira, o que pode inclusive fazer com que você futuramente se torne uma referência nesse contexto.

11. Pesquise instituições e cursos disponíveis

Por último, e não menos importante: pesquise sobre cursos na área em que deseja atuar. A qualidade e o renome das instituições, além do leque de opções disponíveis, podem abrir horizontes mais amplos, ajudando você a garantir o sucesso na carreira que escolher.

Observando tudo isso, você pode ter uma definição melhor sobre qual especialização médica seguir. Na dúvida, conte sempre com a ajuda da IPEMED. 

Autor(a)

Os médicos que leram esse post, também leram:

Todos os Posts